Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Enquanto conversa, Madame de T. baliza o terreno, prepara a próxima fase dos acontecimentos, dá a entender a seu parceiro o que ele deve pensar e como deve agir.

Faz tudo isso com finura, com elegância, e indiretamente, como se falasse de outra coisa. Faz com que ele descubra a frieza egoísta da condessa a fim de liberá-lo do dever de fidelidade e de descontraí-lo para a aventura noturna que ela prepara.

Organiza não apenas o futuro imediato como também o mais distante, fazendo o cavalheiro compreender que, sob hipótese alguma, ela quer se tornar concorrente da condessa, de quem ele não deve separar-se.

Dá a ele um curso resumido de educação sentimental, ensina-lhe sua filosofia prática do amor, que é preciso liberar da tirania das regras morais e proteger com a discrição que, de todas as virtudes, é a virtude suprema. E consegue até, com toda a naturalidade, explicar-lhe como ele deverá se comportar no dia seguinte com seu marido.

Vocês se espantam: onde, nesse espaço tão racionalmente organizado, balizado, traçado, calculado, medido, onde há lugar para a espontaneidade, para uma 'loucura', onde está o delírio, onde está a cegueira do desejo, 'o amor louco' que os surrealistas idolatraram, onde o esquecimento de si próprio? Onde estão todas aquelas virtudes da insensatez que formaram nossa ideia do amor? Não, nada disso tem vez aqui. Pois Madame de T. é a rainha da razão. Não da razão impiedosa da marquesa de Merteuil, mas de uma razão doce e terna, de uma razão cuja missão suprema é proteger o amor.

Vejo-a conduzindo o cavalheiro através da noite enluarada. Agora ela para e mostra-lhe os contornos de um telhado que se desenham diante deles na penumbra; ah, que momentos voluptuosos esse pavilhão presenciou, e é pena, diz ela, que não tenha trazido a sua chave. Aproximam-se da porta e (como é curioso! como é inesperado!) o pavilhão está aberto!

Por que ela lhe disse que não havia trazido a chave? Por que não lhe contou logo que não se fecha mais o pavilhão? Tudo está preparado, fabricado, e artificial, tudo é encenado, nada é franco, ou, em outras palavras, tudo é arte; nesse caso: arte de prolongar o suspense, ou melhor: arte de se manter o maior tempo possível em estado de excitação.

 


A pressa é inimiga da perfeição


Não se encontra nenhuma descrição da aparência física de Madame de T. em Denon; uma coisa entretanto me parece certa,: ela não pode ser magra; imagino que tenha 'formas redondas e flexíveis' (é com essas palavras que Laclos caracteriza o corpo feminino mais cobiçado das Ligações perigosas) é que as formas arredondadas do corpo façam nascer o arredondado e a lentidão dos movimentos e dos gestos.

Emana dela uma doce ociosidade. Possui a sabedoria da lentidão e manipula toda a técnica do “retardando”. Dá provas disso no decorrer da segunda etapa da noite, passada no pavilhão: eles entram, beijam-se, caem sobre um canapé, fazem amor. Mas 'tudo isso tinha sido um pouco brusco. Percebemos nosso erro (...) Quando se é muito ardente, se é menos delicado. Corre-se para o gozo confundindo todos os prazeres que o precedem.'

A precipitação que os faz perder a doce lentidão é imediatamente percebida pelos dois como um erro; mas não acredito que Madame de T. se surpreenda com isso, acho pelo contrário que ela sabia ser esse erro inevitável, fatal, que esperava por ele e que por isso premeditou o intermezzo no pavilhão, como um ritardando destinado a frear, a abafar a velocidade previsível e prevista dos acontecimentos a fim de que, chegando a terceira etapa, num novo cenário, sua aventura pudesse desabrochar em toda a sua esplêndida lentidão.

Ela interrompe o amor no pavilhão, sai com o cavalheiro, passeia com ele novamente, senta-se no banco no meio do gramado, retoma a conversa e leva-o em seguida para o castelo, para o quarto secreto próximo ao seu apartamento; foi o marido quem o preparou, outrora, para ser um templo encantado do amor. Na porta, o cavalheiro fica admirado: os espelhos que cobrem todas as paredes multiplicam as imagens dos dois de tal forma que de repente um cortejo infinito de casais beija-se à volta deles. Mas não é aí que fazem amor; como se Madame de T quisesse evitar uma explosão dos sentidos intensa demais e para prolongar ao máximo o tempo de excitação, ela o leva para a peça contígua, uma gruta submersa em obscuridade, cheia de almofadas; é somente ali que eles fazem amor, longa e,: lentamente, até a madrugada.

Ao tornar mais lento o decorrer de sua noite, ao dividi-la em diferentes partes separadas uma da outra, Madame de T. soube transformar o curto espaço de tempo que lhes foi concedido numa pequena arquitetura maravilhosa, como uma forma. Imprimir forma a uma duração é uma exigência da beleza, mas é também uma exigência da memória.

Pois aquilo que não tem forma é inalcançável, imemorável. Conceber seu encontro como uma forma foi algo de particularmente precioso para eles, visto que sua noite não deveria ter amanhã e só poderia se repetir na lembrança.

Há um vínculo secreto entre a lentidão e a memória, entre a velocidade e o esquecimento. Imaginemos uma situação das mais comuns: um homem andando na rua. De repente, ele quer se lembrar de alguma coisa mas a lembrança lhe escapa.

Nesse momento, maquinalmente, seus passos ficam mais lentos. Ao contrário, quem está tentando esquecer um incidente penoso que acabou de viver sem querer acelerar o passo, como se quisesse rapidamente se afastar daquilo que, no tempo, ainda está muito próximo de si.

Na matemática existencial, essa experiência toma a forma de duas equações elementares: o grau de lentidão é diretamente proporcional à intensidade da memória; o grau de velocidade é diretamente proporcional à intensidade do esquecimento.

 


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:39



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D