Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 

Todo mundo mente, de uma forma ou de outra. Mente-se para ganhar respeito, para melhorar o seu estatuto, para esconder suas próprias falhas ou, muitas vezes, para induzir outros a aceitar uma versão orientada da realidade. A mentira pode até ser passada com boas intenções ou aceite como um ato compreensível de auto-defesa. Mas quando a mentir é o poder político, que usa a mídia para manipular a verdade até modificá-la e produzir falsas realidades para enganar a opinião pública e colher benefícios pessoais ou político-partidários, então o problema se torna grave. Primeiro, porque é atacada nas suas raízes mais profundas a relação entre Estado e cidadão; e em segundo lugar porque distorce o que deveria ser a relação de confiança com a mídia; e depois, ainda, porque cria uma contradição inaceitável entre a demanda de honestidade como valor ético imprescindível na vida social e a desonestidade flagrante do poder; e, finalmente, porque, pela adição de todos estes elementos, põe em causa seriamente o próprio conceito de democracia.

“Mentiras e propaganda. Armas de desinformação em massa” fala, antes de mais, da mentira e como ela pode ser usada para gerar consenso e exercer ações de propaganda e desinformação. A meio caminho entre um escrito de sociologia da comunicação e um escrito de análise jornalística, o livro aborda os principais aspectos da propaganda mentirosa colocando em evidência as suas metodologias e efeitos, através do estudo de casos específicos relatados a partir de crónicas jornalísticas dos anos mais recentes.

Trata-se de um trabalho muito bom de denúncia da acção de desinformação realizado através dos meios de comunicação, sejam novos ou antigos. Mas, especialmente, pode ser considerado um manual real e prático para uma "leitura consciente" dos jornais e das mensagens da televisão, para permitir que as pessoas entendam, se não a realidade, pelo menos para que saibam descobrir quais são as mentiras que são vendidas como verdade pelos talk show e pelos políticos.

Massimo Chiais é jornalista, professor, docente de estudos estratégicos na universidade de Perugia (Itália). Ocupa-se de propaganda, disinformação e manipulação da informação.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:02



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D