Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mário Quintana

por Thynus, em 24.07.14
ANDAVA (Mário Quintana) às voltas com a declaração do imposto de renda. Tinha o salário do Correio do Povo e até aí tudo bem. Para complicar, havia direitos autorais vindos de várias fontes. Mais burocracia do que dinheiro, como se sabe. Enfim, andava às voltas com os labirintos da declaração.
              Mas sempre há uma alma caridosa. O colega Sílvio Braga, que se dividia entre a redação do Correio e uma repartição federal, ofereceu-se:
              - Reúne a papelada e me passa, que eu faço tua declaração no computador.
              Prometido e feito. Mário agradeceu pelos préstimos com o verso:
 
Sei que meu cálculo é infiel
Na mais inglória das lutas
Lido com pena e papel
E tu, ó Braga, computas.
(Juarez Fonseca - Ora Bolas!)
20 melhores ideias sobre poemas

 

Mário Quintana(1906-1994). Foi um dos melhores poetas brasileiros. Publicou cerca de trinta livros e algumas de suas poesias foram vertidas para o espanhol, o francês, o inglês e o italiano. E traduziu obras de diversos autores como Guy de Maupassant, André Maurois, Marcel Proust, Voltaire, Honoré de Balzac, Aldous Huxley e Somerset Maugham, entre outros.

 

Era também um poeta-filósofo.



VRB – Mário, você é um dos grandes poetas brasileiros. Pergunto-lhe então: o que a poesia?

Quintana – A Poesia é a invenção da Verdade.
A beleza de um verso não está no que diz, mas no poder encantatório das palavras que diz: um verso é uma fórmula mágica.
A poesia é um sintoma do sobrenatural.
Só a poesia possui as coisas vivas. O resto é necropsia.

VRB – Há leitores que, ao lerem um poema, querem saber a sua interpretação.

Quintana – Mas para que interpretar um poema? Um poema já é uma interpretação.

VRB – Qual a sua opinião sobre a influência de um escritor sobre outro?

Mário Quintana – O que chamam de influência poética é apenas confluência. Já li poetas de renome universal e, mais grave ainda, de renome nacional e que no entanto me deixaram indiferente. De quem é a culpa? De ninguém. É que não eram da minha família.

VRB – A imaginação é uma característica dos romancistas e dos poetas. O que é a imaginação?

Quintana – A imaginação é a memória que enlouqueceu.

VRB – Qual é sua filosofia de vida?

Quintana – A gente deve atravessar a vida como quem está gazeando a escola e não como quem vai para a escola.
Uma vida não basta apenas ser  vivida: também precisa ser sonhada.

VRB – Autores, como Domenico de Masi , fazem apologia do ócio, inclusive como fonte de criatividade.

Quintana – A preguiça é a mãe do progresso. Se o homem não tivesse preguiça de caminhar, não teria inventado a roda.
O que prejudica a minha preguiça prejudica o meu trabalho.

VRB – Temos respostas confiáveis para a Vida? Ou só podemos perguntar?

Quintana – Quase tudo neste mundo são perguntas e as respostas são quase sempre reticências...

VRB – A idéia do destino sempre esteve presente na filosofia, na religião, na literatura. Na sua concepção,  o que é o destino?

Quintana – O Destino é o acaso atacado de mania de grandeza.

VRB – A morte é certa, mas o instante da morte é sempre incerto. E essa incerteza do instante do morrer, você o retrata belamente em uma de suas poesias.

Quintana – Esta vida é uma estranha hospedaria,
                   De onde se parte quase sempre às tontas,
                   Pois nunca as nossas malas estão prontas,
                   E a nossa conta nunca está em dia...

VRB – A sobrevivência da alma após a morte do corpo é uma esperança da grande maioria das pessoas, porque acreditam no que dizem todas as religiões. O que é a alma para você?

Quitana – A alma é essa coisa que nos pergunta se a alma existe.
Meu Deus! Como será uma alma deste mundo?!

VRB – Você tem medo de fantasmas?

Quintana – O fantasma é um exibicionista  póstumo.
Os fantasmas também sofrem de visões: somos nós...

VRB – Karl Marx afirmou que a religião é o ópio do povo. Você concorda?

Quintana – O ópio do povo é o trabalho.

VRB – Há pessoas que se preocupam tanto com o espírito a ponto de desprezar o corpo. Pensam que sabem muito sobre a alma, mas, na sua  maioria, nada sabem sobre o seu organismo.

Quintana – Conhecer o mistério de um corpo é talvez mais importante do que conhecer o mistério de uma alma.

VRB – Você acha que a teologia aproxima o homem de Deus?

Quintana – A teologia é o caminho mais longo para  chegar a Deus.
Mas como livrar Deus dos teogogos?
Deus é impróprio para adultos.

VRB – Você acredita em oração?

Quintana – Rezar é uma falta de fé: Nosso Senhor bem sabe o que está fazendo....

VRB – Há pessoas que mudam de religião porque perderam a fé no que acreditavam. Essa dúvida poderá ser neutralizada pela fé que encontraram noutra religião?

Quintana – Uma das coisas que não consigo absolutamente compreender são os que se convertem a outras religiões. Para que mudar de dúvidas?

VRB – Você se preocupa com o Além e seus mistérios?

Quintana – Por favor, deixa o Outro Mundo em paz! O mistério está aqui.

VRB – Acredita em milagres?

Quintana – O milagre não é dar vida ao corpo extinto,
                   Ou luz ao cego, ou eloqüência ao mudo...
                    Nem mudar água pura em vinho tinto.
                    Milagre é acreditarem nisso tudo.

VRB – O que o amedronta em relação à morte?

Quintana – Falam muito no Sono Eterno. Sempre falaram, aliás... E daí?
Daí, só uma coisa me impressiona, e muito: a ameaça de uma Insônia Eterna.
O pior da morte é essa brusca mudança de hábitos...

VRB – Costuma-se dizer que a morte iguala todas as pessoas.

Quintana – A morte não iguala ninguém: há caveiras que possuem todos os dentes.

VRB – O maior perigo para o idoso é a aposentadoria. Se ela não for bem aproveitada poderá, como conseqüência, acelerar o envelhecimento e antecipar a morte. Como você encara o trabalho na velhice?

Quitana – O trabalho é a farra dos velhos.

VRB – O que é o tempo?

Quintana – O tempo é a insônia da eternidade.

VRB – O tempo sempre foi uma das grandes preocupações do ser humano. Os saudosistas dão um grande valor ao passado e fazem do presente uma janela de onde contemplam tudo o que foi e tudo o que foram.

Quintana – O passado não reconhece o seu lugar: está sempre no presente.

VRB – A maioria dos idosos sempre fala dos bons velhos tempos, por inadaptação aos costumes dos tempos atuais.

Quintana – Mas os tempos são sempre bons, a gente é que não presta mais.

VRB – Cada fase do tempo tem seus próprios sentimentos, e todos eles sempre são vividos no presente.

Quintana – Essas duas tresloucadas, a Saudade e a Esperança, vivem ambas na casa do Presente, quando deviam estar, é lógico, uma na casa do Passado e outra na do Futuro. Quanto ao Presente – ah! – esse nunca está em casa.

VRB – Qual o tipo de saudade mais dolorida?

Quintana – A saudade que dói mais fundo – e irremediavelmente – é a saudade que temos de nós.

VRB – Há filósofos que ensinam que o homem deve superar a si mesmo, exceder os seus limites.

Quintana – Ultrapassar-se? Mas como?! A gente só se ultrapassa, mesmo, quando vai para o outro mundo.

VRB – Consideramo-nos o ápice da escala evolutiva do nosso planeta. Apesar de os macacos estarem muito próximos a nós quanto à genética, há uma diferença qualitativa entre nós e eles. Graças à ciência e à tecnologia essa diferença é cada vez maior dentro de uma perspectiva estritamente operacional. Em compensação, os perigos do nosso progresso podem culminar na destruição da raça humana. O que você pensa a respeito?

Quintana – O que me impressiona, à vista de um macaco, não é que ele tenha sido nosso passado: é este pressentimento de ele venha a ser o nosso futuro.

VRB – Um dos nossos maiores medos é o da  solidão. E ela vem se agravando nas grandes megalópoles. Assim, há pessoas que viajam para fugir da solidão.

Quintana – Viajar é mudar o cenário da solidão.

VRB – Vivemos a experiência das megalópoles. Como você definiria uma cidade assim?

Quintana – Cidade grande: dias sem pássaros, noites sem estrelas.

VRB – A ficção científica alerta para a possibilidade de o homem ser, um dia, superado e dominado pela máquina. É terrível essa visão de um mundo dirigido por robôs.

Quintana – O que há de terrível nos robôs não é como eles se parecem conosco, mas como nós nos parecemos com eles.

VRB – Como você se relaciona com o livro?

Quintana – O livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado.
Há duas espécies de livros: uns que os leitores esgotam, outros que esgotam os leitores.

VRB – Você já alguma vez releu seus livros?

Quintana – Nunca me releio... Tenho um medo enorme de me influenciar. É verdadeiramente catastrófico quando um autor se transforma no seu discípulo.

VRB - Há escritores que procuram ser coerentes em todas as suas obras. Você tem essa preocupação?

Quintana - Um autor que nunca se contradiz deve estar mentindo

VRB – O que é o sonho?

Quintana – Sonhar é acordar-se para dentro.

VRB – Você, alguma vez, já sentiu remorso?

Quintana – Há noites em que não posso dormir de remorsos por tudo o que deixei de cometer...

VRB – Quais as expressões humanas que demonstram autêntica sinceridade.

Quintana – Os sorrisos mais sinceros são os sorrisos dos desdentados.

VRB – Qual a palavra que denomina melhor o agrupamento humano.

Quintana – Nós – o pronome do rebanho.

VRB – Como você entende a criação do mundo?

Quintana – Se antes era o Nada, como poderia haver Alguém para tirar dele o mundo?

(Valter da Rosa Borges)

 


FRASES DE MARIO QUINTANA

* A amizade é um amor que nunca morre.

* Tão bom morrer de amor! e continuar vivendo...

* Há 2 espécies de chatos: os chatos propriamente ditos e ... os amigos, que são os nossos chatos prediletos.

*Bilhete
Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
tem de ser bem devagarinho, Amada,
que a vida é breve, e o amor mais breve ainda...

 * O segredo é não correr atrás das borboletas... É cuidar do jardim para que elas venham até você.

 * O tempo não pára! Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo...

* A preguiça é a mãe do progresso. Se o homem não tivesse preguiça de caminhar, não teria inventado a roda.

* DO AMOROSO ESQUECIMENTO
Eu, agora - que desfecho!
Já nem penso mais em ti...
Mas será que nunca deixo
De lembrar que te esqueci?

 * DAS UTOPIAS
Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas!

* AS INDAGAÇÕES
A resposta certa, não importa nada: o essencial é que as perguntas estejam certas.

 * Se me esqueceres, só uma coisa, esquece-me bem devagarinho.

 * DA FELICIDADE
Quantas vezes a gente, em busca da ventura,
Procede tal e qual o avozinho infeliz:
Em vão, por toda parte, os óculos procura
Tendo-os na ponta do nariz!

* A arte de viver é simplesmente a arte de conviver ... simplesmente, disse eu? Mas como é difícil!

 * Há noites que eu não posso dormir de remorso por tudo o que eu deixei de cometer.

 * DA DISCRIÇÃO
Não te abras com teu amigo
Que ele um outro amigo tem.
E o amigo do teu amigo
Possui amigos também...

 * DA OBSERVAÇÃO
Não te irrites, por mais que te fizerem...
Estuda, a frio, o coração alheio.
Farás, assim, do mal que eles te querem,
Teu mais amável e sutil recreio...

 * O passado não reconhece o seu lugar: esta sempre presente.

* O pior dos problemas da gente é que ninguém tem nada com isso.

 * [O Trágico Dilema]
Quando alguém pergunta a um autor o que este quis dizer, é porque um dos dois é burro.

 * POEMINHA DO CONTRA
Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!

 * Não importa saber se a gente acredita em Deus: o importante é saber se Deus acredita na gente...

 * Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não lêem.

 * Um bom poema é aquele que nos dá a impressão de que está lendo a gente ... e não a gente a ele!

* A alma é essa coisa que nos pergunta se a alma existe.

 * Bendito quem inventou o belo truque do calendário, pois o bom da segunda-feira, do dia 1º do mês e de cada ano novo é que nos dão a impressão de que a vida não continua, mas apenas recomeça...

 * E um dia os homens descobrirão que esses discos voadores estavam apenas estudando a vidas dos insetos...

 * Reflexão de Lavoisier ao descobrir que lhe haviam roubado a carteira: nada se perde, tudo muda de dono.

 * Sonhar é acordar-se para dentro.

 * Amor
Quando duas pessoas fazem amor
Não estão apenas fazendo amor
Estão dando corda ao relógio do mundo

* Sempre me senti isolado nessas reuniões sociais: o excesso de gente impede de ver as pessoas...

 * Dizes que a beleza não é nada? Imagina um hipopótamo com alma de anjo... Sim, ele poderá convencer os outros de sua angelitude - mas que trabalheira!

 * DOS MILAGRES
O milagre não é dar vida ao corpo extinto,
Ou luz ao cego, ou eloqüência ao mudo...
Nem mudar água pura em vinho tinto...
Milagre é acreditarem nisso tudo!

 * No fim tu hás de ver que as coisas mais leves são as únicas
que o vento não conseguiu levar:
um estribilho antigo
um carinho no momento preciso
o folhear de um livro de poemas
o cheiro que tinha um dia o próprio vento...

 * Autodidata é um ignorante por conta própria.

* Melancolia
Maneira romântica de ficar triste.

 * Esses que puxam conversa sobre se chove ou não chove - não poderão ir para o Céu! Lá faz sempre bom tempo...

 * Quando eu for, um dia desses,
Poeira ou folha levada
No vento da madrugada,
Serei um pouco do nada
Invisível, delicioso

Que faz com que o teu ar
Pareça mais um olhar,
Suave mistério amoroso,
Cidade de meu andar
(Deste já tão longo andar!)

E talvez de meu repouso...

*  SIMULTANEIDADE
- Eu amo o mundo! Eu detesto o mundo! Eu creio em Deus! Deus é um absurdo! Eu vou me matar! Eu quero viver!
- Você é louco?
- Não, sou poeta.

*  A poesia não se entrega a quem a define.

*  O que me impressiona, à vista de um macaco, não é que ele tenha sido nosso passado: é este pressentimento de que ele venha a ser nosso futuro.
Mas o que quer dizer este poema? - perguntou-me alarmada a boa senhora.
E o que quer dizer uma nuvem? - respondi triunfante.
Uma nuvem - disse ela - umas vezes quer dizer chuva, outras vezes bom tempo...

* Não me ajeito com os padres, os críticos e os canudinhos de refresco: não há nada que substitua o sabor da comunicação direta.

*  Quiseste expor teu coração a nu.
E assim, ouvi-lhe todo o amor alheio.
Ah, pobre amigo, nunca saibas tu
Como é ridículo o amor... alheio!

*  Vale a pena viver - nem que seja para dizer que não vale a pena...

*  Dupla delícia/ O livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado.

*  Se alguém te perguntar o quiseste dizer com um poema, pergunta-lhe o que Deus quis dizer com este mundo...

*  Só se deve beber por gosto: beber por desgosto é uma cretinice.

*  INSCRIÇÃO PARA UM PORTÃO DE CEMITÉRIO
Na mesma pedra se encontram,
Conforme o povo traduz,
Quando se nasce - uma estrela,
Quando se morre - uma cruz.
Mas quantos que aqui repousam
Hão de emendar-nos assim:
"Ponham-me a cruz no princípio...
E a luz da estrela no fim!"

* Qualquer ideia que te agrade,
Por isso mesmo... é tua.
O autor nada mais fez que vestir a verdade
Que dentro em ti se achava inteiramente nua...

*  Esses padres conhecem mais pecados do que a gente...

*  Se eu amo o meu semelhante? Sim. Mas onde encontrar o meu semelhante?

*  A verdadeira arte de viajar...
A gente sempre deve sair à rua como quem foge de casa,
Como se estivessem abertos diante de nós todos os caminhos do mundo.
Não importa que os compromissos, as obrigações, estejam ali...
Chegamos de muito longe, de alma aberta e o coração cantando!

*  OS DEGRAUS
Não desças os degraus do sonho
Para não despertar os monstros.
Não subas aos sótãos - onde
Os deuses, por trás das suas máscaras,
Ocultam o próprio enigma.
Não desças, não subas, fica.
O mistério está é na tua vida!
E é um sonho louco este nosso mundo...

*  Ah, esses moralistas... Não há nada que empeste mais do que um desinfetante!

*  Minha vida é uma colcha de retalhos. Todos da mesma cor.

*  Não tem porque interpretar um poema. O poema já é uma interpretação.

*  Da Perfeição da Vida
Por que prender a vida em conceitos e normas?
O Belo e o Feio... O Bom e o Mau... Dor e Prazer...
Tudo, afinal, são formas
E não degraus do Ser!

*  Do bem e do mal
Todos tem seu encanto: os santos e os corruptos.
Não há coisa na vida inteiramente má.
Tu dizes que a verdade produz frutos...
Já viste as flores que a mentira dá?

*  Quem pretende apenas a glória não a merece.

*  Quando guri, eu tinha de me calar, à mesa: só as pessoas grandes falavam. Agora, depois de adulto, tenho de ficar calado para as crianças falarem.

*  Da calúnia
Sorri com tranquilidade
Quando alguém te calunia.
Quem sabe o que não seria
Se ele dissesse a verdade...

*  O Eterno Espanto
Que haverá com a lua que sempre que a gente a olha é com o súbito espanto da primeira vez?

*  Esquece todos os poemas que fizeste. Que cada poema seja o número um.

*  No céu é sempre domingo. E a gente não tem outra coisa a fazer senão ouvir os chatos. E lá é ainda pior que aqui, pois se trata dos chatos de todas as épocas do mundo.

*  Há uns que morrem antes; outros depois. O que há de mais raro, em tal assunto, é o defunto certo na hora exata.

*  De um autor inglês do saudoso século XIX: O verdadeiro gentleman compra sempre três exemplares de cada livro: um para ler, outro para guardar na estante e o último para dar de presente.

*  INSCRIÇÃO PARA UMA LAREIRA
A vida é um incêndio: nela
dançamos, salamandras mágicas
Que importa restarem cinzas
se a chama foi bela e alta?
Em meio aos toros que desabam,
cantemos a canção das chamas!

Cantemos a canção da vida,
na própria luz consumida...

*  Diálogo Bobo
- Abandonou-te?
- Pior ainda: esqueceu-me...

*  [Do Bem o do Mal]
No fundo, não há bons nem maus. Há apenas os que sentem prazer em fazer o bem e os que sentem prazer em fazer o mal. Tudo é volúpia...

*  O tempo é um ponto de vista. Velho é quem é um dia mais velho que a gente...

*  O ruim dos filmes de Far West é que os tiroteios acordam a gente no melhor do sono.

*  Três amores... Quem me deu
Tão estranha sorte assim?
Três amores, tenho-os eu
E nenhum me tem a mim!

*  A indulgência é a maneira mais polida de desprezar alguém.

*  Mas que susto não irão levar essas velhas carolas se Deus existe mesmo...

*  Quem faz um poema abre uma janela.
Respira, tu que estás numa cela abafada,
esse ar que entra por ela.
Por isso é que os poemas têm ritmo
- para que possas profundamente respirar.
Quem faz um poema salva um afogado.

*  [Inscrição para um portão de cemitério]
A morte não melhora ninguém...

*  LEGÍTIMA APROPRIAÇÃO
Copio e assino essa frase encontrada no velho Schopenhauer: "A soma de barulho que uma pessoa pode suportar está na razão inversa de sua capacidade mental".

*  Se um poeta consegue expressar a sua infelicidade com toda a felicidade, como é que poderá ser infeliz?

*  O mais triste da arquitetura moderna, é a resistência do seu material.

*  O grande consolo das velhas anedotas são os recém-nascidos...

