Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




ESTOICISMO

por Thynus, em 16.10.14
 
No século IV a.C, a questão ética que preocupava os estóicos era como reagir à predominante sensação de fatalismo que brotava do fato de se viver num império rigidamente controlado. Eles não podiam fazer grandes mudanças em sua vida diária, então decidiram mudar de atitude quanto à vida em si. Era o único controle pessoal que lhes restava. O que os estóicos formularam foi uma estratégia de distanciamento emocional da vida. Chamavam essa atitude de apathia e, para os estóicos, a apatia era uma virtude, que os transformava em fonte de risos na taverna local. Os estóicos estavam dispostos a sacrificar alguns tipos de felicidade (sexo, drogas e hip-hop dionisíaco) a fim de evitar a infelicidade provocada por suas paixões (doenças sexualmente transmissíveis, ressacas e rimas ruins). Guiavam-se apenas pela razão, nunca pela paixão, e, portanto, consideravam-se as únicas pessoas realmente felizes - o que quer dizer que eram ininfelizes.
Na história abaixo, o Sr. Cooper demonstra uma forma moderna de estoicismo: o estoicismo por procuração.
O casal Cooper entrou no consultório do dentista, onde o Sr. Cooper deixou claro que estava com muita pressa.
- Sem muita frescura, doutor - mandou ele. - Não precisa anestesia nem nada. Arranque o dente de uma vez e vamos acabar logo com isso.
- Que bom seria se meus pacientes fossem estóicos como o senhor - disse o dentista, admirado. - Então, qual é o dente?
Sr. Cooper virou para a esposa e disse:
- Abra a boca, querida.
APATIA vem do grego APÁTHEIA formada a partir da partícula negativa A e PÁTHOS paixão, afeição. - Falta de paixões e, portanto, falta de acção para afazeres comuns; indiferença em relação a prazeres, honras, etc.
 
G.K. Chesterton uma vez escreveu: "A palavra 'bom' tem muitos sentidos. Por exemplo, se um homem matasse a mãe com um tiro a 500 metros de distância, eu diria que ele é um bom atirador, mas não necessariamente um bom homem." É o advérbio "necessariamente" que revela que Chesterton tinha uma mente verdadeiramente filosófica.

((Tom Cathcart e Daniel Klein - Platão e um Ornitorrinco Entram Num Bar...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:40



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D