Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




DEPOIS DA MORTE DE DEUS

por Thynus, em 05.12.10

"Matemo-lo e fiquemos com a sua herança". (cfr.: Mt 21,33-43) Estas palavras dos feitores da vinha recordam-me os gritos do louco na obra do filósofo F. Nietzsche, a «Gaia Ciência»: "Onde está Deus? Eu vou dizer-vos. Nós matámo-lo, vós e eu! Somos todos seus assassinos! Mas, como é que podemos ter feito isso?... Que fizemos ao cortar a cadeia que unia esta terra ao sol? Para onde se dirige ela agora? Para onde nos dirigimos nós?" Segundo F. Nietzsche, o maior acontecimento dos tempos modernos é que "Deus morreu". Deus não existe. Não existiu nunca. Apenas existem os homens, sós, para construir o nosso futuro. Esta é a convicção profunda que se encerra em todos os projectos de libertação que se lhe oferecem ao homem moderno, sejam de carácter cientifista, de inspiração marxista ou de origem freudiano. As religiões representam hoje uma resposta arcaica, ineficaz, insuficiente para libertar o homem. Uma resposta ligada a uma fase ainda infantil e atrasada da história humana. Chegou o momento de nos emanciparmos de toda a tutela religiosa. Deus é um obstáculo para a autonomia e o crescimento do homem. Há que matar Deus para que nasça o verdadeiro homem. É, uma vez mais, a atitude dos vinhateiros da parábola: "Vinde, matemo-lo e fiquemos com a sua herança" (Mt 21,33-46). Contudo, a história recente destes anos começa a descobrir-nos que não é tão fácil para o homem recolher a herança de «um Deus morto». De facto, depois da declaração solene da morte de Deus, são bastantes os que começam a entrever a morte do homem. Bastantes os que se perguntam como A. Malraux se o «verdugo de Deus» poderá sobreviver à sua vítima. As revoluções socialistas não parecem ter trazido consigo a liberdade a que o homem aspira desde o mais profundo do seu ser. A livre expansão dos impulsos instintivos, pregada por S. Freud, longe de fazer surgir um homem mais são e maduro, parece originar novas neuroses, frustrações e uma incapacidade cada vez mais profunda para o amor de comunhão. «O desenvolvimento científico, privado de direcção e de sentido, está convertendo o mundo numa imensa fábrica» (Marcuse-H) e vai produzindo não apenas máquinas que se assemelham a homens mas «homens que se assemelham cada vez mais a máquinas» (I. Silone). Este homem, frustrado nas suas necessidades mais autênticas, vítima da «neurose mais radical» que é a falta de sentido globalizante para a sua existência, atemorizado ante a possibilidade já real de uma auto-destruição total, não estará necessitado mais do que nunca de Deus? Mas, encontrará ainda, entre os crentes, esse Deus capaz de fazer o homem mais responsável, mais livre e mais humano?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:27



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D