Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O inconsciente da Igreja

por Thynus, em 04.06.10

 A acumulação dos escândalos dos padres pedófilos indica uma difusão do fenómeno maior daquilo que parece. O problema, porém, vai muito mais além, estando profundamente enraizado no inconsciente da Igreja institucional. Tentemos entender porquê. Apesar das declarações de princípio e das desculpas explícitos pelas injustiças seculares com as mulheres, incluindo a Inquisição e as fogueiras, a estrutura da Igreja permanece irredutivelmente patriarcal e misógina, condenando ao silêncio a outra metade do céu, com terríveis consequências incalculáveis de ordem ética, cultural, afetiva e social . A discriminação de gênero não é, portanto, uma questão menor, mas um princípio básico da Igreja, que só pode gerar contradições explosivas. Por exemplo, diante da evidente idealização da Virgem, do seu culto e das suas capacidade de mediação com Deus, às mulheres é negado o poder de transformar o pão e o vinho no Corpo e no Sangue de Jesus. Maria, que trouxe em seu ventre o Salvador, não tem o poder, ao contrário de qualquer sacerdote do sexo masculino, de realizar o rito sacramental que o traz de volta à vida, recriando-o simbolicamente para alimentar os fiéis. O problema é que psicologicamente não é possível eliminar uma parte da natureza humana, sem graves repercussões sobre a identidade, impulsos e desejos. O bloqueio do prazer natural do homem com a mulher cria um libidinal engarrafamento, uma sede insaciável de prazer substitutivo, que se dirige para o menino, a menina. Não existe, de fato, uma via cristã para a sexualidade, o erotismo, mas apenas a sua negação absoluta, que o sexto mandamento sanciona, fora da reprodução, como pecado. Enquanto os princípios éticos da Igreja de Roma forem cunhados pelo mais rígido patriarcalismo, negação do eros, proibição dos padres se casarem, é inevitável uma uma profunda distorção, seja para possíveis actos de homossexualidade induzida, seja a uma pulsão irreprimível à pedofilia. A repressão pode, temporariamente, apaziguar os espíritos, mas sem intervenções estruturais, a pedofilia, talvez tentando camuflar-se melhor, continuará a reproduzir-se.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:55



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D