Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Muitos se perguntam: estudar para quê? Principalmente os adolescentes quando se aproxima a época do vestibular. E até antes disso, quando as intermináveis aulas das escolas de 1º e 2º graus tentam lhes ensinar coisas para eles inúteis, desconhecedores que são de outro universo que não seja aquele limitado a seu pequeno mundo — o círculo das poucas pessoas e coisas que acreditam conhecer. Estudar para quê? Para namorar, não serve; para inaugurar a longa era de confrontos com os pais, característica dos adolescentes, também não. Para entender os perigos da rua, também não. Mas, há séculos, a humanidade receita estudar, principalmente na adolescência, e os povos que mais estudam, mais aprendem e vivem melhor. Tudo isto confronta os adolescentes com dilemas profundos, que pela falta de experiência, incluindo a do estudo, eles não conseguem enxergar.

Quem sabe, estudar sirva só para aprender coisas, para ampliar o mundo em que vivemos. Mas esse “só” é terrivelmente importante. Uma evidência do quanto é importante são os já numerosos estudos mostrando que a incidência e a gravidade da principal doença da memória, o mal de Alzheimer, são menores nas pessoas mais instruídas, e pouco têm a ver com o nível socioeconômico ou a saúde geral do paciente.

O melhor desses estudos foi feito por uma grande equipe de médicos no Hospital Francês de Buenos Aires. Para fins de saúde pública, essa cidade se divide em regiões, cada uma a cargo de um hospital. Na sua região, o Hospital Francês tem sob sua responsabilidade uma população complexa, com gente de diversas idades, variados níveis socioeconômicos, graus de nutrição e níveis de escolaridade. Há pessoas com pouca instrução e altos níveis econômicos: traficantes, ladrões, açougueiros bem-sucedidos etc. Há pessoas com alto nível intelectual e baixo poder econômico: os doutores desempregados resultantes das crises econômicas. Há também pobres incultos e bem nutridos, ricos cultos malnutridos, e toda a variedade de combinações que se possa imaginar. Pois bem, nessa vasta população, a incidência da doença de Alzheimer é cinco ou seis vezes superior nas camadas mais ignorantes — primário incompleto ou menos — que nas camadas bem instruídas — pessoas com pós-graduação, independentemente do nível socioeconômico. O mesmo acontece com a gravidade relativa da doença: é muito maior, para sujeitos da mesma idade, entre os ignorantes. Há pouca ou nenhuma influência do estresse ou da qualidade ou quantidade da alimentação.

A explicação disso é muito simples: a doença de Alzheimer é causada por lesões cerebrais específicas que vão matando um certo número de neurônios e sinapses por dia. Muito bem, pensemos agora não em termos de neurônios e sinapses, mas de dinheiro. Vamos supor que exista uma doença pela qual as pessoas perdem 5 mil reais por dia. Duas pessoas pegam a doença, uma cujo capital inicial é de 5 milhões de reais, e outra cujo capital inicial é de 5 mil. A primeira demorará muitos dias para sequer se dar conta de que padece da doença. A segunda perde tudo o que tinha já no primeiro dia, e fica na miséria no mesmo instante. A mesma coisa ocorre no mal de Alzheimer, com os neurônios e as memórias que eles carregam em suas redes sinápticas. Quem mais estudou, quem mais memórias complexas formou, menos sofre com essa doença que ataca a partir dos 50 ou 60 anos de idade uma porcentagem elevada da população.

Há um deficit de memória, leve, que aparece lenta e sorrateiramente em boa parte da população acima dos 50 ou 60 anos — alguns dizem que antes. Esse deficit se caracteriza mais pela lentidão em aprender ou evocar memórias do que por sua diminuição real e, em geral, é considerado “benigno”. Muitos nem se dão conta de que têm esse deficit, nem seus familiares. Mas quando atinge um certo grau, muitos médicos o consideram premonitório da doença de Alzheimer. Achados recentes de pesquisadores norte-americanos sugerem que, na verdade, esse deficit “benigno” de memória dos idosos — que denominam transtorno perceptivo —, é em si uma doença que afeta 22% da população acima de 75 anos. Enquanto as pesquisas na área continuam, para saber se esse deficit é ou não um sinal ou um fator agravante de um futuro mal de Alzheimer, acho bom levarmos em consideração que o deficit “benigno” de memória que se observa com a idade também é menor — e mais benigno — nas pessoas com instrução superior do que nas pessoas com educação primária incompleta.

Portanto, é de bom alvitre ler, ler e ler, e se interessar pelo que se lê e pelo que se ouve. E, como lendo se aprende, estaremos praticando o funcionamento de nossa capacidade de memória e garantindo uma maturidade e, mais tarde, uma senilidade menos penosas.

(Izquierdo, Ivan - A arte de esquecer: cérebro e memória)

publicado às 01:23


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds