Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Imagine que você recebeu um livro chamado Sua vida. O capítulo 1 começa com seu nascimento e o primeiro ano de sua vida, tudo com impressionantes detalhes. Como todas as boas biografias, contém todas as verdadeiras declarações sobre sua vida, e você percebe que o livro continua com (esperamos que muitos) capítulos sobre seu futuro.
Suponhamos que há algumas notícias ruins no futuro. O livro diz que em uma noite de sábado você vai entrar no seu carro às 20h45, pegar seu namorado (ou namorada) às 21h05, sofrer um acidente às 21h23 na Broad Street com James, matando seu acompanhante. Você vai, claro, tentar evitar esse resultado. Não vai entrar no carro. Mas, espere, o livro só contém declarações verdadeiras. Então, de alguma maneira você deve acabar no carro. Talvez, você não vá até a casa de seu namorado(a). Mas como o livro diz que você vai, seus esforços para evitar isso devem fracassar. Que estranho! Você tenta falar: “Não entre no carro!”, mas, em vez disso, você se pega dizendo: “Pula aí, querido!”. Você tenta evitar o cruzamento fatal, mas não consegue. Alguma força milagrosa o impede a virar o volante de modo a colocá-la ali às 21h23, exatamente quando o outro carro passa o sinal vermelho…
Essa história é obviamente implausível, pois exige invocar forças misteriosas que o impelem contra sua vontade, e ninguém acredita em tais forças. O mais plausível em que acreditar é simplesmente isto: você será capaz de evitar o resultado previsto de muitas maneiras.
Mas, perceba: o que gerou todo o cenário incrível foi a hipótese de que você poderia conhecer de modo confiável seu futuro. Se o que sai dessa hipótese é algo impossível de acreditar, então ela deve ser falsa. Portanto, é impossível conhecer de forma confiável seu futuro. Ninguém – nem mesmo Deus! – poderia conhecer precisamente suas ações futuras e contá-las a você.
E por quê? Porque, para quase toda previsão que você pudesse conhecer antecipadamente, poderia mudá-la.
É porque, em outras palavras, você tem livre-arbítrio.
 
 
(Andrew Pessin - Filosofia em 60 segundos : expanda sua mente com um minuto por dia!)
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:32



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D