Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Modus vivendi

por Thynus, em 21.07.11

O texto com apenas 131 páginas, dividido em 5 capítulos e a introdução, é de 2006. Escrito pelo autorizado sociólogo polaco, observador lúcido da sociedade contemporânea e autor de muitos livros importantes, tornou-se rapidamenteuma chave de leitura reconhecida pela solidão do cidadão global: “se queremos compreender o mundo em que vivemos e não errar os movimentos, interpretando-o com as categorias que utilizamos no passado e que hoje não servem mais, é oportuno ler Modus vivendi de Zigmunt Baumn. O livro é belíssimo. A condição humana, pintada como um inferno, implora uma utopia que a possa resgatar” (Umberto Galimbertti); “com um livro fulgurante, Zigmunt Baumn confirma-se lucidíssmo nas suas análises sobre o tipo de mundo no qual nos tocou a viver” (Corrado Augias).
Para o autor as características fundamentais da sociedade contemporânea vistas com a óptica da centralidade no homem são:
- a liquidez, ou seja a volatilidade e a incerteza que qualificam todos os aspectos da vida também devida à ausência de fortes medidas de proteção e de tutela das pessoas por parte do estado,
- a separação entre poder e política porque o primeiro exercita-se a nível global e o estado perdeu poder e controle, a política é local e o mercado é global,
- A crescente dificuldade em fazer projetos de longo prazo, enquanto restam apenas segmentos de projecto a breve prazo que são difíceis de combinar numa sequência ordenada ao melhoramento.
“Não restaram muitos terrenos sólidos sobre os quais as pessoas possam construir as suas esperanças de salvação; não podemos mais esperar seriamente de fazer do mundo um lugar melhor para viver; não podemos sequer tornar verdadeiramente seguro aquele lugar melhor no mundo que, talvez, tenhamos conseguido reservar para nós mesmos. A insegurança existe e permanecerá, aconteça o que acontecer”, mas é possível tornar a incerteza menos terrível e isto só o podem fazer os habitantes do mundo líquido.
Zygmunt Bauman rouba a nossa atenção e enfrenta o medo mais inconfessável: que futuro nos espera?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:30


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds