Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Desde que o homem existe, há necessidade de um abrigo: a história da casa e dos espaços em que as pessoas se movem, trabalham, se divertem, é também a história da humanidade. Diante do caos e do trabalho duro do nosso viver, repensar a cidade como um lugar onde poder ser feliz pode parecer uma utopia. Crepet e Botta, no entanto, mostram que é possível. Este livro contem de facto uma necessária e actual reflexão a duas vozes que cruza e re-interpreta o mapa das áreas urbanas, para que todo cidadão possa, finalmente, viver um tempo não só produtivo, mas onde emoções e riqueza sejam instrumentos de nova convivência.
A correlação entre espaços urbanos mal concebidos e infelicidade é bem conhecida. O psiquiatra Paul Crepet e o arquiteto Mario Botta, em conversa com o jornalista Joseph Zois, projectam o percurso ideal e real dos lugares onde vivemos em busca não de uma vida alienada, mas uma vida alegre todos os dias: a casa, as escolas, os escritórios, os bares, os espaços para brincar e fazer desporto, os hospitais, os locais de culto, a prisão, as estradas, os cemitérios.
As nossas emoções, de facto, dependem também, e, sobretudo, dos espaços onde passamos o nosso tempo: as cores, a luz e a organização dos ambientes podem criar isolamento, bem-estar, desconforto, estimular criatividade ou tédio, a começar no lugar mais negligenciado e mais essencial para o crescimento de cada geração: a escola.

Um psiquiatra e um arquitecto percorrem estradas diferentes, mas no fim encontram-se no lugar onde desenham, viajam e habitam as emoções. E da curiosidade mútua nasce uma nova rota; a viagem começa quase por acidente, mas tem uma meta comum: projetar as emoções, o magma de sentimentos, impressões, emergências do mundo interior que acompanha a vida de cada um de nós.
Como
se acende uma emoção? É efémera ou permanente? Estritamente pessoal ou compartilhada? Enquanto, podemos dizer que a arquitetura nasce com o homem, para a psicologia é difícil argumentar a mesma coisa. O homem primitivo, em certo sentido, vivia já numa realidade arquitetónica, aquela original e natural da caverna, que fornecia respostas à necessidade de abrigo e segurança. Necessidades que, como muitas outras da alma humana, a psicologia ea psiquiatria começaram a investigar e explicar só muito recentemente. ...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:10



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D