Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




MUITO BARULHO POR NADA

por Thynus, em 24.04.17
Há pouco tempo, astrônomos anunciaram que não descobriram absolutamente nada. Parece, veja bem, que há um enorme vazio com um bilhão de anos-luz cruzando algum lugar aí fora no espaço.
Isso é, na verdade, um monte de nada. E esse é o problema. Pois como pode existir um “monte” de algo a não ser que seja algo?
Para esclarecer, nada parece ser algo. Temos essa palavra para isso, afinal, que é um substantivo – e não é verdade que substantivos têm significados, porque estão relacionados a coisas? Se “nada” significa algo, então é melhor que nada seja algo.
Mas que tipo de coisa?
Não é como nós ou qualquer objeto físico, que são feitos de coisas menores do que átomos. Na verdade o puro espaço vazio não é composto de nada. É, de alguma maneira, uma coisa composta de nada.
As coisas também têm várias propriedades. Os olhos podem ser azuis; o sal dissolve na água; a água ferve a cem graus Celsius. Toda coisa física comum tem peso; as cadeiras suportam o peso. Mas o espaço não tem cor, não se dissolve ou ferve, não tem peso e não suporta nada. É, de alguma maneira, algo que não possui essas propriedades.
Mas ele possui algumas propriedades. Podemos dizer quanto nada existe, como fizeram os astrônomos. Podemos dizer quanto ele dura: aquele sofrido silêncio depois que você a pediu em casamento durou sete segundos (não foi uma eternidade). Podemos ser tocados emocionalmente pelo nada: quando o médico informa que não há nada no nosso abdome, afinal, ficamos aliviados. Nada até pode ser a causa de outra coisa. O pedestre que não fez nada (em vez de alertá-lo sobre a bicicleta que estava vindo) causou a colisão. Se o nada pode ter todas essas propriedades – tamanho, duração, até ser a causa de outra coisa – deve ser algo.
Um algo que é nada.
Preciso admitir que tudo isso é um pouco confuso. Mas pensar sobre o nada é muito mais difícil do que você poderia achar. E isso não é nada. É a falta do nada, que é realmente algo. Ou isso é tudo?
 
 
(Andrew Pessin - Filosofia em 60 segundos : expanda sua mente com um minuto por dia!)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:08



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D