Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




TUDO É INGLÊS PARA MIM

por Thynus, em 24.04.17
Eu recentemente aprendi que a expressão “Isso parece grego para mim” vem dos filósofos medievais, que lamentavam a incapacidade de ler textos antigos. Isso me fez perguntar o que dizem os gregos; que, por falar nisso, dizem “Isso é chinês para mim”. Antes de investigar o que dizem os chineses, no entanto, percebi que tenho um problema pior com os recursos que poderia consultar: seria tudo inglês para mim. E não entendo o que quer dizer entender inglês.
Para ver o porquê, imagine um homem trancado em uma sala. Pedaços de papel com estranhas marcas entram por um buraco na porta; o homem consulta um livro de regras que ele tem (em inglês) e depois faz algumas novas marcas para voltar a colocar o papel no buraco. O processo se repete. Ele não entende essas marcas; ele só segue mecanicamente as regras, combinando marcas de entrada com marcas de saída. Sem que ele saiba, as marcas são caracteres chineses. As pessoas do lado de fora são chineses nativos que acreditam que estão conversando com outro chinês nativo lá dentro.
O interessante é que os computadores são parecidos com o homem na sala: são aparelhos puramente mecânicos que operam com entradas elétricas para produzir saídas elétricas, tudo de acordo com um programa que seguem mecanicamente. Assim como o homem com seu livro de regras simula perfeitamente uma conversa comum, também faria um computador programado de acordo, mas assim como o homem não entende, na verdade, nada de chinês, o computador também não entende o que está fazendo, pois ele, no máximo, simula a mentalidade, mas não pode possuí-la literalmente.
Esse argumento levanta uma questão difícil. Ele supõe que existe algo mais no “compreender” verdadeiramente uma linguagem do que simplesmente ser capaz de produzir saídas apropriadas de acordo com várias entradas. Afinal, o homem e o computador podem realizar a saída sem entender a entrada. Porém, o que mais existe? Quando você ouve certos sons em português, sabe quais outros sons são apropriados para produzir como resposta. Você “realmente entende” português, então, o que exatamente existe para “entender” além da capacidade de emitir respostas apropriadas?
É por isso que parece tudo urdu para mim.
 
 
 
(Andrew Pessin - Filosofia em 60 segundos : expanda sua mente com um minuto por dia!)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:20


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds