Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O que é o amor?

por Thynus, em 27.01.14

”Amor é fogo que arde sem se ver... 

É nunca contentar-se de contente”.

(Camões)

O amor cristão mostrou-se como ágape, um amor fraterno que se devota ao outro. Não é o amor de casais, erótico-romântico. Mas, ao trazer a liberdade para perto da palavra “amor”, contaminou esta última em toda a sua aplicação. Trouxe também para o interior do amor erótico-romântico, o dos casais, tudo de que este precisava para ser o amor romântico par excellence, a saber, a liberdade. O casal romântico surgiu na história segundo a narrativa em que a moça ou o moço, contra o destino imposto pelas famílias – o que seria a condição natural –, inventam de se rebelar para poderem viver juntos, unirem-se sexualmente, curtirem-se e se cuidarem. Essa rebeldia e entrega à atividade do namoro, próprias do amor romântico moderno, cantada e contada pelos literatos, só foi possível porque um dia o amor beijou a liberdade cristã. Jesus abriu as portas para que as núpcias pudessem ter sabor de aventura. Foi do amor cristão que nasceu a ideia de liberdade individual inerente ao amor romântico e moderno. No limite, foi dessa liberdade que o Romantismo retirou a regra atual de que o melhor casamento é aquele efetuado “por amor” – regra que fez o Romantismo se adaptar muito bem aos desígnios democrático-liberais que ganharam voz e vez no mundo moderno ocidental. 
(Paulo Ghiraldelli Junior - Como a Filosofia pode explicar o Amor) 
 
 

 

 

O amor é um sentimento e, enquanto tal, é difícil de descrever. Sendo a fonte e a razão da vida (uma vida com amor tem muito mais sabor e côr), muitas e muito divergentes podem ser as definições de amor. Definir frio e calor, fome e sede, saúde e doença é facil, mas, sendo o amor um sentimento tão íntimo e peculiar, torna-se complicado para nós humanos dar uma definição abrangente do Amor. Para entendê-lo somos quase que forçados a recorrer a três dimensões do amor sugeridas por três grandes mestres espirituais: Eros (Platão), Philia (Aristóteles) e Ágape (Jesus Cristo). Poderíamos talvez dizer que o ser humano não precisa de amor, mas de amores. Precisa sim de três: Ágape, Eros e Philia, para que seja um ser (quase) completo. Completo como um ente único manifestando três aspectos do amor humano e divino que se complementam e são transferidos para os objetos desses amores, interagindo com outros entes também únicos.

 

 

 

 

 Platão, no diálogo O Banquete, define o amor como Eros que podemos traduzir como desejo ou falta.(1) Amor na ausência ou falta. Quem nunca ouviu a expressão "amor platónico"?

"Afinal, amamos mesmo o que desejamos. E não há quem não deseje. O que lhe faz falta, claro. Amor pela cunhada, por exemplo. Pelas metas e resultados a alcançar. Pelo lucro esperado. Pela fatia de mercado que ainda teima em ser do concorrente.(Veja como Clóvis Barros Filho define "Eros" a partir de 9:22)
Na sequência, Aristóteles. Philia.(2) Amor na presença, desta vez. Pelo que já é nosso. Pelo encontro vivido. Pelo que alegra (philia é alegria). Pelo regozijo. Amor mais raro que o primeiro, certamente. Afinal, ir atrás do que se deseja é movimento de qualquer um. Mas conseguir se alegrar com a mesma mulher um quarto de século depois do matrimônio, aí, sim, já exige um pouco de sofisticação. De elevação. Não por acaso o filósofo Baruch Spinoza definiu a alegria como "passagem ao estado de maior potência do próprio ser", sendo a tristeza "passagem ao estado de menor potência do próprio ser". Enquanto o amor de Platão é amor na ausência (desejo) do ser amado, contrariamente, para Aristóteles, é amor na presença.(Veja como Clóvis Barros Filho define "Philia" a partir de 23:30)
Faltava um terceiro amor. Os dois primeiros foram rápidos demais. Ágape, claro. Por que não tinha pensado antes? Minha salvação. Amor muito diferente dos dois primeiros. Amor pelo próximo. Por qualquer um. Por isto mesmo não se confunde nem com o desejo nem com a alegria de quem ama.
Afinal, não desejamos qualquer um – hum, depois de uma certa idade, não sei não. Tampouco nos alegramos com qualquer um. Como seria boa a vida e a convivência se assim fosse. Mas no mundo que nos cabe viver, o que mais tem é mala, convenhamos.
Ágape é afeto do amante, centrado no amado. Que por ele e sua alegria muito fará. Amor que faz bem a ambos. Bem demais. Confere às vidas colorido maior. Questão de descolar do próprio umbigo. Transcender o útil. Sentimento de muitos por seus filhos pequenos ajuda a esclarecer."(Veja como Clóvis Barros Filho define "Ágape" a partir de 41:36)

 (Clóvis de Barros Filho - A Filosofia explica as Grandes Questões da Humanidade)

 

“O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.” (Jo 15,12)

 

 
Vale a pena (diria até que é obrigatório) ouvir atentamente a brilhantes exposição sobre o Amor proferida pelo professor Clóvis de Barros Filho, no vídeo abaixo.

 

 

NOTAS:

 

(1) "É EM O Banquete QUE PLATÃO EXPÕE A VISÃO SOCRÁTICA DO AMOR. LEMBRAMOS DESSE MARAVILHOSO DIÁLOGO — O PRIMEIRO QUE EU MESMO DESCOBRI NA ADOLESCÊNCIA —, SOBRETUDO O CÉLEBRE DISCURSO DE ARISTÓFANES. O POETA EXPLICA QUE, ANTES, ÉRAMOS FORMADOS APENAS DE UM CORPO DUPLO. OS MACHOS TINHAM DOIS SEXOS MASCULINOS, AS FÊMEAS, DOIS SEXOS FEMININOS, E OS ANDRÓGINOS, UM SEXO DE CADA GÊNERO. INFELIZMENTE, ZEUS DECIDIU CORTAR EM DOIS NOSSOS DISTANTES ANCESTRAIS. DESDE ENTÃO, PROCURAMOS INCESSANTEMENTE NOSSA METADE, QUE, QUALQUER QUE SEJA NOSSO SEXO, PODE SER HOMEM OU MULHER, SEGUNDO A NATUREZA DE NOSSA DUPLA ORIGEM. PARA ARISTÓFANES, ESSA BUSCA É JUSTAMENTE O QUE CHAMAMOS DE AMOR. O AMOR É O DESEJO DE ENCONTRAR NOSSA UNIDADE ORIGINAL PERDIDA. E ELE OFERECE A MAIOR FELICIDADE QUANDO NOS PERMITE reencontrar nossa metade e restaurar nossa plena natureza. 
O AMOR É MESMO O DESEJO DE ALGO QUE NOS FALTA. É O MOTIVO PELO QUAL O AMOR NÃO PODE SER  DIVINO: OS DEUSES NÃO SENTEM FALTA ALGUMA! “O QUE NÃO TEMOS, O QUE NÃO SOMOS, AQUILO DE QUE SENTIMOS FALTA: SÃO ESSES OS OBJETOS DO DESEJO DO AMOR”, EXPLICA SÓCRATES ( O Banquete, 200E). PARTINDO DESSA CONSTATAÇÃO, O FILÓSOFO VAI FALAR DO AMOR, EVOCANDO OUTRO MITO, O DE EROS. E, COISA BASTANTE RARA, QUE VALE SUBLINHAR, ELE PRETENDE TER RECEBIDO ESSE ENSINAMENTO DE UMA MULHER: DIOTIMA. ESSA MULHER DE MANTINEIA LHE ENSINOU QUE O AMOR, NÃO PODENDO SER UM DEUS, FEZ-SE UM daimon, UM MEDIADOR ENTRE OS DEUSES E OS HOMENS. SEMPRE INSATISFEITO, SEMPRE EM MOVIMENTO, SEMPRE EM BUSCA DE SEU OBJETO, SEMPRE MENDIGANDO, EROS LEVA OS HOMENS A DESEJAREM COISAS TÃO DIVERSAS COMO A RIQUEZA, A SAÚDE, AS HONRARIAS, OS PRAZERES DOS SENTIDOS ETC. MAS, EM ÚLTIMA INSTÂNCIA, O QUE ELES DESEJAM ACIMA DE TUDO É A IMORTALIDADE. É O MOTIVO PELO QUAL ELES FAZEM FILHOS E CRIAM OBRAS, QUER DE ARTE, QUER DO ESPÍRITO. APESAR DE TUDO ISSO, CADA UM SABE NO FUNDO DE SI MESMO QUE A MORTE PERMANECE UMA REALIDADE INCONTORNÁVEL, E QUE NEM O AMOR DE NOSSOS FILHOS NEM O DE NOSSAS OBRAS jamais nos levará a uma felicidade durável." ((Frédéric Lenoir - Sócrates, Jesus, Buda, três mestres de vida)

(2) "MUITO ANTES DE JESUS, ARISTÓTELES, BRILHANTE DISCÍPULO DE PLATÃO, JÁ HAVIA FEITO EVOLUIR A NOÇÃO DE AMOR. PARA ELE, O AMOR NÃO É APENAS DESEJO. ELE TAMBÉM PODE SE MANIFESTAR NA AMIZADE QUE PERMITE AOS SERES HUMANOS SE ALEGRAREM JUNTOS NUMA PARTILHA RECÍPROCA. SOBRE ESSE AMOR DE AMIZADE, QUE ELE CHAMA DE philia, PARA DIFERENCIÁ-LO DE eros, ARISTÓTELES NÃO HESITA EM AFIRMAR QUE ELE CONSTITUI, COM A CONTEMPLAÇÃO DIVINA, A MAIS NOBRE ATIVIDADE DO HOMEM, AQUELA QUE LHE PERMITE SER VERDADEIRAMENTE FELIZ ( Ética a Nicômaco). ESSA VISÃO NÃO RESTRINGE ABSOLUTAMENTE A VISÃO SOCRÁTICA, MAS A COMPLETA: SEM CHEGAR À CONTEMPLAÇÃO DIVINA, O AMOR HUMANO PODE DESABROCHAR NO PRAZER E NA ALEGRIA; ELE NÃO É MAIS APENAS UMA PULSÃO, UM DESEJO FUNDAMENTALMENTE AMBIVALENTE, NEM SEMPRE UMA FALTA OU INSATISFAÇÃO. ARISTÓTELES FAZ, assim, do amor uma experiência alegre e uma virtude.
JESUS DIRÁ AINDA SOBRE O AMOR UMA COISA QUE NÃO ANULA AS CONCEPÇÕES DE eros E DE philia. É POR ISSO QUE OS AUTORES DOS EVANGELHOS PROCURARÃO NA LÍNGUA GREGA UMA TERCEIRA PALAVRA PARA DESIGNAR A CONCEPÇÃO CRISTOLÓGICA DO AMOR: ágape. PARTINDO DO DISCURSO DE JESUS, ESSA palavra introduz uma nova dimensão que vai além do desejo-eros, ou da amizade-philia. Ágape é um amor no qual dominam a benevolência e o dom." (Frédéric Lenoir - Sócrates, Jesus, Buda, três mestres de vida)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:59


3 comentários

De João Carlos Reis a 19.09.2014 às 02:27

Prezado Thynus,
espero que não leve a mal este pequeno reparo, mas apesar do "aborto" ortográfico, em Português padrão a grafia correcta de dos vocábulos "género" e "Nicómaco" são grafados com acento agudo e não com acento circunflexo.

De Thynus a 19.09.2014 às 16:37


Prezado João Carlos,

Nos vocábulos que cita, se prestar atenção, limito-me a transcrever o texto integral de Frédéric Lenoir, em Sócrates, Jesus, Buda, da EDITORA OBJETIVA LTDA. Rua Cosme Velho, 103
Rio de Janeiro — RJ — CEP: 22241-090
Tel.: (21) 2199-7824 — Fax: (21) 2199-7825.
Independentemente do acordo ortográfico, como deveria saber, há divergências  na grafia de muitos vocábulos em Portugal e no Brasil. Veja concretamente o vocábulo GÉNERO no Dicionário da Língua Portuguesa da Priberam e verá que a grafia dessa palavra em Portugal é GÉNERO, enquanto no Brasil é GÊNERO http://www.priberam.pt/DLPO/genero

De João Carlos Reis a 23.09.2014 às 01:27

Prezado Thynus,
compreendo. Só não sabia que eram citações dum livro brasileiro. Muito obrigado pela informação.
Eu sei de todas essas variantes... mas não sei só isso... Também sei que se citassem um livro Português o adaptariam à sua grafia, como os raríssimos (porque será?) programas audiovisuais Portugueses exibidos nas televisões brasileiras são censurados com dobragem ou com legendagem... é caricato, mas é verdade... Mas mais caricato e humilhante foi o Durão Barroso, na visita que fez ao Brasil ter tentado falar com o sotaque brasileiro...
Independentemente de tudo isto, também lhe quero dizer que gostei desta sua reflexão sobre um tema tão vasto.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D