Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O RISCO DA INVISIBILIDADE

por Thynus, em 27.12.15
.
 
Sentir prazer e ser feliz sexualmente não é algo errado, e nós como mulheres podemos focar este aspecto de nossas vidas pensando simplesmente na nossa satisfação e bem-estar, e não nas opiniões que os outros e a sociedade possam ter.
Se o cristianismo, como dizem, deixou a mulher sem desejo porque tinha medo de sexo (algo com que eu não concordo e direi logo a razão), as “políticas do sexo” fazem um estrago ainda maior. Elas são piores que o puritanismo cristão porque não deixam nenhum espaço para o pecado e para a culpa, equivalentes a uma saia curta numa mulher. Nada é mais delicioso do que uma mulher culpada. Essas políticas corretas canalizam as relações amorosas para o ressentimento, por isso matam a coragem necessária para o amor e o sexo. A política correta do sexo deixa você numa cama vazia, mas calmo, sem as ansiedades de quem quer possuir uma mulher. O verbo “possuir” usado para o objeto “mulher” é uma das formas mais eróticas na língua portuguesa. Uma mulher possuída geme sob o sexo de “seu dono”. As políticas corretas do sexo anulam tanto homens como mulheres. Enquanto o cristianismo cobria a mulher com o manto da prostituta, e toda prostituta é desejada (por isso dizia acima que não acredito que o cristianismo fizesse tão mal ao desejo sexual), o sexo correto deixa a pele seca. A própria ideia de sexo comprado é erótica. Por isso Nelson Rodrigues dizia que a prostituição não é a profissão mais antiga da mulher, mas sua vocação mais antiga. Sua ideia não é maldizer as mulheres (só o imbecis pensam assim), sua ideia é enaltecer o caráter erótico e pecaminoso do desejo que se tem pelas mulheres. Ideias como essa do Nelson são como verdadeiros “marcadores” contra o sexo correto. Quando ouvida, quem se revolta contra ela é um analfabeto em sexo. E, infelizmente, o lugar onde se encontram mais analfabetos no Eros é onde se acumulam inteligentinhos: o mundo da cultura e do pensamento. As universidades contemporâneas são lugares sem nenhum Eros e com muita política. Apesar de as meninas andarem de shortinhos no verão, os meninos preferem seus iPhones. Temem as meninas porque muitas delas, transformadas em chatinhas corretas, não permitem que os meninos digam mais nenhuma palavra na sala de aula. Elas não percebem que, quando desaparecer o desejo masculino, elas ficarão invisíveis para si mesmas. Talvez mil anos nos curem do sexo politicamente correto, ditado por algumas pessoas que sempre tiveram má sorte no amor e pouco sexo de qualidade na vida. O sexo politicamente correto é uma receita infalível para se ficar feia.

(LUIZ FELIPE PONDÉ - GUIA POLITICAMENTE INCORRETO DO SEXO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:40



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D