Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O TABU DA MORTE

por Thynus, em 05.12.10
O homem contemporâneo não sabe o que fazer exactamente com a morte. A única saída que nos ocorre é ignorá-la, não falar dela, não pronunciar o nome das doenças incuráveis. Convertemos a morte no moderno «tabu» que substituiu o antigo tabu sexual. Às crianças explica-se-lhes tudo sobre a origem maravilhosa da vida, mas ninguém se atreve a iniciá-las ao mistério da morte. Há muitos pais que, ante a criança que pergunta para onde foi o avô, sentem o mesmo mal-estar ou maior que antes, quando perguntavam de onde vinham os meninos. São admiráveis todos os esforços que fazemos para adiar a morte, ignorá-la e viver afastando de nós tudo o que nos possa recordar a sua proximidade. Toda gente quer parecer jovem, forte, agressivo e invulnerável. Desejamos a juventude, a saúde e a força porque cremos poder encontrar em tudo isso uma protecção contra o irremediável: a velhice e a morte. Não queremos recordar o que na realidade somos: seres profundamente débeis, vulneráveis e, em definitivo, mortais. Mas há, todavia, algo mais. São muitos os que se dizem cristãos porque admiram o evangelho e veneram Jesus Cristo, ainda que confessem modestamente não ambicionar nem desejar ou esperar com alegria a ressurreição. Na realidade, contentar-se-iam com prolongar esta vida de modo indefinido. Não será tudo isto sintoma de um grave empobrecimento e sinal de uma profunda ingenuidade? Se a nossa vida é insatisfatória, não é porque seja curta, mas porque nunca poderá satisfazer as nossas aspirações mais profundas. O homem pode e deve prolongar esta vida, humanizá-la, torná-la sempre melhor. Mas, apenas com isso, não alcança a vida que anela. Apenas desde o realismo profundo da nossa condição mortal e desde a necessidade sentida de salvação, podemos escutar com fé a promessa de Jesus Cristo: «Eu sou a Ressurreição e a Vida: quem que crê em mim, mesmo que morra, viverá» .Talvez, para entender estas palavras, precisamos antes de mais, deixar de lado os auto-enganos ilusórios, libertar-nos da nossa ingenuidade e recordar aquela observação tão certeira de D. Solle: «O homem não vive apenas de pão, morre também apenas com pão» (cfr. Mt. 4,4).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:25



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D