Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Do país da cultura

por Thynus, em 20.12.13
Longe demais voei na direção do futuro; um pavor me assaltou.
E, quando olhei ao meu redor, eis que o tempo era meu único contemporâneo.
Então voei para trás, no rumo de casa — e cada vez mais depressa: assim cheguei até vós, homens do presente, e ao país da cultura.
Pela primeira vez trouxe comigo um olhar para vós, e bom desejo: em verdade, cheguei com saudade no coração.
Mas que me aconteceu? Embora tivesse medo — tive que rir! Meus olhos jamais tinham visto algo tão sarapintado!
Eu ria e ria, enquanto o pé ainda tremia, e também o coração: “Aqui deve ser a terra de todos os potes de tintas!” — disse eu.
Com cinquenta borrões de cores no rosto e nos membros: assim vos encontráveis ali, para meu espanto, ó homens do presente!
E com cinquenta espelhos ao vosso redor, que lisonjeavam e repetiam vosso jogo de cores!
Em verdade, não poderíeis usar máscaras melhores do que vossos próprios rostos, ó homens do presente! Quem poderia — reconhecer-vos?
Inteiramente inscritos com signos do passado, e com novos signos pincelados sobre esses signos: assim vos escondestes bem de todos os intérpretes de signos!
E, mesmo quando se é um escrutador de rins: quem ainda crê que tendes rins?(1) Pareceis formados de cores e pedaços de papel com cola.
Todos os tempos e povos transparecem coloridos atrás de vossos véus; todos os costumes e crenças falam coloridos através de vossos gestos.
Quem entre vós retirasse os véus, capas, cores e gestos, manteria apenas o suficiente para espantar os pássaros.
Em verdade, eu mesmo sou o pássaro espantado que um dia vos viu nus e sem cores; e fugi voando, quando o esqueleto me acenou amorosamente.
Preferiria ser trabalhador diarista no mundo inferior e junto às sombras do passado! — mais gordos e robustos do que vós são os habitantes desse outro mundo!
Sim, isso é amargor para minhas vísceras, que eu não vos suporte nus nem vestidos, ó homens do presente!
Tudo de inquietante no futuro, e que um dia assombrou pássaros fugidios, é verdadeiramente mais familiar e tranquilizador do que vossa “realidade”.
Pois assim falais: “Totalmente reais somos nós, e sem crença nem crendice”: desse modo vos gabais, inflando o peito — ah, embora não tendo peito!
Sim, como poderíeis crer, ó homens sarapintados! — que sois pinturas de tudo aquilo em que já se acreditou!
Sois refutações ambulantes da fé mesma, e fratura de todo pensamento.
Indignos de fé: assim vos chamo eu, ó homens reais!
Todos os tempos tagarelam uns contra os outros em vossos espíritos; e os sonhos e palavrórios de todos os tempos eram ainda mais reais do que é vossa vida acordada!
Sois estéreis: por isso vos falta fé. Mas quem tinha de criar sempre teve também seus sonhos proféticos e sinais dos astros — e acreditava na fé! —
Sois portões semiabertos, junto aos quais coveiros aguardam. E esta é a vossa realidade: “Tudo é digno de perecer”.(2)
Ah, como apareceis à minha frente, ó estéreis, com tão magras costelas! E mais de um, entre vós, provavelmente o percebeu.
E falou: “Será que um deus, enquanto eu dormia, subtraiu-me algo? Em verdade, o suficiente para formar uma mulherzinha!
Admirável é a pobreza de minhas costelas!”, assim já falou mais de um homem do presente.
Sim, fazeis-me rir, homens do presente! E especialmente quando vos admirais de vós mesmos!
E ai de mim se não pudesse rir de vossa admiração, e tivesse de beber tudo de repugnante de vossas tigelas!
Mas eu vos tomo de maneira leve, pois tenho coisa pesada a carregar; e que diferença faz se besouros e vermes alados ainda pousam em minha trouxa?
Em verdade, ela não me ficará mais pesada por isso! E não me virá de vós o grande cansaço, ó homens do presente! —
Ah, para onde devo ainda subir com o meu anseio? De todos os montes lanço o olhar, em busca de pátrias e mátrias.
Mas terra natal não encontrei em lugar nenhum: errante sou em todas as cidades, e me acho de partida em todos os portões.
São-me alheios, e um escárnio para mim, os homens do presente, aos quais há pouco tempo me impelia o coração; e expelido sou eu de pátrias e mátrias.
Então amo apenas o país de meus filhos, ainda não descoberto, no mais distante mar: a ele ordeno que minhas velas busquem sem cessar.
Em meus filhos quero reparar por ser filho de meus pais: e em todo o futuro — por este presente!
Assim falou Zaratustra.

(Nietzsche - Assim falou Zaratustra)  

NOTAS:
(1) “escrutador de rins”: tradução literal de Nierenprüfer, expressão de origem bíblica — cf. Salmos, 7, 10: “vós, Deus justo, que perscrutais o coração e as entranhas” (na versão de Lutero se acha especificamente “rins”: denn Du, gerechter Gott, prüfst Herzen und Nieren; a edição da Bíblia de Lutero utilizada nos cotejamentos foi a da Württembergische Bibelanstalt, Stuttgart, 1928). Logo acima, no texto, a palavra Zeichen foi traduzida por “signos”, mas também se poderia usar “sinais”. Algumas linhas abaixo, a referência já não é bíblica, mas clássica: “Preferiria ser trabalhador diarista...” remete às amargas palavras de Aquiles a Ulisses, quando este o visita no mundo dos mortos: “Não tentes reconciliar-me com a morte, ó glorioso Ulisses./ Eu preferiria estar na terra, como servo de outro,/ até de homem sem terra e sem grande sustento,/ do que reinar aqui sobre todos os mortos” (Odisseia, canto XI, vv. 488-91, citados na bela tradução de Frederico Lourenço, Lisboa: Biblioteca Editores
Independentes, 2008). Nietzsche parodia essa declaração, juntando o pior dos dois mundos.

(2) “Tudo é digno de perecer”: citação do Fausto, vv. 1339-40: “[...] pois tudo o que aparece/ É digno de perecer” ([...] denn alles, was entsteht/ Ist wert, dass es zu Grunde geht). Em seguida, há uma clara referência à criação de Eva a partir de uma costela de Adão, em Gênesis, 21, 2.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:10



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D