Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



De um modo ou de outro, você inevitavelmente cria uma realidade a partir do seu ponto de vista. Ninguém é perfeito a ponto de integrar o mundo sem ser tendencioso. Mas os bebês nos ensinam como tornar nossa realidade mais completa. Desde o nascimento, a natureza nos concebeu para acessar o mundo como um todo, e, quando fatiamos a experiência em pedaços, a totalidade se quebra. Então, em vez de viver na realidade, somos enganados por uma ilusão dela.
Pense num ditador que tenha se acostumado ao poder absoluto. Ele se mantém através do terror e da polícia secreta. Suborna seus inimigos ou os faz desaparecer no meio da noite. Em geral, esses ditadores se surpreendem quando a oposição cresce e, até o momento em que são depostos ou assassinados pela massa, julgam-se inocentes. Chegam até mesmo a fantasiar que o povo que sofre a opressão num estado policial ama seu opressor. Essa é uma ilusão da realidade levada ao extremo.
A queda de um ditador nos fascina num outro nível porque sentimos que, bem lá no fundo, o poder ilimitado poderia nos causar a mesma sensação. Uma magia negra parece tirar o véu diante dos olhos dos iludidos. Mas, quando falamos da ilusão de realidade em que todos nós vivemos, não existe magia negra. Existe apenas incapacidade de integração. Nascemos com a capacidade de criar um mundo uno, mas escolhemos a negação, a repressão, o esquecimento, a desatenção, a memória seletiva, o preconceito e velhos hábitos. É difícil vencer essas influências. A inércia trabalha a favor delas. Mas ninguém consegue se sentir equilibrado, seguro, feliz e em sintonia se não recuperar a totalidade que qualquer bebê possui naturalmente.
Essa é a chave para o bem-estar, assim como para a saúde física.
Ser uma pessoa plenamente integrada significa ter três forças que refletem a maneira como o bebê acessa o mundo, e evitar três obstáculos que nos atormentam na vida adulta:
As três forças: comunicação, equilíbrio e visão ampla.
Os três obstáculos: isolamento, conflito e repressão.
Quando estamos num estado de integração, de corpo ou mente, comunicamo-nos de maneira aberta. Sabemos o que sentimos, expressamos nossos sentimentos, absorvemos sinais de todos os que nos cercam. Mas inúmeros adultos sofrem um colapso na comunicação. Sentem-se isolados de tudo: de seus sentimentos, dos outros, do trabalho que fazem. Ficam presos a conflitos e, em consequência, aprendem a reprimir o que realmente sentem e todos os seus verdadeiros desejos.
Esses sentimentos não são apenas fatores psicológicos. Eles afetam o cérebro e cada célula do corpo.
Conclusão: se você quer voltar ao estado natural de saúde e bem-estar, seja como um recém-nascido. Integre totalmente suas experiências, em vez de viver isolado e em conflito.

(DEEPAK CHOPRA, RUDOLPH E. TANZI - SUPERCÉREBRO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:37



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D