Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




EROS

por Thynus, em 02.06.15
Os primeiros deuses segundo a Teogonia,
incriados, são quatro: Caos, Eros, Gaia e
Tártaro, que formam dois pares de opostos, a
saber, Vazio e Amor; Superfície e Abismo.
 
Caos e Eros representam a desordem
e a ordem ou a dissolução e a união;
Gaia e Tártaro são a superfície e o abismo;
do Caos veio a Noite e a Treva; de Gaia veio o
Céu luminoso; do Caos, o mundo informe e
etéreo; de Gaia, o mundo com forma e matéria.
 
Para Hesíodo, Eros surgiu incriado, ex
nihilo (saído do nada), enquanto Aristófanes
afirma que Eros nasceu de um ovo que a
Noite (Nix) depositou na Treva (Erebo).
 
De todos eles (deuses), Eros é o que mais se
diferencia. Ele não é um elemento, não é um
espaço como terra ou céu. Eros é uma espécie
de força fundamental da natureza.
 
 

É o mais belo dos deuses. Uma força fundamental do universo, que mantém o cosmo unido e garante a perpetuação das espécies. Uma força de atração que sempre necessita buscar algo.
Nas criaturas representa a libido, o desejo de viver e conquistar. É o par oposto do Caos. Enquanto este é a desordem e a origem das coisas por meio da separação, Eros é a ordem que surge da união.
Caos e Eros lembram um lema da antiga alquimia: “solve et coagula”, dissolver e coagular, ou destruir e construir, separar e unir.
Se no Caos tudo está diluído, Eros é a força que produz a união e a composição dos corpos. É como a força da gravidade e as forças atômicas sem as quais nada se agruparia.
Nasceu do Caos junto com Gaia e Tártaro, segundo a Teogonia. Em outra versão, Caos e Nix (a Noite) coexistiam e de um ovo de Nix nasceu Eros, formando-se Gaia e Urano da casca do ovo.
Os três deuses que nasceram do Caos não são exatamente deuses “criados”. O Caos é o Vazio, de modo que os deuses que dele surgiram podem, ainda assim, ser considerados espontâneos e surgidos “do nada”.
A mitologia do orfismo (uma antiga seita grega de mistério que teria sido fundada por Orfeu) identificava Eros com Phanes, o deus primevo da procriação e primeiro rei do universo, e também com Thesis, a Criação, parceira feminina de Phanes. Por fim, o orfismo também o identifica com Physis (em latim, Natura), a deusa da ordem física do mundo.
A origem cósmica e primeva de Eros é a mais profunda e digna, mas outras origens foram sugeridas na mitologia: 1) filho de Hermes e Ártemis; 2) filho de Hermes e Afrodite; 3) filho de Zeus e Dione; 4) filho de Zeus e Perséfone. Os poetas e escultores preferiram esta versão mais humana, na figura de uma criança alada, pelos romanos chamada de Cupido.
Podemos dizer que estas versões mais poéticas são um simulacro, uma versão microcósmica e antropomórfica do Eros primordial, uma pequena parte do todo.
Platão (em O Banquete) sugeriu ainda outra origem: num banquete em que os deuses celebravam o nascimento de Afrodite, Poros (Expediente) e Penia (Pobreza) se relacionaram e daí nasceu Eros que, por ter nascido na festa natalícia de Afrodite e ser igualmente belo, ficou ligado a ela. Herdou, portanto, a sensação de necessidade e busca de seus pais. Além de associado a Afrodite, teria ligação com Psiquê (a Alma) e Hedonê (o Prazer).
Nota-se que Platão preferiu um Eros menos macrocósmico e universal e mais microcósmico e humano. Este Eros platônico deixa de ser uma força do mundo para ser uma força psicológica.
O Eros que reside dentro do ser humano é a sua Vontade mais profunda, a vontade de viver, vontade de satisfazer-se, incluindo aí a vontade sexual.
Mas então este Eros não é o tesão ou libido propriamente dito. A libido é apenas uma das tantas manifestações da Vontade. Foi, porém, este o sentido mais comum que Eros ganhou com o tempo. Ele foi sendo reduzido de um poder cósmico para um poder interior da psique, e depois limitandose ao campo do desejo sexual, “erótico”.
Para os romanos, Eros se torna Cupido e ganha a forma de um deus brincalhão que dispara flechas nos humanos, provocando a paixão.
Destarte, há três tipos de Eros: o Eros da antiga cosmogonia (mito da origem do cosmo), cujo maior representante é Hesíodo; o Eros dos filósofos, como o descrito por Platão (algo mais psicológico) e o Eros dos poetas, a criança caprichosa com um arco e flecha na mão.

(Sadat Oliveira - INTRODUÇÃO À MITOLOGIA GREGA, VOLUME I Os Deuses Pré-Olímpicos)
Cultura - O maior legado Grego

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:44


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds