Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




EROS

por Thynus, em 02.06.15
Os primeiros deuses segundo a Teogonia,
incriados, são quatro: Caos, Eros, Gaia e
Tártaro, que formam dois pares de opostos, a
saber, Vazio e Amor; Superfície e Abismo.
 
Caos e Eros representam a desordem
e a ordem ou a dissolução e a união;
Gaia e Tártaro são a superfície e o abismo;
do Caos veio a Noite e a Treva; de Gaia veio o
Céu luminoso; do Caos, o mundo informe e
etéreo; de Gaia, o mundo com forma e matéria.
 
Para Hesíodo, Eros surgiu incriado, ex
nihilo (saído do nada), enquanto Aristófanes
afirma que Eros nasceu de um ovo que a
Noite (Nix) depositou na Treva (Erebo).
 
De todos eles (deuses), Eros é o que mais se
diferencia. Ele não é um elemento, não é um
espaço como terra ou céu. Eros é uma espécie
de força fundamental da natureza.
 
 

É o mais belo dos deuses. Uma força fundamental do universo, que mantém o cosmo unido e garante a perpetuação das espécies. Uma força de atração que sempre necessita buscar algo.
Nas criaturas representa a libido, o desejo de viver e conquistar. É o par oposto do Caos. Enquanto este é a desordem e a origem das coisas por meio da separação, Eros é a ordem que surge da união.
Caos e Eros lembram um lema da antiga alquimia: “solve et coagula”, dissolver e coagular, ou destruir e construir, separar e unir.
Se no Caos tudo está diluído, Eros é a força que produz a união e a composição dos corpos. É como a força da gravidade e as forças atômicas sem as quais nada se agruparia.
Nasceu do Caos junto com Gaia e Tártaro, segundo a Teogonia. Em outra versão, Caos e Nix (a Noite) coexistiam e de um ovo de Nix nasceu Eros, formando-se Gaia e Urano da casca do ovo.
Os três deuses que nasceram do Caos não são exatamente deuses “criados”. O Caos é o Vazio, de modo que os deuses que dele surgiram podem, ainda assim, ser considerados espontâneos e surgidos “do nada”.
A mitologia do orfismo (uma antiga seita grega de mistério que teria sido fundada por Orfeu) identificava Eros com Phanes, o deus primevo da procriação e primeiro rei do universo, e também com Thesis, a Criação, parceira feminina de Phanes. Por fim, o orfismo também o identifica com Physis (em latim, Natura), a deusa da ordem física do mundo.
A origem cósmica e primeva de Eros é a mais profunda e digna, mas outras origens foram sugeridas na mitologia: 1) filho de Hermes e Ártemis; 2) filho de Hermes e Afrodite; 3) filho de Zeus e Dione; 4) filho de Zeus e Perséfone. Os poetas e escultores preferiram esta versão mais humana, na figura de uma criança alada, pelos romanos chamada de Cupido.
Podemos dizer que estas versões mais poéticas são um simulacro, uma versão microcósmica e antropomórfica do Eros primordial, uma pequena parte do todo.
Platão (em O Banquete) sugeriu ainda outra origem: num banquete em que os deuses celebravam o nascimento de Afrodite, Poros (Expediente) e Penia (Pobreza) se relacionaram e daí nasceu Eros que, por ter nascido na festa natalícia de Afrodite e ser igualmente belo, ficou ligado a ela. Herdou, portanto, a sensação de necessidade e busca de seus pais. Além de associado a Afrodite, teria ligação com Psiquê (a Alma) e Hedonê (o Prazer).
Nota-se que Platão preferiu um Eros menos macrocósmico e universal e mais microcósmico e humano. Este Eros platônico deixa de ser uma força do mundo para ser uma força psicológica.
O Eros que reside dentro do ser humano é a sua Vontade mais profunda, a vontade de viver, vontade de satisfazer-se, incluindo aí a vontade sexual.
Mas então este Eros não é o tesão ou libido propriamente dito. A libido é apenas uma das tantas manifestações da Vontade. Foi, porém, este o sentido mais comum que Eros ganhou com o tempo. Ele foi sendo reduzido de um poder cósmico para um poder interior da psique, e depois limitandose ao campo do desejo sexual, “erótico”.
Para os romanos, Eros se torna Cupido e ganha a forma de um deus brincalhão que dispara flechas nos humanos, provocando a paixão.
Destarte, há três tipos de Eros: o Eros da antiga cosmogonia (mito da origem do cosmo), cujo maior representante é Hesíodo; o Eros dos filósofos, como o descrito por Platão (algo mais psicológico) e o Eros dos poetas, a criança caprichosa com um arco e flecha na mão.

(Sadat Oliveira - INTRODUÇÃO À MITOLOGIA GREGA, VOLUME I Os Deuses Pré-Olímpicos)
Cultura - O maior legado Grego

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:44



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D