*  Qual Ioga, qual nada! A melhor ginástica respiratória que existe é a leitura, em voz alta, dos Lusíadas.

 

* Tudo o que acontece é natural - inclusive o sobrenatural.

 

*  Sinônimos
Esses que pensam que existem sinônimos, desconfio que não sabem distinguir as diferentes nuanças de uma cor.

 

*  Senhora, eu vos amo tanto / Que até por vosso marido / Me dá um certo quebranto.

 

*  [A Arte de Ler]
O leitor que mais admiro é aquele que não chegou até a presente linha. Neste momento já interrompeu a leitura e está continuando a viagem por conta própria.

 

*  Diálogo Noite Adentro
- Mas há as que nos compreendem...
- Ah, essas são as piores!

 

*  Mau Humor
Os que metem uma bala na cabeça retiram-se deste mundo batendo com a porta.

 

*  Tempo
Coisa que acaba de deixar a querida leitora um pouco mais velha ao chegar ao fim desta linha.

 

*  Nos acontecimentos, sim, é que há destino:
Nos homens, não - espuma de um segundo...
Se Colombo morresse em pequenino,
O Neves descobriria o Novo Mundo.

 

*  O café é tão grave, tão exclusivista, tão definitivo
que não admite acompanhamento sólido. Mas eu o driblo,
saboreando, junto com ele, o cheiro das torradas-na-manteiga
que alguém pediu na mesa próxima.

 

*  Já trazes, ao nascer, a tua filosofia.
As razões? Essas vêm posteriormente,
Tal como escolhes, na chapelaria,
A forma que mais te assente...

 

*  [Busca]
Subnutrido de beleza, meu cachorro-poema vai farejando poesia em tudo, pois nunca se sabe quanto tesouro andará desperdiçado por aí...
Quanto filhotinho de estrela atirado no lixo!

 

*  [A Carta]
Quando completei quinze anos, meu compenetrado padrinho me escreveu uma carta muito, muito séria: tinha até ponto-e-vírgula! Nunca fiquei tão impressionado na minha vida.

 

*  SEMPRE QUE CHOVE
Sempre que chove
Tudo faz tanto tempo...
E qualquer poema que acaso eu escreva
Vem sempre datado de 1779!

 

*  Hoje me acordei pensando em uma pedra numa rua de Calcutá. Numa determinada pedra numa rua de Calcutá. Solta. Sozinha. Quem repara nela? Só eu, que nunca fui lá. Só eu, deste lado do mundo, te mando agora esse pensamento... Minha pedra de Calcutá!

 

*  [Leitura]
Se é proibido escrever nos monumentos, também deveria haver uma lei que proibisse escrever sobre Shakespeare e Camões.

 

*  Ah! Essas Precauções...
Para desespero de seus parentes, o velho rei Mitridates, como todo mundo sabe, conseguiu tornar-se imune a todos os venenos... até que um bom tijolaço na cabeça liquidou o assunto.

 

*  Olho em redor do bar em que escrevo estas linhas.
Aquele homem ali no balcão, caninha após caninha,
nem desconfia que se acha conosco desde o início
das eras. Pensa que está somente afogando problemas
dele, João Silva... Ele está é bebendo a milenar
inquietação do mundo!

 

*  Um poema como um gole d'água bebido no escuro.
Como um pobre animal palpitando ferido.
Como pequenina moeda de prata perdida para sempre na
[floresta noturna.
Um poema sem outra angústia que a sua misteriosa condição
[de poema.
Triste.
Solitário.
Único.
Ferido de mortal beleza.

*  Opinião só não muda quem não tem. 

*  Não deixe de fazer algo que gosta devido à falta de tempo; a única falta que terá, será desse tempo que infelizmente não voltará jamais.

*  O luar, é a luz do Sol que está sonhando. 

*  A noite acendeu as estrelas porque tinha medo da própria escuridão. 

* A mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer. 

* A morte é a libertação total: a morte é quando a gente pode, afinal, estar deitados de sapatos. 

* Despertador é bom para a gente se virar para o outro lado e dormir de novo. 

*  A modéstia é a vaidade escondida atrás da porta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:55



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D