Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

 

Todo mundo mente, de uma forma ou de outra. Mente-se para ganhar respeito, para melhorar o seu estatuto, para esconder suas próprias falhas ou, muitas vezes, para induzir outros a aceitar uma versão orientada da realidade. A mentira pode até ser passada com boas intenções ou aceite como um ato compreensível de auto-defesa. Mas quando a mentir é o poder político, que usa a mídia para manipular a verdade até modificá-la e produzir falsas realidades para enganar a opinião pública e colher benefícios pessoais ou político-partidários, então o problema se torna grave. Primeiro, porque é atacada nas suas raízes mais profundas a relação entre Estado e cidadão; e em segundo lugar porque distorce o que deveria ser a relação de confiança com a mídia; e depois, ainda, porque cria uma contradição inaceitável entre a demanda de honestidade como valor ético imprescindível na vida social e a desonestidade flagrante do poder; e, finalmente, porque, pela adição de todos estes elementos, põe em causa seriamente o próprio conceito de democracia.

“Mentiras e propaganda. Armas de desinformação em massa” fala, antes de mais, da mentira e como ela pode ser usada para gerar consenso e exercer ações de propaganda e desinformação. A meio caminho entre um escrito de sociologia da comunicação e um escrito de análise jornalística, o livro aborda os principais aspectos da propaganda mentirosa colocando em evidência as suas metodologias e efeitos, através do estudo de casos específicos relatados a partir de crónicas jornalísticas dos anos mais recentes.

Trata-se de um trabalho muito bom de denúncia da acção de desinformação realizado através dos meios de comunicação, sejam novos ou antigos. Mas, especialmente, pode ser considerado um manual real e prático para uma "leitura consciente" dos jornais e das mensagens da televisão, para permitir que as pessoas entendam, se não a realidade, pelo menos para que saibam descobrir quais são as mentiras que são vendidas como verdade pelos talk show e pelos políticos.

Massimo Chiais é jornalista, professor, docente de estudos estratégicos na universidade de Perugia (Itália). Ocupa-se de propaganda, disinformação e manipulação da informação.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:02


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds