Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Muitos se perguntam: estudar para quê? Principalmente os adolescentes quando se aproxima a época do vestibular. E até antes disso, quando as intermináveis aulas das escolas de 1º e 2º graus tentam lhes ensinar coisas para eles inúteis, desconhecedores que são de outro universo que não seja aquele limitado a seu pequeno mundo — o círculo das poucas pessoas e coisas que acreditam conhecer. Estudar para quê? Para namorar, não serve; para inaugurar a longa era de confrontos com os pais, característica dos adolescentes, também não. Para entender os perigos da rua, também não. Mas, há séculos, a humanidade receita estudar, principalmente na adolescência, e os povos que mais estudam, mais aprendem e vivem melhor. Tudo isto confronta os adolescentes com dilemas profundos, que pela falta de experiência, incluindo a do estudo, eles não conseguem enxergar.

Quem sabe, estudar sirva só para aprender coisas, para ampliar o mundo em que vivemos. Mas esse “só” é terrivelmente importante. Uma evidência do quanto é importante são os já numerosos estudos mostrando que a incidência e a gravidade da principal doença da memória, o mal de Alzheimer, são menores nas pessoas mais instruídas, e pouco têm a ver com o nível socioeconômico ou a saúde geral do paciente.

O melhor desses estudos foi feito por uma grande equipe de médicos no Hospital Francês de Buenos Aires. Para fins de saúde pública, essa cidade se divide em regiões, cada uma a cargo de um hospital. Na sua região, o Hospital Francês tem sob sua responsabilidade uma população complexa, com gente de diversas idades, variados níveis socioeconômicos, graus de nutrição e níveis de escolaridade. Há pessoas com pouca instrução e altos níveis econômicos: traficantes, ladrões, açougueiros bem-sucedidos etc. Há pessoas com alto nível intelectual e baixo poder econômico: os doutores desempregados resultantes das crises econômicas. Há também pobres incultos e bem nutridos, ricos cultos malnutridos, e toda a variedade de combinações que se possa imaginar. Pois bem, nessa vasta população, a incidência da doença de Alzheimer é cinco ou seis vezes superior nas camadas mais ignorantes — primário incompleto ou menos — que nas camadas bem instruídas — pessoas com pós-graduação, independentemente do nível socioeconômico. O mesmo acontece com a gravidade relativa da doença: é muito maior, para sujeitos da mesma idade, entre os ignorantes. Há pouca ou nenhuma influência do estresse ou da qualidade ou quantidade da alimentação.

A explicação disso é muito simples: a doença de Alzheimer é causada por lesões cerebrais específicas que vão matando um certo número de neurônios e sinapses por dia. Muito bem, pensemos agora não em termos de neurônios e sinapses, mas de dinheiro. Vamos supor que exista uma doença pela qual as pessoas perdem 5 mil reais por dia. Duas pessoas pegam a doença, uma cujo capital inicial é de 5 milhões de reais, e outra cujo capital inicial é de 5 mil. A primeira demorará muitos dias para sequer se dar conta de que padece da doença. A segunda perde tudo o que tinha já no primeiro dia, e fica na miséria no mesmo instante. A mesma coisa ocorre no mal de Alzheimer, com os neurônios e as memórias que eles carregam em suas redes sinápticas. Quem mais estudou, quem mais memórias complexas formou, menos sofre com essa doença que ataca a partir dos 50 ou 60 anos de idade uma porcentagem elevada da população.

Há um deficit de memória, leve, que aparece lenta e sorrateiramente em boa parte da população acima dos 50 ou 60 anos — alguns dizem que antes. Esse deficit se caracteriza mais pela lentidão em aprender ou evocar memórias do que por sua diminuição real e, em geral, é considerado “benigno”. Muitos nem se dão conta de que têm esse deficit, nem seus familiares. Mas quando atinge um certo grau, muitos médicos o consideram premonitório da doença de Alzheimer. Achados recentes de pesquisadores norte-americanos sugerem que, na verdade, esse deficit “benigno” de memória dos idosos — que denominam transtorno perceptivo —, é em si uma doença que afeta 22% da população acima de 75 anos. Enquanto as pesquisas na área continuam, para saber se esse deficit é ou não um sinal ou um fator agravante de um futuro mal de Alzheimer, acho bom levarmos em consideração que o deficit “benigno” de memória que se observa com a idade também é menor — e mais benigno — nas pessoas com instrução superior do que nas pessoas com educação primária incompleta.

Portanto, é de bom alvitre ler, ler e ler, e se interessar pelo que se lê e pelo que se ouve. E, como lendo se aprende, estaremos praticando o funcionamento de nossa capacidade de memória e garantindo uma maturidade e, mais tarde, uma senilidade menos penosas.

(Izquierdo, Ivan - A arte de esquecer: cérebro e memória)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:23


1 comentário

De maria sou a 29.08.2016 às 18:17

E' bom ver que há ainda quem defenda a cultura, essa senhora de outrora, desprezada indigente de hoje. 
<p> Um sábio chamado Isaac Newton, não sei se conhecem um dia disse: " Se vi mais longe e' porque estada sentado em ombros de gigante."
<p> Aprender e' evitar recomeçar sempre do zero. E' saber comunicar para além do que nos e' comum e nos parece suficiente. Só que para além do nosso mundinho há mais, muito mais que também e' tão interessante.
 <p> Gostei e concordo
Maria Sou

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D