Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




PALAVRAS QUE NAO PASSAM

por Thynus, em 05.12.10
É mais fácil descobrir o caminho para o espaço (modelo de sonho do optimismo humano), do que o caminho do homem para dentro si mesmo, para o núcleo da sua felicidade plena. De facto, os sinais de desesperança não são de todo visíveis, pois a falta de esperança pode disfarçar-se de optimismo superficial, de activismo cego ou de um secreto deixar correr. Curiosamente, são muitos os que não reconhecem sentir medo, aborrecimento, solidão e desesperança porque, segundo o modelo social em que vivemos, supõe-se que um homem que triunfa na vida, que tem sucesso não pode sentir-se só, aborrecido ou temeroso. Eric Fromm, com a sua habitual perspicácia, assinala que o homem contemporâneo tenta continuamente e a todo o custo libertar-se de algumas repressões (como, por exemplo, a repressão sexual), mas vê-se obrigado a «reprimir tanto o medo e a dúvida, como a depressão, o aborrecimento e a falta de esperança». Por outro lado, defendemo-nos do nosso «vazio de esperança», submergindo-nos no activismo. Não suportarmos estar sem fazer nada. Precisamos de estar ocupados em algo, para não enfrentarmos o nosso futuro. Temos medo de ficar sós. Mas, a pergunta é inevitável: o que é que nos espera depois de tantos esforços, lutas, ilusões e dissabores? Não teremos, os homens, outro objectivo senão produzir cada vez mais, distribuirmos cada vez melhor aquilo que produzimos, e consumir mais e mais, até ser consumidos pela nossa própria caducidade? Todo o homem necessita de uma esperança para viver em plenitude. Uma esperança que não seja «uma carta de resignação», como a daqueles que procuram viver a vida de uma maneira «tolerável» e, deste modo, suportar com estoicismo a aventura de cada dia numa atitude fatalista. Uma esperança que não deve confundir-se nunca com uma espera passiva, que não é, com frequência, senão «uma forma disfarçada de desesperança e impotência» (E. Fromm). Uma esperança que não é tão pouco o arrojo cego e falto de realismo de quem actua de modo desesperado, sem amor à vida, e portanto, sem medo em destruir os outros ou de que o destruam a ele. O homem necessita no seu coração de uma esperança que se mantenha viva mesmo que outras pequenas esperanças se vejam malogradas e incluso completamente destroçadas. Nós, cristãos, encontramos esta esperança em Jesus Cristo e nas suas palavras que "não passarão". Não esperamos algo que «não pode ser». A nossa esperança apoia-se no facto inabalável da ressurreição de Jesus. A partir das palavras do Ressuscitado atrevemo-nos a ver a vida presente no «estado de gestação» como algo que não nos entregou ainda o seu último segredo, como gérmen duma vida que alcançará a sua plenitude final apenas em Deus.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:21


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds