Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Modus vivendi

por Thynus, em 21.07.11

O texto com apenas 131 páginas, dividido em 5 capítulos e a introdução, é de 2006. Escrito pelo autorizado sociólogo polaco, observador lúcido da sociedade contemporânea e autor de muitos livros importantes, tornou-se rapidamenteuma chave de leitura reconhecida pela solidão do cidadão global: “se queremos compreender o mundo em que vivemos e não errar os movimentos, interpretando-o com as categorias que utilizamos no passado e que hoje não servem mais, é oportuno ler Modus vivendi de Zigmunt Baumn. O livro é belíssimo. A condição humana, pintada como um inferno, implora uma utopia que a possa resgatar” (Umberto Galimbertti); “com um livro fulgurante, Zigmunt Baumn confirma-se lucidíssmo nas suas análises sobre o tipo de mundo no qual nos tocou a viver” (Corrado Augias).
Para o autor as características fundamentais da sociedade contemporânea vistas com a óptica da centralidade no homem são:
- a liquidez, ou seja a volatilidade e a incerteza que qualificam todos os aspectos da vida também devida à ausência de fortes medidas de proteção e de tutela das pessoas por parte do estado,
- a separação entre poder e política porque o primeiro exercita-se a nível global e o estado perdeu poder e controle, a política é local e o mercado é global,
- A crescente dificuldade em fazer projetos de longo prazo, enquanto restam apenas segmentos de projecto a breve prazo que são difíceis de combinar numa sequência ordenada ao melhoramento.
“Não restaram muitos terrenos sólidos sobre os quais as pessoas possam construir as suas esperanças de salvação; não podemos mais esperar seriamente de fazer do mundo um lugar melhor para viver; não podemos sequer tornar verdadeiramente seguro aquele lugar melhor no mundo que, talvez, tenhamos conseguido reservar para nós mesmos. A insegurança existe e permanecerá, aconteça o que acontecer”, mas é possível tornar a incerteza menos terrível e isto só o podem fazer os habitantes do mundo líquido.
Zygmunt Bauman rouba a nossa atenção e enfrenta o medo mais inconfessável: que futuro nos espera?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:30



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D