Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Religião a mais

por Thynus, em 06.12.13

 

Corre nos meios eclesiásticos a estória que conta que, estando programada uma viagem de Nossa Senhora à terra, ela terá manifestado desejo de descer a Fátima, argumentando que era um lugar onde nunca tinha estado!...
A ironia não estará tanto no pôr em causa as aparições em Fátima como eventualmente na veiculação de uma distância crítica face a um determinado tipo de religiosidade.
Henri Bergson, na obra famosa As Duas Fontes da Moral e da Religião, mostrou a distinção fundamental entre dois tipos de religiosidade. A primeira - a religiosidade estática
- tem a sua base na angústia da morte e no sentimento de abandono perante uma Natureza tantas vezes cruel, e, a partir do instinto de sobrevivência, procura protecção divina para a pequenez humana. A outra - a religiosidade dinâmica
- assenta na intuição do Mistério Último experienciado como amor. Esta exprime a grandeza do ser humano e apoia-se na experiência de homens excepcionais - os místicos. Mas o misticismo autêntico e completo é acção, pois o místico verdadeiro, "através de Deus, por Deus, ama a humanidade inteira com um amor divino".
Não há corte radical entre as duas formas, mas ao mesmo tempo é necessário reconhecer que há vivências mais e menos perfeitas da religião e uma tomada de consciência crescente e de nível mais alto neste domínio. Quando o núcleo da religião é vivido no amor, não só termina a intolerância como se impõe a compreeensão entre os humanos, independentemente da sua confissão religiosa. Foi assim que, também no sufismo, corrente mística do islamismo, houve a visão clara de que, insistindo no aspecto amoroso da religião, se dava a aproximação com Jesus, sem necessidade de abandonar a profissão islâmica. Kamil Hussein escreveu: "Se sentes no profundo de ti mesmo / que isso que te incita ao bem é o teu amor por Deus / e o teu amor pelos homens que Deus ama; / se pensas que o mal consiste em afastar-se dos homens / porque Deus os ama, como te ama a ti, / e que perdes o teu amor a Deus se causas dano àqueles que Ele ama, / isto é, a todos os homens, / tu és discípulo de Jesus, seja qual for a religião que professes".
Há um tremendo equívoco na afirmação corrente "católico não praticante", quando praticante se refere à prática dos rituais religiosos, nomeadamente a missa e a confissão. De facto, como escreveu Nietzsche, "só uma vida como a daquele que morreu na cruz é cristã". Jesus não se interessou com congregar os homens numa determinada confissão religiosa nem os convocou para rituais religiosos. Abriu caminhos para buscar o Mistério Último do mundo e vivê-lo no amor. No Juízo Final não se pergunta se se foi à missa ou a Fátima, mas se se praticou o amor ao irmão mais necessitado: deste-me de comer, de beber, de vestir, foste ver-me ao hospital, na cadeia... Os primeiros cristãos tiveram de defender-se contra a acusação de serem ateus: de facto, não só recusaram o culto oficial romano como não tinham aqueles sinais que aparentemente fazem parte da essência da religião: templos, altares para o sacrifício, imagens de Deus.
Embora ainda hoje os padres católicos tenham a obrigação de rezar o Ofício divino, na perspectiva cristã pode e deve perguntar-se: para quê o culto oficial, em ordem a aplacar a divindade e propiciar a sua benevolência, se Deus se revelou definitivamente como amor? Só quando for vivida adequadamente no templo do mundo a religião verdadeira da justiça e do amor, terá sentido pleno celebrar nos "templos" a alegria gozosa da vida e da fraternidade em Deus. Por isso, enquanto "a prática cristã" a que se referia Nietzsche for anémica, poderá dizer-se com razão que no sentido corrente de ritos e cerimónias até há religião a mais.

(Anselmo Borges - Janela do (In)Visível)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:23


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds