Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




MEDO

por Thynus, em 26.11.14
O medo é uma emoção. Apesar da sua invisibilidade, são elas, as emoções, que governam o mundo, ao lado da fome. Partindo das emoções criamos nossas fantasias e as lançamos ao mundo na forma de comportamentos, conceitos e criações. Baseados nelas criamos outro mundo para nós que, dispensando muitas vezes a realidade biológica, pretende impor-se sobre tudo e todos, parecendo desconhecer limites e, às vezes desprezar o princípio de realidade.
Realmente adoramos pensar em nós mesmos como super alguma coisa, cai bem para a nossa vaidade acreditarmos que somos poderosos e que seremos ainda mais se nos comportarmos desta ou daquela forma.
Há cada vez mais técnicas para desenvolver super habilidades e muitas publicações e linhas de pensamento atuando em sinergismo com essa valorização de nossos poderes. É perfeitamente compreensível que alguém que se sente no fundo frágil e teme o amanhã como tememos, busque meios de superar-se e de negar as condições desfavoráveis da existência. Mais tentador fica se pudermos conseguir isso de uma forma fácil, que não exija muito tempo nem esforço de auto conhecimento e aperfeiçoamento. É bastante útil para lidar com o medo.
Isso serve muito a um tipo de desenvolvimento egoísta que me diz que eu preciso dedicar-me ao desenvolvimento de meus super poderes e então serei um vencedor e quem não chega a isso, o faz por incapacidade e merece realmente ser relegado a um segundo plano.
A cultura atual é marcada pelo egocentrismo, baseado no que, podemos dizer que tem traços claramente infantis. Um desses traços é a prevalência da insegurança, do temor pela vida que nos torna cada dia mais interessados apenas em nós mesmos. Somos uma cultura medrosa e que esconde o seu medo mediante a adoção de imagens de superioridade e força ilimitada. É sabido que a paranóia disfarça seu medo sob uma delirante idéia de poder. Nos nossos delírios, desconhecemos a realidade que já existia muito antes de inventarmos a nossa. Podemos perceber isso na pretensão delirante que desenvolvemos de poder alterar tão substancialmente o meio ambiente e nossa biologia, com a ingênua perspectiva de que a natureza acabaria se rendendo aos nossos desejos. Sonhamos poder prescindir dela, esquecemos até que precisamos respirar.
O mundo que criamos devasta qualquer coisa que se oponha a ele, incluindo nós mesmos. Passamos a fazer um enorme esforço para passar por cima de nossa natureza todos os dias. Existem delírios pessoais e coletivos.

(Manoelita Dias dos Santos - A lógica da emoção)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:33



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D