Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




AS ARMADILHAS DO NATURAL

por Thynus, em 03.12.12

A idéia de que as plantas podem exercer um poderoso efeito sobre nós é muito antiga – vem, pelo menos, desde a história do fruto proibido que “abriu os olhos” de Adão e Eva, ainda que para desgraça de ambos. E desde há muito tempo remédios vêm sendo extraídos de vegetais. No século XVII, o médico inglês William Withering aprendeu com uma curandeira a usar a dedaleira em p
acientes inchados; daí surgiu a digital, poderosa droga contra a insuficiência cardíaca. Os opiáceos foram extraídos da palpoula. O quinino, usado no tratamento da malária, também teve origem vegetal.
Mas aí a química começou a se desenvolver; a ideia de sintetizar as drogas em laboratórios, em vez de buscá-las na natureza, propagou-se cada vez mais e gerou a poderosa indústria farmacêutica. Para cada problema de saúde haveria um produto químico capaz de resolvê-lo.
Aos poucos descobriu-se que não era bem assim. Drogas sintéticas acarretavam riscos inimagináveis, como o demonstrou o doloroso episódio da talidomida: mulheres que tinham tomado esse tranquilizante durante a gravidez davam à luz crianças deformadas. Remédio poderia ser muito perigoso. Isso ensejou uma espécie de volta ao natural: substâncias extraídas de plantas não poderiam ser prejudicias. A Mãe Natureza não poderia ser madrasta.
Mas os riscos também não tardaram a aparecer.Um exemplo foi da efedra, usada como supressora do apetite. Como é produto natural, nos Estados Unidos pode ser vendida sem receita. E aí começaram a surgir relatos de sérios efeitos, incluindo convulsões, acidente vascular cerebral e morte. A venda da efedra foi proibida em muitos lugares. Ou seja: natural não quer dizer inócuo. Afinal, venenos não faltam na natureza. Isso não significa rejeitar as preparações vegetais, inclusive mais baratas e até mais seguras que as drogas químicas.
Qual a recomendação prática, então? Algumas perguntas precisam ser respondidas:
- O produto natural foi devidamente testado?
- Revelou-se eficaz em relação ao problema que a pessoas tem?
- Quais são os riscos?
- Balançando riscos e benefícios potencias, vale a pena usar o produto?
Notem que estas perguntas podem ser usadas numa variedade de situações (cirúrgicas, por exemplo). Porque são a simples aplicação prática do bom senso. Que é, afinal, a melhor forma de medicação.
((Moacyr Scliar – O Olhar Médico)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:37



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D