Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




AS ARMADILHAS DO NATURAL

por Thynus, em 03.12.12

A idéia de que as plantas podem exercer um poderoso efeito sobre nós é muito antiga – vem, pelo menos, desde a história do fruto proibido que “abriu os olhos” de Adão e Eva, ainda que para desgraça de ambos. E desde há muito tempo remédios vêm sendo extraídos de vegetais. No século XVII, o médico inglês William Withering aprendeu com uma curandeira a usar a dedaleira em p
acientes inchados; daí surgiu a digital, poderosa droga contra a insuficiência cardíaca. Os opiáceos foram extraídos da palpoula. O quinino, usado no tratamento da malária, também teve origem vegetal.
Mas aí a química começou a se desenvolver; a ideia de sintetizar as drogas em laboratórios, em vez de buscá-las na natureza, propagou-se cada vez mais e gerou a poderosa indústria farmacêutica. Para cada problema de saúde haveria um produto químico capaz de resolvê-lo.
Aos poucos descobriu-se que não era bem assim. Drogas sintéticas acarretavam riscos inimagináveis, como o demonstrou o doloroso episódio da talidomida: mulheres que tinham tomado esse tranquilizante durante a gravidez davam à luz crianças deformadas. Remédio poderia ser muito perigoso. Isso ensejou uma espécie de volta ao natural: substâncias extraídas de plantas não poderiam ser prejudicias. A Mãe Natureza não poderia ser madrasta.
Mas os riscos também não tardaram a aparecer.Um exemplo foi da efedra, usada como supressora do apetite. Como é produto natural, nos Estados Unidos pode ser vendida sem receita. E aí começaram a surgir relatos de sérios efeitos, incluindo convulsões, acidente vascular cerebral e morte. A venda da efedra foi proibida em muitos lugares. Ou seja: natural não quer dizer inócuo. Afinal, venenos não faltam na natureza. Isso não significa rejeitar as preparações vegetais, inclusive mais baratas e até mais seguras que as drogas químicas.
Qual a recomendação prática, então? Algumas perguntas precisam ser respondidas:
- O produto natural foi devidamente testado?
- Revelou-se eficaz em relação ao problema que a pessoas tem?
- Quais são os riscos?
- Balançando riscos e benefícios potencias, vale a pena usar o produto?
Notem que estas perguntas podem ser usadas numa variedade de situações (cirúrgicas, por exemplo). Porque são a simples aplicação prática do bom senso. Que é, afinal, a melhor forma de medicação.
((Moacyr Scliar – O Olhar Médico)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:37


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds