Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Inquisição - As acusações

por Thynus, em 01.05.13

 

 

O acusado na Inquisição era responsabilizado por uma "crise de fé", pela qual poderia, ou não, ter relação com fenômenos naturais como pestes, terremotos, doenças e miséria social. Ele era então preso e entregue às autoridades estatais para ser punido. As penas variavam de confisco de bens à pena de morte na fogueira. O uso do fogo foi o modo de punição mais famoso, embora outros meios fossem utilizados. Essas punições tinham um significado religioso, já que o fogo era o símbolo da purificação e materialização da desobediência a Deus, ou seja, do pecado e ilustração da imagem do inferno.
As punições com fogo também envolviam autores de livros polêmicos. Em 1756, em Londres, por exemplo, há o registro do que teria sido levado à execução um Cavaleiro de Oliveira, na verdade o escritor português Francisco Xavier de Oliveira (1702-1783): a publicação da obra Discours pathetéque ou suget des calamites, publicado naquela cidade. Há duas versões para essa execução: em uma delas, o cavaleiro foi queimado com o livro suspenso ao pescoço como herege convicto. Na segunda, o livro foi colocado em uma estátua do escritor e então queimada.
É importante lembrar, entretanto, que os tribunais da Inquisição não eram permanentes, e sim entravam em funcionamento em casos de heresia comprovada e depois eram desativados. Quando houve a Reforma Protestante, no século XVI, foram instituídos outros métodos judiciários de combate à heresia. Neles o delator que apontava um herege garantia sua própria fé em público e sua condição perante a sociedade. Basta lembrar que a caça às bruxas teve origem em países protestantes e não foi liderada pela Inquisição.
Outro ponto que deve ficar claro é que a Inquisição apenas fazia as investigações e inquéritos, deixando a aplicação da pena final para o poder secular. Aos poucos, a partir do século XIX, os tribunais inquisitórios foram suprimidos pelos estados europeus, embora fossem mantidos pelo Estado Pontifício, hoje a cidade-estado do Vaticano.
A partir de 1908, no pontificado de Pio X (1835-1914), a Inquisição ganhou a nova denominação de Sacra Congregação do Santo Ofício e, em 1965, quando aconteceu o Concilio Vaticano II, assumiu o nome que tem hoje: Congregação para a Doutrina da Fé.

(Sérgio Pereira Couto - "Os arquivos secretos do Vaticano")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:58


A pavorosa ilusão

por Thynus, em 07.03.13

Pavorosa ilusão da eternidade,
Terror dos vivos, cárcere dos mortos,
D'almas vãs sonho vão, chamado inferno;
Sistema da política opressora,
Freio, que a mão dos déspotas, dos bonzos
Forjou para a boçal credulidade;
Dogma funesto, que o remorso arraigas
Nos ternos corações, e a paz lhe arrancas;
Dogma funesto, detestável crença
Que envenenas delicias inocentes,
Tais como aquelas que no céu se fingem.
Fúrias, cerastes, dragos, centimanos,
Perpetua escuridão, perpetua chama;
Incompatíveis produções do engano,
Do sempiterno horror terrível quadro
(Só terrível aos olhos da ignorância)
Não, não me assombram tuas negras cores:
Dos homens o pincel e a mão conheço.
Trema de ouvir sacrílego ameaço
Quem de um Deus, quando quer, faz um tirano.
Trema a superstição; lagrimas, preces,
Votos, suspiros, arquejando espalhe;
Cosa as faces co'a terra, os peitos fira:
Vergonhosa piedade, inútil vénia.
Espere ás plantas do impostor sagrado,
Q'ora os infernos abre, ora os ferrolha;
Que as leis e propensões da natureza
Eternas, imutáveis, necessárias,
Chama espantosos, voluntários crimes;
Que as ávidas paixões, que em si fomenta,
Aborrece nos mais, nos mais fulmina;
Que molesto jejum, roaz cilicio
Com despótica voz á carne arbítra;
E nos ares traçando a fútil benção,
Vai do gran'tribunal desenfadar-se
Em sórdido prazer, venais delícias,
Escândalo de amor, que dá, não vende.
Ó Deus! não opressor, não vingativo,
Não vibrando c'o a dextra o raio ardente
Contra o suave instinto que nos deste;
Não carrancudo, ríspido arrojando
Sobre os mortais a ríspida sentença;
A punição cruel, que excede o crime,
Até na opinião do cego escravo,
Que te ama, que te incensa, e crê que és duro:
Monstros de vis paixões, danados peitos,
Pungidos pelo sôfrego interesse,
Alto, impassível numen, te atribuem
A cólera, a vingança, os vícios todos;
Negros enxames, que lhe fervem n'alma.
Quer sanhudo ministro dos altares
Dourar o horror de barbaras cruezas;
Cobrir de véu compacto e venerando,
Atroz satisfação d’antigos ódios,
Que a mira põem no estrago da inocência:
Ou quer manter aspérrimo domínio,
Que os vaivéns da razão franqueia e nutre.
Ei-lo em santo furor todo abrasado,
Hirto o cabelo, os olhos cor de fogo,
A maldição na bôcca, o fel na espuma;
Ei-lo cheio de um Deus tão mau como ele;
Ei-lo citando os hórridos exemplos,
Em que aterrada observa a fantasia
Um Deus o algoz, a vítima o seu povo.
No sobrolho o pavor, nas mãos a morte,
Envolto em nuvens, em trovões, em raios,
D'Israel o tirano omnipotente
Lá brama do Sinai, lá treme a terra.
O torvo executor dos seus decretos,
Hipócrita feroz, Moisés astuto
Ouve o terrivel Deus, que assim troveja:
“Vai, ministro fiel dos meus furores,
Corre, voa a vingar-me, e seja a raiva
D'esfaimados leões menor que a tua.
Meu poder, minhas forças te confio;
Minha tocha invisível te precede;
Dos ímpios, dos ingratos, que me ofendem
Na rebelde cerviz o ferro ensopa.
Extermina, destroe, reduz a cinzas
Dam a frágeis metais, a deuses surdos.
Sepulta as minhas vítimas no inferno;
E treme se a vingança me retardas.”
Não lha retarda o rábido profeta.
Já corre, já vozeia, já difunde
Pelos brutos atónitos sequazes
A peste do implacável fanatismo.
Armam-se, investem, rugem, ferem, matam.
Que sanha, que furor, que atrocidade!
Foge dos corações a natureza.
Os consortes, os pais, as mães, os filhos,
Em honra do seu Deus consagram, tingem
Abominosas mãos no parricídio.
Os campos de cadáveres se alastram;
Sussurra pela terra o sangue em rios.
Ah! barbaro impostor, monstro sedento
De crimes, de ais, de lagrimas, d'estragos,
Serena o frenesi, reprime as garras,
E a torrente de horrores que derramas
Para fundar o império dos tiranos,
Para deixar-lhe o feio e duro exemplo
D'opprimir seus iguais com férreo jugo.
Não profanes, sacrílego, não manches
Da eterna divindade o nome augusto.
Esse, de quem te ostentas tão valido,
He Deus, do teu furor, Deus do teu génio;
Deus criado por ti, Deus necessário
Aos tiranos da terra, aos que te imitam,
E àqueles que não crêem que Deus existe.
Neste quadro fatal bem vês, Marilia,
Que, em tenebrosos séculos envolta,
Desde aqueles cruéis, nefandos tempos,
Dolosa tradição correu aos nossos.
Do coração, da ideia, ah! desarraiga
De astutos mestres a falaz doutrina,
E de crédulos pais preocupados
As quimeras, visões, fantasmas, sonhos.
Ha Deus; mas Deus de paz, Deus de piedade,
Deus de amor, pai dos homens, não flagelo;
Deus, que ás nossas paixões deu ser, deu fogo;
Que só não leva a bem o abuso delas;
Porque á nossa existência não se ajusta,
Porque inda encurta mais a curta vida.
Amor é lei do Eterno, é lei suave:
As mais são invenções; são quase todas
Contrarias á razão e á natureza,
Próprias ao bem de alguns, e ao mal de muitos.
Natureza e razão jamais diferem:
Natureza e razão movem, conduzem
A dar socorro ao pálido indigente,
A pôr limite ás lagrimas do aflito,
E a remir a inocência consternada,
Quando nos débeis, magoados pulsos
Lhe roxeia o vergão de vis algemas.
Natureza e razão jamais aprovam
O abuso das paixões, aquela insânia
Que, pondo os homens a nível dos brutos,
Os infama, os deslustra, os desacorda.
Quando a nossos iguais, quando uns aos outros
Traçamos fero dano, injustos males,
Em nossos corações, em nossas mentes
És, ó remorso! o precursor do crime;
O castigo nos dás antes da culpa,
Que só na execução do crime existe;
Pois não pode evitar-se o pensamento.
He inocente a mão que se arrepende.
Não vêem só dum principio acções opostas,
Tais dimanam de um Deus, e tais do exemplo,
Ou do cego furor, moléstia d'alma.
Crê pois, meu doce bem, meu doce encanto
Que te anseiam fantásticos terrores,
Pregados pelo ardil, pelo interesse
Só de infestos mortais na voz, n'astúcia.
A bem da tirania está o inferno:
Esse que pintam báratro de angústias
Sería o galardão, sería o fruto
Das suas vexações, dos seus embustes,
E não pena de amor, se inferno houvesse.
Escuta o coração, Marilia bela,
Escuta o coração, que te não mente;
Mil vezes te dirá; “Se a rigorosa,
Carrancuda opressão de um pai severo
Te não deixa chegar ao caro amante
Pelo perpetuo nó que chamam sacro,
Que o bonzo enganador teceu na ideia,
Para também de amor dar leis ao mundo;
Se obter não podes a união solene,
Que alucina os mortais; porque te esquivas
Da natural prisão, do terno laço
Que em lagrimas, em ais te estou pedindo?
Reclama o teu poder e os teus direitos
De justiça despótica extorquidos.
Não chega aos corações o jus paterno,
Se a chama da ternura os afogueia.
Eia pois, do temor sacode o jugo,
Acanhada donzela, e no teu pejo,
Destra iludindo as vigilantes guardas,
Pelas sombras da noite, a amor propicias,
Demanda os braços do ansioso Elmano;
Ao risonho prazer franqueia os lares.
Consista o laço na união das almas;
Do ditoso himeneu as venerandas,
Caladas trevas testemunhas sejam;
Seja ministro amor, a terra o templo,
Pois que o templo do Eterno é toda a terra.
Entrega-te depois aos teus transportes,
Os opressos desejos desafoga,
Mata o pejo importuno; incita, incita
O que só de prazer merece o nome.
Verás como, envolvendo-se as vontades,
Gostos iguais se dam e se recebem.
Do jubilo há-de a força amortecer-te;
Do jubilo há-de a força aviventar-te:
Sentirás suspirar, morrer o amante;
Com os teus confundir os seus suspiros:
Hás-de morrer e reviver com ele.
De tão alta ventura, ah! não te prives,
Ah! não prives, insana, a quem te adora.”
Eis o que hás-de escutar-lhe, ó doce amada!
Se á voz do coração não fores surda.
De tuas perfeições enfeitiçado,
Ás preces que te envia eu uno as minhas.
Ah! faze-me ditoso, e sê ditosa.
Amar é um dever além de um gosto;
Uma necessidade, não um crime
Qual a impostura horríssona pregoa.
Céus não existem, não existe inferno.
O prémio da virtude é a virtude;
He castigo do vicio o próprio vício.

