Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




PALAVRAS QUE NAO PASSAM

por Thynus, em 05.12.10
É mais fácil descobrir o caminho para o espaço (modelo de sonho do optimismo humano), do que o caminho do homem para dentro si mesmo, para o núcleo da sua felicidade plena. De facto, os sinais de desesperança não são de todo visíveis, pois a falta de esperança pode disfarçar-se de optimismo superficial, de activismo cego ou de um secreto deixar correr. Curiosamente, são muitos os que não reconhecem sentir medo, aborrecimento, solidão e desesperança porque, segundo o modelo social em que vivemos, supõe-se que um homem que triunfa na vida, que tem sucesso não pode sentir-se só, aborrecido ou temeroso. Eric Fromm, com a sua habitual perspicácia, assinala que o homem contemporâneo tenta continuamente e a todo o custo libertar-se de algumas repressões (como, por exemplo, a repressão sexual), mas vê-se obrigado a «reprimir tanto o medo e a dúvida, como a depressão, o aborrecimento e a falta de esperança». Por outro lado, defendemo-nos do nosso «vazio de esperança», submergindo-nos no activismo. Não suportarmos estar sem fazer nada. Precisamos de estar ocupados em algo, para não enfrentarmos o nosso futuro. Temos medo de ficar sós. Mas, a pergunta é inevitável: o que é que nos espera depois de tantos esforços, lutas, ilusões e dissabores? Não teremos, os homens, outro objectivo senão produzir cada vez mais, distribuirmos cada vez melhor aquilo que produzimos, e consumir mais e mais, até ser consumidos pela nossa própria caducidade? Todo o homem necessita de uma esperança para viver em plenitude. Uma esperança que não seja «uma carta de resignação», como a daqueles que procuram viver a vida de uma maneira «tolerável» e, deste modo, suportar com estoicismo a aventura de cada dia numa atitude fatalista. Uma esperança que não deve confundir-se nunca com uma espera passiva, que não é, com frequência, senão «uma forma disfarçada de desesperança e impotência» (E. Fromm). Uma esperança que não é tão pouco o arrojo cego e falto de realismo de quem actua de modo desesperado, sem amor à vida, e portanto, sem medo em destruir os outros ou de que o destruam a ele. O homem necessita no seu coração de uma esperança que se mantenha viva mesmo que outras pequenas esperanças se vejam malogradas e incluso completamente destroçadas. Nós, cristãos, encontramos esta esperança em Jesus Cristo e nas suas palavras que "não passarão". Não esperamos algo que «não pode ser». A nossa esperança apoia-se no facto inabalável da ressurreição de Jesus. A partir das palavras do Ressuscitado atrevemo-nos a ver a vida presente no «estado de gestação» como algo que não nos entregou ainda o seu último segredo, como gérmen duma vida que alcançará a sua plenitude final apenas em Deus.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:21



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D