Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Testosterona põe os homens em transe

por Thynus, em 12.07.11
quanto mais novidades surgiram nos últimos anos, mais
complicadas as coisas tenderam a se tornar. Descobriu-se que até
o pensamento afeta o funcionamento dos genes. O crescimento da
barba do homem, por exemplo, é em parte uma função de
quanto ele pensa em sexo (porque pensar em sexo produz luz um
aumento da testosterona)
(BILL BRYSON - Breve história de quase tudo)

O homem tem tesão visual. Seus olhos se atraem como por um ímã
para seu objeto de desejo, que, uma vez achado, produz neles um início de
preparação corporal para o sexo. Aliás, o método mais fácil de se saber a
orientação sexual de um homem é verificando qual é seu ímã do olhar:
uma mulher ou outro homem.
A mulher não tem tesão visual (apesar de cerca de 10% delas o terem,
porque suas taxas de testosterona são mais altas e seus cérebros funcionam
mais de maneira masculina). Seus olhos se atraem para o homem interessante.
Interessante por vários critérios ligados à cultura. Se o homem interessante
olhar para ela com desejo, aí sim, o desejo sexual da mulher é
despertado, e seu corpo começa a se preparar para o sexo.
(Francisco Daudt - A NATUREZA HUMANA EXISTE e como manda na gente)

Ao se aproximar a estação reprodutiva, os níveis de testosterona e adrenalina
no organismo dos marsupiais machos em idade madura alcançam picos elevadíssimos
e eles ingressam numa fase de aguda excitação fisiológica, estresse e alta
agressividade na competição por acesso às fêmeas. Enquanto uma parte desses
machos termina morrendo em combates ferozes com os demais, os que sobrevivem
e conseguem copular sucumbem na sua quase totalidade a uma pletora de
mazelas fatais como úlceras estomacais, sistema imune debilitado, hemorragias e
parasitas. As fêmeas não têm melhor sorte. No fim da estação reprodutiva, quase
todas entoam fado semelhante ao dos machos, exauridas até a morte por alguns
dias ou semanas de alucinada exaltação sexual. Nessa “atração fatal” em larga escala,
perante a qual até mesmo Dioniso, o deus grego dos excessos e orgias, talvez
enrubescesse, não há algozes e vítimas.
(Eduardo Giannetti - O Valor do Amanhã)

EXISTE MESMO O AMOR DE PRIMAVERA?
O relógio biológico da natureza funciona de modo a permitir que as fêmeas
tenham seus filhos na época mais quente do ano, para facilitar a sobrevivência. Se,
em uma determinada espécie, o período de gestação é de três meses, a natureza
faz os machos mais excitados na primavera para que a cria nasça no verão. Nos
seres humanos a gestação dura nove meses. Então, o nível de testosterona do
homem aumenta nove meses antes do verão - no outono. Aquela história de que
"na primavera, tudo é amor" só se aplica aos animais que têm um período de
gestação de cerca de três meses.
As pesquisas demonstram que, no hemisfério sul, o nível de testosterona dos
homens aumenta em março, e no hemisfério norte, em setembro. É quando melhora
também a habilidade espacial.
(Allam e Barbara Pease - POR QUE Os Homens Fazem Sexo
E as Mulheres Fazem Amor?)
 