(M. M. B. DU BOCAGE)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:14


Religião e filosofia

por Thynus, em 21.02.13

 A palavra religião vem do latim: religio, formada pelo prefixo re (outra vez, de novo) e o verbo ligare (ligar, unir, vincular). A religião é um vínculo. Quais as partes vinculadas? O mundo profano e o mundo sagrado, isto é, a Natureza (água, fogo, ar, animais, plantas, astros, metais, terra, humanos) e as divindades que habitam a Natureza ou um lugar separado da Natureza.
Nas várias culturas, essa ligação é simbolizada no momento de fundação de uma aldeia, vila ou cidade: o guia religioso traça figuras no chão (círculo, quadrado, triângulo) e repete o mesmo gesto no ar (na direção do céu, ou do mar, ou da floresta, ou do deserto). Esses dois gestos delimitam um espaço novo, sagrado (no ar) e consagrado (no solo). Nesse novo espaço ergue-se o santuário (em latim, templum, templo) e à sua volta os edifícios da nova comunidade.
Essa mesma cerimônia da ligação fundadora aparece na religião judaica, quando Jeová indica ao povo o lugar onde deve habitar – a Terra Prometida – e o espaço onde o templo deverá ser edificado, para nele ser colocada a Arca da Aliança, símbolo do vínculo que une o povo e seu Deus, recordando a primeira ligação: o arco-íris, anunciado por Deus a Noé como prova de seu laço com ele e sua descendência.
Também no cristianismo a religio é explicitada por um gesto de união. No Novo Testamento, Jesus disse a Pedro: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as Chaves do Reino: o que ligares na Terra será ligado no Céu; o que desligares na Terra será desligado no Céu”.

 Através da sacralização e consagração, a religião cria a idéia de espaço sagrado. Os céus, o monte Olimpo (na Grécia), as montanhas do deserto (em Israel), templos e igrejas são santuários ou moradas dos deuses. O espaço da vida comum separa-se do espaço sagrado: neste, vivem os deuses, são feitas as cerimônias de culto, são trazidas oferendas e feitas preces com pedidos às divindades (colheita, paz, vitória na guerra, bom parto, fim de uma peste); no primeiro transcorre a vida profana dos humanos. A religião organiza o espaço e lhe dá qualidades culturais, diversas das simples qualidades naturais.


(Marilena Chaui - "Convite à filosofia")

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 16:00

OS CÍNICOS COSTUMAM se esconder por trás da maldade do mundo para dar asas à própria perversão. No entanto, os atos alheios nunca justificam os nossos.
Nesta reflexão, Nietzsche faz referência às dificuldades da vida como uma escola que pode nos endurecer ou até nos transformar em pessoas cruéis, ainda que, no final, essa seja uma opção pessoal. Contra os determinismos negativos, Viktor Frankl comentou no livro Em busca de sentido que até nas circunstâncias mais adversas o ser humano tem o direito de decidir qual será sua postura diante do mundo. Sobre sua passagem pelo inferno de Auschwitz, Viktor relatou que alguns prisioneiros se embruteciam e colaboravam em atos de tortura, agindo contra os próprios companheiros, ao passo que outros consolavam os doentes acamados e dividiam com eles seu último pedaço de pão.
Referindo-se ao conceito budista de dor e de sofrimento, ele afirmou: “Mesmo que não esteja em suas mãos mudar uma situação dolorosa, é sempre possível escolher a forma de lidar com o sofrimento.”

(Allan Percy - "Nietzche para Estressados")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:14


O peito feminino

por Thynus, em 14.02.13
 O peito feminino, tanto por sua função como por sua forma, tem importância central. Chamada de mama na linguagem utilizada pela medicina, ele simboliza a maternidade e a capacidade de nutrir. Com o crescimento da criança no útero, crescem também os seios, e no momento do nascimento eles estão túrgidos devido ao leite que os enche. A primeira vez em que a criança é amamentada desperta um sentimento de volúpia entre mãe e filho. Além do mais, isso tem um efeito favorável em relação às dores puerperais e à recuperação do útero. É, por assim dizer, o sinal para a recuperação após o nascimento. Além do sentimento de felicidade e de volúpia sentido pela maioria das mães ao amamentar, esse ato traz também alívio aos seios túrgidos, sendo agradável também nesse sentido. Embora mamar seja um reflexo inato à criança, o contato com o seio macio e o fluxo de leite morno a enche igualmente com uma sensação de felicidade e satisfação.
Os seios são extremamente sensíveis. O suave toque acariciante das faces infantis e sobretudo o toque dos lábios e da língua ao mamar despertam sensações voluptuosas em muitas mulheres. Neste sentido, o fundamento do amor materno é também de tipo sexual. A partir disso, Groddeck conclui que amamentar atiça a paixão na mulher e a estimula a voltar a procurar as relações sexuais. Ele interpreta essa observação a serviço da conservação da espécie como biologicamente significativa. Entretanto, depõe contra isso o fato de que é justamente a amamentação que fornece um escudo prevenindo uma nova concepção demasiado precoce.
 A temática sexual do seio que amamenta é combatida sobretudo por aqueles que colocam a maternidade no céu, condenando entretanto a sexualidade ao inferno. A relação sexual geral do peito feminino, ao contrário, é inquestionável. Ele é tomado voluptuosamente na boca tanto quando amamenta como quando é beijado, um procedimento que ocorre no plano superior do corpo e que não deixa de ser semelhante à relação sexual completa que ocorre abaixo. O seio desempenha aqui o papel do pênis penetrante, correspondendo a cavidade bucal à vagina. Sem levar em conta a questão de se a criança, ao mamar, já vivencia a mulher na mãe, o significado central do peito na vida posterior é evidente. O vinculo com o seio é o primeiro que o ser humano vivencia. Neste sentido, é natural que ele continue procurando o amor no seio. Isso é válido também para as mulheres. Elas gostam de pressionar-se mutuamente contra o peito, transmitindo assim uma terna sensação de proteção. A relação de uma mulher com o peito de outra mulher é naturalmente muito mais próxima que a de um homem com o membro de um companheiro do mesmo sexo. Apertar alguém contra o peito é sempre um gesto de simpatia e de amor. Também, nenhum outro órgão expressa a compaixão de forma mais intensa e calorosa; em nenhum outro lugar, por exemplo, pode-se reclinar a cabeça e chorar. Que os seios, além de sua função maternal de alimentação, são também um órgão de relacionamento, é mostrado pelo fato de eles serem permanentemente salientes unicamente entre os seres humanos, enquanto nos "outros mamíferos" só se desenvolvem temporariamente na época da amamentação.
No amor sexual, finalmente, o peito torna-se órgão sexual, já que os homens buscam instintivamente o peito, chamado hoje em dia de seio. Essa expressão em si mesma é errada, pois a rigor um seio designa uma sinuosidade, uma baia, o espaço no meio, o decote. Esse lugar entre os seios vem sendo desnudado desde a Antiguidade para excitar o outro sexo. Por mais que as tendências da moda tenham variado ao longo das diferentes épocas, só muito raramente se renunciou à exposição desse local tão excitante. Em parte, épocas mais antigas chegaram a ser até mesmo mais generosas a esse respeito; basta pensar nos vestidos da época de Luís XIV que deixavam os seios livres, isso para não falar na "moda" dos chamados povos primitivos. No antigo Egito, a profundidade do decote correspondia ao grau de influência social, e em Atenas as mulheres burguesas compareciam às ocasiões festivas com o busto nu. O topless, portanto, não é de forma alguma uma invenção de nossa época liberal.
 Os seios também são acentuados de maneira menos óbvia: erguidos por meio de espartilhos, atados e ao mesmo tempo exibidos por sutiãs, postos em forma por corpetes especiais ou simplesmente quando a mulher aperta os braços por baixo deles e se exibe. Até mesmo o acinturamento da roupa serve em parte para acentuar o busto. Jóias tais como broches e colares apontam para as preciosidades que estão abaixo. Para muitos seres do sexo masculino, mais excitante que o peito nu que se oferece é a sugestão de que eles poderiam merecer visão tão generosa. Neste sentido, as resvaladiças mulheres que usam vestidos decotados agem de forma igualmente hábil e (semi) consciente.
Assim como as mulheres sempre tiveram a tendência de empregar seus seios, por natureza proeminentes, no jogo social, os homens jamais o quiseram evitar. São quase exclusivamente homens que, no que diz respeito aos seios, determinam os caminhos muito retilíneos da moda.
Os seios, com sua maciez e flexibilidade, são a região do corpo que menos resistência oferece. Esse conhecimento, adquirido de maneira intuitiva pelo bebê, sempre foi usado pelos homens para conquistar toda a mulher por meio dos seios.
 Enquanto as mulheres em geral "pulam no pescoço" dos homens (1), os homens costumam voar para o peito. Sua suave forma semi-esférica é talvez fortemente responsável pela preferência que, também mais tarde na vida, temos por todas as coisas arredondadas. Nele nada repele, sendo tudo atraente e encantador. Sendo assim, tanto em formas de expressão exigentes como nas mais modestas, ele é circundado por imagens que correspondem à sua perfeita forma redonda. Entre as frutas, a maçã é especialmente solicitada em relação a isso, às vezes também as pêras. Para os mamilos, servem de modelo as framboesas e os morangos, ou então os botões das flores. Enquanto os húngaros falam de botões também na linguagem coloquial, os alemães não se acanham em falar de verrugas [Warzen].
Com isso, faz-se referência a algo repelente, repugnante mesmo, que nós na verdade costumamos relacionar com as bruxas velhas e más. Quem gostaria de colocar uma verruga na boca? Essa designação pode ser uma relíquia dos tempos da Inquisição, aquela projeção de loucura coletiva que via bruxas más e sedutoras especialmente nas mulheres atraentes. O movimento feminista descobriu essa temática e, desse lado, fala-se por princípio nas pérolas do peito. A palavra verruga, nesse contexto, permite presumir que em alemão as atitudes inconscientes negativas em relação à feminilidade madura predominam. Estas também têm sua tradição na história. Na Idade Média, os fanáticos religiosos xingavam o decote de "janela do inferno", e os seios de "foles do diabo" ou "bolas do diabo". Até mesmo a política se ocupava dos seios excitantes, e chegaram até nós decretos dirigidos contra sua "vergonhosa exibição". Naquela época tentou-se, especialmente nos países católicos, prevenir o perigoso desenvolvimento dos seios em geral, por exemplo colocando sobre eles pesados pratos de chumbo à noite.
 O peito feminino é de longe o órgão sexual secundário e o chamariz óptico mais importante. Ele é amplamente utilizado nessa função, e às vezes explorado. São sobretudo as industrias de cinema americana e italiana que destacam as "estrelas cheias de curvas" que fazem os corações dos homens baterem mais rápido. As mulheres são reduzidas a três cifras, sendo que o busto ocupa o lugar mais importante. Assim, o peito evidentemente torna-se o órgão pelo qual a mulher necessariamente se deixa definir e pelo qual muitas vezes também se autodefine. Em uma época digital, uma cifra é suficiente. Ânimos mais fora de moda ainda definem seu ideal de maneira mais descritiva. Os seios então devem ser bem formados, firmes e de tamanho médio.
Caso sejam muito pequenos, são degradados como ausentes, e quando são grandes demais passam a ser considerados uma provocação, juntamente com sua proprietária. É difícil para nós conceber que existem culturas que têm outro ideal e que, por exemplo, dão preferência aos "peitos caídos", que lá são símbolos de madurez, fertilidade e de uma vida muito bem vivida.
Na Alemanha, a fórmula simples que se esconde por trás da definição digital é que quanto maior o busto, mais (sexualmente) excitante é a mulher. Trata-se de uma sexualidade com forte orla maternal. O "conquistador masculino" pode esconder-se em tais seios e deixar-se mimar por eles como quando era bebê. É nesse sentido que o sintoma do fetichismo dos seios pode ser interpretado. Tais homens procuram a mãe na mulher, mais que para a satisfação genital madura, para dar-lhes cobertura emocional, abrigo e proteção e, juntamente com isso, a mulher poderosa. que a infantil cultura norte-americana, que vai da comida ao permanente jogo de índios e cowboys e passa por Mickey Mouse, se destaque também aqui, é tão pouco de admirar como a preferência italiana correspondente. Classicamente, a mamma italiana tem seios fartos e coloca-se inteiramente à disposição de suas crianças, grandes e pequenas.
Vários problemas com o peito e com os seios se desenvolvem a partir da valoração social, mas também do respectivo ambiente individual. A silhueta ideal está em boa parte submetida ao gosto de cada época. Se na virada do século a demanda ainda era por silhuetas arredondadas e mais generosas, hoje em dia pede-se uma linha esguia. A imagem ideal da estrela cheia de curvas difundida por Hollywood era a da mulher esbelta com seios grandes. O ideal Twiggy, uma silhueta de rapaz praticamente sem seios, já fez furor no mundo antigo. Nesta variedade de ideais, os problemas não podem ficar de fora. De fato nenhum órgão, incluindo o nariz, é operado tão freqüentemente sem necessidade médica como o peito (glândulas mamárias) feminino. Ao mesmo tempo, entretanto, também nenhum órgão feminino é operado com mais urgência e necessidade, já que o carcinoma da mama é o câncer mais freqüente nas mulheres.

(1) Com o pescoço declara-se o tema da propriedade. Conseqüentemente, quem se atira ao pescoço de outra pessoa visa a (região da) propriedade.

(Rüdger Dahlke - "A doença como linguagem da alma")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:07


O discurso autorizado

por Thynus, em 16.01.13

Como é sabido, vivemos em uma sociedade que premia as competências, no campo profissional, intelectual, emocional, esportivo etc. Ao limbo são condenados aqueles que estão "do lado da incompetência, porque não conseguem subir na vida, ou são instáveis emocionalmente, desgarrados da família, maus alunos, repetentes nos exames vestibulares, inseguros nas tomadas de decisões. Se olharmos a questão por esse ângulo, veremos que o leque dos fracassados é enorme; os vitoriosos cabem nos pequenos círculos gerenciais. O parâmetro que irá atribuir medalhas honoríficas a uns e adjetivos pouco nobres a outros é sempre o da eficiência. Mede-se o sujeito por aquilo que produzirá, quer ao nível material — os negócios realizados, os imóveis adquiridos, até as peças que fabrica —, quer ao nível espiritual — a agudeza com que emite opiniões, os livros que escreve, a harmonia emocional que consegue estabelecer, a capacidade com que convence auditórios inteiros. O mito da eficiência costuma desconsiderar as naturezas e finalidades dos bens produzidos. Deus e o diabo podem diferenciar-se na Ferra do Sol, mas, no que diz respeito à organização produtiva, eles se misturam. Não se pergunta para que, para onde, para quem os bens se voltam. Alguém ganhou, alguém perdeu, afirmaram-se individualidades, foram os seres brutalizados, são perguntas improcedentes para o caso. Assim sendo, se, por exemplo, no interior do sistema tecno-burocrático-militar, um pesquisador de física atômica consegue descobrir uma partícula com maior poder de destruição do que as já existentes, então a ele está assegurado o galhardão da competência, pouco importando a natureza ética de tal descoberta: a glória do cientista virá, ainda que pela porta do inferno. Da mesma forma, o policial agraciado com uma nova patente na polícia por haver desvendado um caso obscuro. É verdade que ele fez uso de várias formas de violência física e psicológica contra os suspeitos; mas o que está em causa aqui não é perguntar acerca da justeza de uma forma de ação e sim reconhecer a eficiência da polícia, conquanto se tenha comprometido os resquícios de humanidade de torturados e torturadores.
É possível objetar que o biólogo que ajudou a encontrar a cura para o câncer, contribuindo, portanto, para extirpar um mal que ataca a humanidade, revelou, felizmente, eficácia e competência. O problema não está, obviamente, no fato da eficácia e da competência, mas na sua natureza e no uso alienado que dela se faz. Ao diluir tudo num plano meramente concorrencial e triunfalista, as instituições impedem que se façam perguntas, que se indague das naturezas das competências. E a quem cabe o papel de uniformizar interesses contraditórios, escamoteando e mascarando as diferenças, impedindo que a sociedade reconheça o profundo antagonismo existente entre a competência do físico que pesquisou a nova partícula atômica e a do biólogo que descobriu a cura do câncer?

(Adilson Citelli - "Linguagem e persuasão")

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:38

Deus e eu a sós no espaço... 
ninguém mais à vista... 
"E onde estão todas as pessoas, 
meu Senhor", disse eu, 
"a Terra sob nós 
e o Céu acima 
e os mortos de minha lista?"
"Foi um sonho", Deus sorriu 
e disse: "O sonho que parecia 
ser real; não havia pessoas 
vivas ou mortas; não havia Terra, 
e nem o Céu acima, 
havia apenas eu em você". 
"Por que não sinto medo?", perguntei, 
"encontrando-o aqui neste momento? 
Pois pequei, sei disso muito bem 
e existe céu, e inferno também, 
e será este o Dia do Julgamento?" 
"Não, eram apenas sonhos", 
disse o Grande Deus, 
"sonhos que não existem mais. 
Não existe isso de medo e pecado; 
não existe você... nunca houve você no passado. 
Nada existe, senão eu".
    
(Amit Goswami - "A física da alma")                          

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 17:23

A maioria dos homens se deixa seduzir por um rosto bonito; pois a natureza os induz a se unirem às mulheres na medida em que ela mostra de uma vez todo o lado brilhante delas ou deixa atuar o "efeito teatral"; mas esconde vários males, que elas conseqüentemente trazem, entre eles tarefas intermináveis, preocupações com crianças, teimosia, caprichos, envelhecimento e feiúra após alguns anos, trapaças, colocação de cornos, inquietações, ataques histéricos, amantes, inferno e diabo. Por essa razão, designo o casamento como uma dívida, que foi contraída na juventude e paga na velhice. Na celebração de um casamento, parece que nem o indivíduo nem o interesse da espécie precisam ser prejudicados. Porém, na maioria das vezes o que ocorre é o seguinte: o fato de a conveniência e o amor passional andarem de mãos dadas é o caso de felicidade mais raro que existe.

(Arthur Schopenhauer - "A Arte de Lidar com as Mulheres")

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 10:24


O amor e o ódio

por Thynus, em 07.01.13

De vez em quando o diabo me aparece e temos longas conversas. Devil em nada se parece com o que dizem dele: rabo, chifres, patas de bode e cheiro de enxofre. Cavalheiro de voz mansa e racional, bem vestido, apreciador de desodorantes finos, me surpreende sempre pela lógica dos seus argumentos. Nada de futilidades. Só fala sobre o essencial, estilo que aprendeu com Deus, nos anos em que foi seu discípulo. Percebi que era ele quando notei que trazia na sua mão direita o martelo e, na esquerda, a bigorna. Pois esta é a sua missão: martelar as certezas, ferro contra ferro, para ver se sobrevivem ao teste.

Já se preparava para dar a primeira martelada quando o interrompi:
- Que é isto que você vai bater? Acho que vai se partir em mil pedaços...
A coisa que estava sobre a bigorna me parecia feita de louça, um bibelô delicado e frágil, e lamentei que o diabo fosse esmigalhá-la.
- Não tenho outra alternativa - ele me respondeu. - É parte de uma aposta que fiz com Deus. Este bibelô delicado é o casamento. E você pode estar certo: não resistirá ao ferro do meu martelo!
Fiquei indignado que ele estivesse maquinando coisa tão perversa e passei ao ataque.
- Não é à toa que os religiosos dizem que você é o anti-Deus. Deus junta. Você separa! A sua bigorna já destruiu muitos lares!
Ele não tinha pressa. Descansou o seu martelo e me falou com voz imperturbada:
- Já estou acostumado às calúnias. Mas não existe coisa alguma mais distante da verdade. Se há uma coisa que eu desejo é um casamento duradouro, até que a morte os separe. Se ponho o casamento na bigorna é justamente para provar que a receita do Criador não funciona. A minha é muito mais eficaz.
Como o meu silêncio indicasse minha disposição em ouvi-lo, ele continuou a falar:
- Todo mundo sabe que, no início, eu era a mão direita de Deus. Estávamos de acordo em tudo. Ele mandava, eu fazia. Foi por causa do casamento que nos separamos. Até então trabalhávamos juntos. Quando Deus disse que não era bom que o homem estivesse só, e melhor seria que ele tivesse uma mulher, eu concordei. Quando Deus disse que esta união teria de ser sem fim, até a morte, eu aplaudi. Mas aí apareceu o pomo da discórdia. Para colar o homem na mulher, Deus foi buscar uma bisnaguinha de amor. Protestei. Argumentei:
- Senhor! Amor é coisa muito fraca, de duração efêmera! Quem é colado com o amor logo se separa!
Citei o poeta: "Que não seja imortal, posto que é chama, mas que seja infinito enquanto dure!" Amor é chama tênue, fogo de palha. Não pode ser imortal. No começo, aquele entusiasmo. Mas logo se apaga. Chama de vela, fraquinha, que se vai com qualquer ventinho... Amor é bibelô de louça. Todos os amantes sabem disso, mesmo os mais apaixonados. E não é por isso que sentem ciúmes? Ciúme é a consciência dolorosa de que o objeto amado não é posse: ele pode voar a qualquer momento. Por isto o amor é doloroso, está cheio de incertezas. Discreto tocar de dedos, suave encontro de olhares: coisa deliciosa, sem dúvida. E é por isso mesmo, por ser tão discreto, por ser tão suave, que o amor se recusa a segurar. Amar é ter um pássaro pousado no dedo. Quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que, a qualquer momento, ele pode voar. Como construir uma relação duradoura com cola tão fraquinha? Por isto os casais se separam, por causa do amor, pela ilusão de um outro amor. Qualquer tolo sabe que o pássaro só fica se estiver na gaiola. O amor é cola fraca para produzir um casamento duradouro porque no amor vive o maior inimigo da estabilidade: a liberdade. É preciso que o pássaro aprenda que é inútil bater asas. Um casamento duradouro é aquele em que o homem e a mulher perderam as ilusões do amor.
- Foi aí que nos separamos - ele continuou.
- Não porque discordássemos que casamento deveria ser eterno. É isto que eu quero. Nos separamos porque não estávamos de acordo sobre o que é que junta um homem e uma mulher, eternamente. Deus é um romântico. Eu sou um realista.
- Qual foi então a sua proposta? Que cola deveria ser usada?- perguntei, perplexo.
- O ódio. - respondeu ele. - Enganam-se aqueles que dizem que o ódio separa. A verdade é que o ódio junta as pessoas. Como disse um jagunço do Guimarães Rosa, quem odeia o outro, leva o outro para a cama. Diferente do fogo da vela, o fogo do ódio é como um vulcão. Não se apaga nunca. Por fora pode parecer adormecido. No fundo, as chamas crepitam. A diferença entre os dois? O amor, por causa da liberdade, abre a mão e deixa o outro ir. No amor existe a permanente possibilidade de separação. Mas o ódio segura. Não tenha dúvidas. Os casamentos mais sólidos são baseados no ódio. E sabe por que o ódio não deixa ir? Porque ele não suporta a fantasia do outro, voando livre, feliz. O ódio constrói gaiolas, e ali dentro ficam os dois, moendo-se mutuamente numa máquina de moer carne que gira sem parar, cada um se nutrindo da infelicidade que pode causar no outro. As pessoas ficam juntas para se torturarem. Não menospreze o poder do sadismo. Ah! A suprema felicidade de fazer o outro infeliz!
Com estas palavras ele tomou do seu martelo e voltou ao seu trabalho:
- Tenho de provar que eu, e não Deus, sou quem sabe a receita do casamento que só a morte pode separar.
Eu me persignei três vezes e compreendi que o inferno está mais perto do que eu pensava.

(Rubem Alves)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:46


…e surge o verdadeiro Eu

por Thynus, em 06.01.13
O inferno não são os outros, pequena Halla. Eles são o
paraíso, porque um homem sozinho é apenas um animal.
A humanidade começa nos que te rodeiam, e não exatamente
em ti. Ser-se pessoa implica a tua mãe, as nossas
pessoas, um desconhecido ou a sua expectativa. Sem
ninguém no presente nem no futuro, o indivíduo pensa
tão sem razão quanto pensam os peixes. Dura pelo engenho
que tiver e perece como um atributo indiferenciado
do planeta. Perece como uma coisa qualquer.
(Valter Hugo Mãe - A Desumanização)
 

000.jpg

Através do ego a sociedade controla você. Você tem que se comportar de certa maneira, porque somente assim a sociedade irá apreciá-lo. Você tem que caminhar desse jeito, você tem que rir assim, você deve seguir determinadas condutas, uma moralidade, um código. Somente assim a sociedade o apreciará, e se ela não o fizer, o seu ego ficará abalado. E quando o ego fica abalado, você não sabe onde está, você não sabe quem você é.

Os outros deram-lhe a ideia. E essa ideia é o ego. Tente entendê-lo o mais profundamente possível, porque ele tem que ser jogado fora. E a não ser que você o jogue fora, nunca será capaz de alcançar o Eu. Por estar viciado no falso centro, você não pode se mover, e você não pode olhar para o Eu. E lembre-se: vai haver um período intermediário, um intervalo, quando o ego estará se despedaçando, quando você não saberá quem você é, quando você não saberá para onde está indo; quando todos os limites se dissolverão. Você estará simplesmente confuso, um caos.

Devido a esse caos, você tem medo de perder o ego. Mas tem que ser assim. Temos que passar através do caos antes de atingir o centro verdadeiro. E se você for ousado, o período será curto. Se você for medroso e novamente cair no ego, e novamente começar a ajeitá-lo, então, o período pode ser muito, muito longo; muitas vidas podem ser desperdiçadas…

Até mesmo o fato de ser infeliz lhe dá a sensação de “eu sou”. Afastando-se do que é conhecido, o medo toma conta; você começa sentir medo da escuridão e do caos – porque a sociedade conseguiu clarear uma pequena parte de seu ser… É o mesmo que penetrar numa floresta. Você faz uma pequena clareira, você limpa um pedaço de terra, você faz um cercado, você faz uma pequena cabana; você faz um pequeno jardim, um gramado, e você sente-se bem. Além de sua cerca – a floresta, a selva. Mas aqui dentro tudo está bem: você planejou tudo.

Foi assim que aconteceu. A sociedade abriu uma pequena clareira em sua consciência. Ela limpou apenas uma pequena parte completamente, e cercou-a. Tudo está bem ali. Todas as suas universidades estão fazendo isso. Toda a cultura e todo o condicionamento visam apenas limpar uma parte, para que ali você possa se sentir em casa.

E então você passa a sentir medo. Além da cerca existe perigo.

Além da cerca você é, tal como você é dentro da cerca – e sua mente consciente é apenas uma parte, um décimo de todo o seu ser. Nove décimos estão aguardando no escuro. E dentro desses nove décimos, em algum lugar, o seu centro verdadeiro está oculto.

Precisamos ser ousados, corajosos. Precisamos dar um passo para o desconhecido.

Por um certo tempo, todos os limite ficarão perdidos. Por um certo tempo, você vai se sentir atordoado. Por um certo tempo, você vai se sentir muito amedrontado e abalado, como se tivesse havido um terremoto.

Mas se você for corajoso e não voltar para trás, se você não voltar a cair no ego, mas for sempre em frente, existe um centro oculto dentro de você, um centro que você tem carregado por muitas vidas. Esse centro é a sua alma, o Eu.

Uma vez que você se aproxime dele, tudo muda, tudo volta a se assentar novamente. Mas agora esse assentamento não é feito pela sociedade. Agora, tudo se torna um cosmos e não um caos, nasce uma nova ordem. Mas essa não é a ordem da sociedade – essa é a própria ordem da existência.

É o que Buda chama de Dhamma*, Lao Tzu chama de Tao, Heráclito chama de Logos. Não é feita pelo homem. É a própria ordem da existência. Então, de repente tudo volta a ficar belo, e pela primeira vez, realmente belo, porque as coisas feitas pelo homem não podem ser belas. No máximo você pode esconder a feiura delas, isso é tudo. Você pode enfeitá-las, mas elas nunca podem ser belas…

O ego tem uma certa qualidade: a de que ele está morto. Ele é de plástico. E é muito fácil obtê-lo, porque os outros o dão a você. Você não precisa procurar por ele; a busca não é necessária. Por isso, a menos que você se torne um buscador à procura do desconhecido, você ainda não terá se tornado um indivíduo. Você é simplesmente mais um na multidão. Você é apenas uma turba. Se você não tem um centro autêntico, como pode ser um indivíduo?

O ego não é individual. O ego é um fenômeno social – ele é a sociedade, não é você. Mas ele lhe dá um papel na sociedade, uma posição na sociedade. E se você ficar satisfeito com ele, você perderá toda a oportunidade de encontrar o Eu. E por isso você é tão infeliz. Como você pode ser feliz com uma vida de plástico? Como você pode estar em êxtase ser bem-aventurado com uma vida falsa? E esse ego cria muitos tormentos. O ego é o inferno. Sempre que você estiver sofrendo, tente simplesmente observar e analisar, e você descobrirá que, em algum lugar, o ego é a causa do sofrimento. E o ego segue encontrando motivos para sofrer…

E assim as pessoas se tornam dependentes, umas das outras. É uma profunda escravidão. O ego tem que ser um escravo. Ele depende dos outros. E somente uma pessoa que não tenha ego é, pela primeira vez, um mestre; ele deixa de ser um escravo.

Tente entender isso. E comece a procurar o ego – não nos outros, isso não é da sua conta, mas em você. Toda vez que se sentir infeliz, imediatamente feche os olhos e tente descobrir de onde a infelicidade está vindo, e você sempre descobrirá que o falso centro entrou em choque com alguém.

Você esperava algo e isso não aconteceu. Você espera algo e justamente o contrário aconteceu – seu ego fica estremecido, você fica infeliz. Simplesmente olhe, sempre que estiver infeliz, tente descobrir a razão.

As causas não estão fora de você.

A causa básica está dentro de você – mas você sempre olha para fora, você sempre pergunta: ‘Quem está me tornando infeliz?’ ‘Quem está causando a minha raiva?’ ‘Quem está causando a minha angústia?’

Se você olhar para fora, você não perceberá. Simplesmente feche os olhos e sempre olhe para dentro. A origem de toda a infelicidade, da raiva e da angústia, está oculta dentro de você, é o seu ego.

E se você encontrar a origem, será fácil ir além dela. Se você puder ver que é o seu próprio ego que lhe causa problemas, você vai preferir abandoná-lo – porque ninguém é capaz de carregar a origem da infelicidade, uma vez que a tenha entendido.

Mas lembre-se, não há necessidade de abandonar o ego. Você não o pode abandonar. E se você tentar abandoná-lo, simplesmente estará conseguindo um outro ego mais sutil, que diz: ‘tornei-me humilde’…

Todo o caminho em direção ao divino, ao supremo, tem que passar através desse território do ego. O falso tem que ser entendido como falso. A origem da miséria tem que ser entendida como a origem da miséria – então ela simplesmente desaparece. Quando você sabe que ele é o veneno, ele desaparece. Quando você sabe que ele é o fogo, ele desaparece. Quando você sabe que esse é o inferno, ele desaparece.

E então você nunca diz: ‘eu abandonei o ego’. Você simplesmente irá rir de toda essa história, dessa piada, pois você era o criador de toda essa infelicidade…

É difícil ver o próprio ego. É muito fácil ver o ego nos outros. Mas esse não é o ponto, você não os pode ajudar.

Tente ver o seu próprio ego. Simplesmente o observe.

Não tenha pressa em abandoná-lo, simplesmente o observe. Quanto mais você observa, mais capaz você se torna. De repente, um dia, você simplesmente percebe que ele desapareceu. E quando ele desaparece por si mesmo, somente então ele realmente desaparece. Porque não existe outra maneira. Você não pode abandoná-lo antes do tempo. Ele cai exatamente como uma folha seca.

Quando você tiver amadurecido através da compreensão, da consciência, e tiver sentido com totalidade que o ego é a causa de toda a sua infelicidade, um dia você simplesmente vê a folha seca caindo… e então o verdadeiro centro surge.

E esse centro verdadeiro é a alma, o Eu, o deus, a verdade, ou como quiser chamá-lo. Você pode lhe dar qualquer nome, aquele que preferir.”

(OSHO, "Além das Fronteiras da Mente")

*dhamma: Darma ou Dharma (em sânscrito: धर्म, transl. Dharma; em páli Dhamma) significa “Lei Natural” ou “Realidade”. Com respeito ao seu significado espiritual, pode ser considerado como o “Caminho para a Verdade Superior”. O darma é a base das filosofias, crenças e práticas que se originaram na Índia

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:39


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds