Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A TRAGÉDIA DO SECULARISMO

por Thynus, em 30.05.16
O mundo contemporâneo é marcado pela opção secular. Esta se caracteriza por uma vida “racional” e programada, distante de doutrinas religiosas, pautada pela democracia liberal de consumo e pelo conhecimento agregado da ciência. O mundo secular nasceu com a modernidade e o encolhimento da vida religiosa comunitária em nome de uma vida profissional, individualista e industrial nas cidades. A emancipação feminina e gay amplia esse quadro. A vida em comunidade encolheu na sua totalidade. O casal secular tem filhos apenas como projeto pessoal e com forte expectativa de retorno afetivo. No máximo dois filhos por casal, um ou nenhum. “Amamos” mais nossos filhos e de modo obsessivo. Mas esse “amor” é muito mais projeção de nossos desejos do que amor por eles. O amor do narcísico ressentido vem sempre acompanhado de uma grande contabilidade de afetos. Alguns de nós exigem mesmo que os filhos nasçam com nossos defeitos a fim de fazer um statement contra a engenharia genética que esconde nossa projeção narcísica. Somos uns eugênicos que fingem odiar a Ciência e amar a natureza que condena os filhos a serem limitados como nós. O casal religioso, quase sempre fundamentalista, tem mais filhos. Apesar dos seculares simpatizarem com a teoria darwinista como oposição à proposta religiosa criacionista e dogmática, eles esquecem que seleção natural é demografia: quem reproduz mais sobrevive. A vida secular está condenada no mundo. Deverá atingir graus demográficos críticos até 2100, como demonstra o demógrafo Eric Kaufmann no seu brilhante Shall the Religious Inherit the Earth?. As mulheres religiosas no Ocidente têm uma média de 2,1 filhos por mulher, enquanto as seculares mal chegam a 0,5 por mulher. Isso indica claramente que, apesar de os seculares produzirem muitas ideias sobre como deve ser uma vida perfeita, equilibrada e saudável, os religiosos produzem mais bebês, o que conta muito mais em termos de adaptação da espécie. As modas de alimentação, pedagógicas e políticas pautadas por causas do Facebook, que marcam a vida dos seculares, de nada adiantam em termos de sobrevivência. O secularismo é estéril e como tal será tratado pelos historiadores no futuro. A batalha contra a vida religiosa prática se perde a cada mulher que toma pílula e luta pelo aborto. Além de reproduzir pouco, os seculares matam seus fetos no ventre infértil da mulher livre. Ela faz mais sexo, mas reproduz pouco. Não importa o que você ou eu pensamos sobre o modo certo de se viver, o que importa é se fecundamos alguma mulher em nossa vida.

(Luiz Felipe Pondé - A era do ressentimento)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:30



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D