Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Religião a mais

por Thynus, em 06.12.13

 

Corre nos meios eclesiásticos a estória que conta que, estando programada uma viagem de Nossa Senhora à terra, ela terá manifestado desejo de descer a Fátima, argumentando que era um lugar onde nunca tinha estado!...
A ironia não estará tanto no pôr em causa as aparições em Fátima como eventualmente na veiculação de uma distância crítica face a um determinado tipo de religiosidade.
Henri Bergson, na obra famosa As Duas Fontes da Moral e da Religião, mostrou a distinção fundamental entre dois tipos de religiosidade. A primeira - a religiosidade estática
- tem a sua base na angústia da morte e no sentimento de abandono perante uma Natureza tantas vezes cruel, e, a partir do instinto de sobrevivência, procura protecção divina para a pequenez humana. A outra - a religiosidade dinâmica
- assenta na intuição do Mistério Último experienciado como amor. Esta exprime a grandeza do ser humano e apoia-se na experiência de homens excepcionais - os místicos. Mas o misticismo autêntico e completo é acção, pois o místico verdadeiro, "através de Deus, por Deus, ama a humanidade inteira com um amor divino".
Não há corte radical entre as duas formas, mas ao mesmo tempo é necessário reconhecer que há vivências mais e menos perfeitas da religião e uma tomada de consciência crescente e de nível mais alto neste domínio. Quando o núcleo da religião é vivido no amor, não só termina a intolerância como se impõe a compreeensão entre os humanos, independentemente da sua confissão religiosa. Foi assim que, também no sufismo, corrente mística do islamismo, houve a visão clara de que, insistindo no aspecto amoroso da religião, se dava a aproximação com Jesus, sem necessidade de abandonar a profissão islâmica. Kamil Hussein escreveu: "Se sentes no profundo de ti mesmo / que isso que te incita ao bem é o teu amor por Deus / e o teu amor pelos homens que Deus ama; / se pensas que o mal consiste em afastar-se dos homens / porque Deus os ama, como te ama a ti, / e que perdes o teu amor a Deus se causas dano àqueles que Ele ama, / isto é, a todos os homens, / tu és discípulo de Jesus, seja qual for a religião que professes".
Há um tremendo equívoco na afirmação corrente "católico não praticante", quando praticante se refere à prática dos rituais religiosos, nomeadamente a missa e a confissão. De facto, como escreveu Nietzsche, "só uma vida como a daquele que morreu na cruz é cristã". Jesus não se interessou com congregar os homens numa determinada confissão religiosa nem os convocou para rituais religiosos. Abriu caminhos para buscar o Mistério Último do mundo e vivê-lo no amor. No Juízo Final não se pergunta se se foi à missa ou a Fátima, mas se se praticou o amor ao irmão mais necessitado: deste-me de comer, de beber, de vestir, foste ver-me ao hospital, na cadeia... Os primeiros cristãos tiveram de defender-se contra a acusação de serem ateus: de facto, não só recusaram o culto oficial romano como não tinham aqueles sinais que aparentemente fazem parte da essência da religião: templos, altares para o sacrifício, imagens de Deus.
Embora ainda hoje os padres católicos tenham a obrigação de rezar o Ofício divino, na perspectiva cristã pode e deve perguntar-se: para quê o culto oficial, em ordem a aplacar a divindade e propiciar a sua benevolência, se Deus se revelou definitivamente como amor? Só quando for vivida adequadamente no templo do mundo a religião verdadeira da justiça e do amor, terá sentido pleno celebrar nos "templos" a alegria gozosa da vida e da fraternidade em Deus. Por isso, enquanto "a prática cristã" a que se referia Nietzsche for anémica, poderá dizer-se com razão que no sentido corrente de ritos e cerimónias até há religião a mais.

(Anselmo Borges - Janela do (In)Visível)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:23



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D