Se as encefalinas, as endorfinas e os hormônios sexuais influenciam nossa atividade
sexual, como fica a relação entre hormônios e religião? É verdade que as pessoas
têm experiências religiosas espontâneas. Às vezes estas são provocadas por
privações, como os monges que jejuam no deserto. Há várias maneiras de a privação
sensorial provocar esse tipo de experiência. As experiências também acontecem espontaneamente
com pessoas de culturas bem diferentes, sempre com o uso da língua
local para descrever a experiência. Mas também podem ser provocadas de forma molecular.
E a experiência uniforme, especialmente nos anos 1950 e 1960 — da qual
Aldous Huxley e outros foram pioneiros —, foi a de que o LSD e outras moléculas
desse tipo produzem experiências religiosas. E muitos religionistas se manifestaram
contra, por acharem que era fácil demais; isto é, não é para as pessoas terem experiências
religiosas sem passar por algum tipo significativo de privação pessoal. Só tomar
quinhentos microgramas sei lá do quê num comprimido era considerado fácil demais.
Digamos que exista uma molécula que produza uma experiência religiosa, seja
qual for essa experiência. Como isso acontece? Praticamente toda vez que alguém
toma a molécula, tem uma experiência religiosa. Isso não sugere que exista uma
molécula natural, fabricada pelo corpo, cuja função seja produzir experiências religiosas,
pelo menos de vez em quando? Vamos dar um nome a ela, já que ela ainda
não foi descoberta — e, é claro, pode nem existir —; um nome bom seria “teofilina”,
mas esse já foi usado para uma droga contra a asma. E acho que “teotoxina” seria
tendencioso demais. Vamos chamá-la então de “teoforina”, um material que faz com
que se fique religioso.
Qual poderia ser a vantagem seletiva da teoforina? Como ela teria surgido? Por
que existiria? Em primeiro lugar, qual é a natureza da experiência? A natureza da
experiência tem, como disse, vários aspectos distintos. Mas um dos aspectos uniformes
é uma intensa sensação de temor e humildade diante de um poder
imensamente maior do que nós. E isso me soa bem parecido com uma molécula ligada
à hierarquia de dominação, ou parte de um grupo de moléculas cuja função seja
nos encaixar em hierarquias — para nos deixar aptos a buscar, como disse
Dostoiévski, nada tão incessante e dolorosamente quanto alguém a quem idolatrar e
obedecer
.
(Carl Sagan - Variedades da Experiência Científica
 
“Veja, o problema é que Deus deu ao homem o cérebro e o pênis, mas sangue suficiente para funcionar um de cada vez.”
(Robin Williams)
 
 
 

testosterone.jpg

 

 
 
Louann Brizendine cavou na mente masculina e confirmou o que a maioria das mulheres durante algum tempo suspeitava: "os homens têm a obsessão do sexo, não sabem como expressar as emoções e são mentirosos".
Bizendine acredita que a causa de tudo seja a testosterona que põe o homem em transe quando vê os seios. E acrescenta: "O melhor conselho que posso dar às mulheres é resignar-se e deixá-los ser aquilo que são: homens".
Outros dados interessantes no livro da pesquisadora, "O cérebro humano: uma mudança na maneira de entender como os homens e os rapazes pensam," são:
1. os homens realmente são ninfomaníacos. A parte do cérebro associada à atividade sexual nos homens é 2,5 vezes maior do que nas mulheres;
2. são programados para buscar experiências sexuais. A testosterona produz o "transe masculino" com um olhar vítreo com a visão dos seios. "Gostaria de poder dizer que os homens conseguem controlar-se e evitar o envolvimento neste tipo de transe. Mas a verdade é que não podem ";
3. os homens querem mais partners. De acordo com o livro os homens querem em média 14 parceiros sexuais no curso da sua vida. As mulheres apenas querem um ou dois. Lousanna acrescenta que existe também a "narcolepsia pós-coito. Durante o orgasmo, os homens produzem uma grande quantidade de oxitocina no cérebro que tem um efeito muito sedativo. Não é que não te ama ";
4. homens mentem mais sobre sexo do que mulheres. Biologicamente falando, os homens sentem-se muito mais confortáveis
​​a mentir que as mulheres;
5. enquanto as mulheres vêem como preliminares tudo o que acontece nas de 24 horas precedentes à relação sexual, os homens consideram preliminares só o que acontece três minutos antes do sexo.
Louanne continua: "a reacção emotiva inicial do cérebro masculino pode ser mais forte do que na mulher, mas em 2,5 segundos o homem muda de face para esconder a emoção ou para destruí-la ".
A pesquisadora ressalta que o seu livro não justifica os maus comportamentos: "Isto não é para dar aos homens uma desculpa para estuprar ou molestar as mulheres. Mas os homens têm o direito de dar voz aos seus instintos biológicos e que falemos deles ".
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:17


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds