Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




CONVERSA COM FREUD

por Thynus, em 15.11.13

 

 

 

Em meus devaneios, imagino como seria bom poder conversar com Freud. Muitas vezes me perguntei que pensaria ele agora, tantos anos depois. Novos questionamentos surgiram para quem trabalhe com a mente humana, tantas coisas estão diferentes neste mundo que conheço, em relação ao que ele conheceu. Imagino se não estaria interessado nessas coisas de que falava e outras, como o renascimento do desejo ocidental da relação com a espiritualidade, as formas de comunicação direta entre pessoas, além do verbal e pára verbal. As influências mentais que um humano pode exercer sobre outro, a forma como cores e luzes e outras formas eletromagnéticas podem influenciar o psiquismo.
O ritmo de vida que temos hoje, e a disparidade com nossos ciclos biológicos, sobretudo após o advento do controle da luz pelo homem.
A quantidade de estímulos que o sistema nervoso central é capaz de processar de forma saudável, em comparação a que estamos submetidos. Acredito que diria: “vocês tem, realmente, muitos motivos para estarem todos perturbados: seu mundo é insano e tóxico.”

 

A vida nas metrópoles, o novo comportamento sexual e as posições feminina e masculina, o advento das drogas psicoativas na medicina e sua disseminação na sociedade.
Seja nas formas terapêuticas ou adictivas A violência, as angústias do ser hoje. Há muitas coisas sobre as quais Freud não falou, ao menos diretamente, pois eram desconhecidas no tempo em que viveu. Que pensaria ele sobre todas estas questões?
Isto é o que tenho me perguntado. Muito do que escreveu serve como início para a compreensão de fenômenos da atualidade mas, é inevitável que surjam novas perguntas e respostas diante de tão grandes alterações dentro e fora da cabeça. Meu desejo de ouvi-lo está presente em qualquer um que tenha interesse por comportamento humano, é impossível não imaginar como seria esclarecedor ouvir sua opinião e que seu saber pertence à humanidade, é parte do quebra cabeças e importa para todos.

 

Quando foi lançada a fluoxetina, o primeiro dos antidepressivos inibidores seletivos da recaptação de serotonina, houve quem a saudasse como a droga da felicidade. Passados alguns anos se confirma o que já sabíamos: isto não existe! O número de usuários da fluoxetina e de outros antidepressivos é enorme. Todos estão doentes? Muitos não estão. O que parece é que tentamos compensar com drogas os estragos do meio e nossa insatisfação com a vida. Não é possível o que o mundo atual quer das pessoas, elas realmente se desequilibram e tentam acelerar ou acalmar seu psiquismo através de medicamentos. É uma tentativa de adaptar-se ao ritmo frenético da vida, corresponder às novas exigências e conviver com as inseguranças.

 

Um grande avanço ocorreu com o tratamento químico dos desequilíbrios mentais, mas ele não representa a totalidade da resposta que buscamos. Sabemos que a depressão e ansiedade tem hoje uma freqüência crescente e boa parte disso se deve à insatisfação vital e ao estresse. Se entristece e angústia o ser contemporâneo, privado de seus ritmos, seus afetos e crenças internas. Por essas últimas entendendo o que cada um crê de si mesmo e dos seus vínculos que lhe fornece reasseguramento contra o desamparo. Crenças externas seriam aquelas pertinentes à realidade objetiva, comumente confundida com real, esquecendo que, para o homem, suas crenças internas são igualmente parte da realidade.
Que respostas temos para tudo isso? Como vamos enfocar e tratar estes sinais de desconforto dados pela mente humana nos dias que correm, mais de em todos os que em todos os precedentes?
O contexto favorece o desenvolvimento destes distúrbios em populações que, sob outras condições de vida, estariam provavelmente sadias. Se pensarmos no quanto nos resulta cara esta nova problemática de saúde, com perdas individuais e sociais, dispêndio de recursos para tratar, não apenas a condição direta de enfermidade mas, suas repercussões sobre o meio, teremos que reavaliar modos de viver, pensar, desejar, estabelecer relações.
Nossos tempos são geradores de emoções tóxicas. Remeto essas considerações ao artigo “O Lado Tóxico dos Processos Mentais,” e a “O Mal Estar na Civilização, S. Freud.

 

O ideal econômico desta civilização avançou tanto que suprimiu muitas das reações espontaneamente ditadas por nossa natureza. Várias de nossas necessidades passaram a ser consideradas incompatíveis com os deveres e as conveniências da sociedade.
Desconhecemos a razão principal da existência de todo este esforço que se chama civilização: o próprio homem e seu bem estar, e parecemos desconhecer ainda as considerações da biologia para nossa saúde ou enfermidade.
Arriscaria dizer que viver está progressivamente mais complicado. Se as facilidades proporcionadas pela tecnologia aumentam, as exigências crescem num ritmo mais acelerado, e as ameaças se tornaram mais diversificadas.
A grande conquista humana deste último século deveria Ter sido a liberdade, o avanço da democracia nas relações entre cidadãos e nas íntimas também. A liberdade de fato é um bem precioso, e o direito primeiro do ser, o que representaria um salto evolutivo impressionante. Contudo, não somos ainda totalmente livres, muitas são as tensões que incidem sobre nós e nosso mal estar diante delas, bem como é insipiente nossa capacidade para auto determinação construtiva.

 

Neste mundo em que me movo e onde vivem meus pacientes, posso dizer que o culto à produção e consumo tem escravizado a sociedade de tal forma, que os avanços conseguidos estão ruindo. As relações interpessoais estão mais instáveis e superficiais, enquanto que as sociais são comandadas pela competição. Portanto, apenas substituímos nossos deuses por outros que não sei se são melhores, e as tiranias persistem, inda que tenham tomado outras formas.

 

Temos ameaças nucleares, econômicas, biológicas, pairando sobre nós. E é grande o desafio de convivência, com milhões de homens apinhados em aglomerados urbanos cuja qualidade de vida é duvidosa e a segurança precária. Muito mais que uma droga como a fluoxetina é necessário para responder a isso. Fica adiada e descoberta da felicidade instantânea, permanente, e advinda de algo externo, facilmente encontrado, acessível a todos. Sem dúvida, era uma boa fantasia.
Resta-nos, prosseguir na jornada de entender e tratar as emoções e seu local de existência: as relações humanas. Não se pôde sustentar a simplificação que tínhamos em mente quando se previu que as alterações da química cerebral acabariam com o sofrimento humano.
Algo mais está na fonte desses desacertos e desencontros: ainda dependemos do outro, ainda temos uma natureza de afetos e uma biologia cujas necessidades não se pode descartar.
A evolução do conhecimento faz com vivamos num dia sempre novo, onde há sempre algo acontecendo. Este mundo agitado está sempre mudando, até mesmo numa velocidade maior que somos capazes de acompanhar. Em nossa essência mais profunda, somos os mesmos, nem todas as modificações foram assimiladas pela mente nem o corpo. As impossibilidades constituem aquilo que resulta na patologia da atualidade.
É inevitável que o senso de identidade fique perturbado neste redemoinho, no torvelinho das mudanças, da hiper informação, da super exigência, dos mega qualquer coisa e da escassez afetiva e de segurança..
O senso de identidade fundamenta o ser, qualquer geração que houvesse passado por tão bruscas mudanças como as últimas, teria sérios abalos em sua saúde física e mental.
Este, talvez seja o tempo de maior conflito interno que a humanidade já viveu e, por isso mesmo, é um momento interessante: crises são grandes oportunidades, nelas pode haver intenso crescimento emocional, apesar do desconforto.
Analisando estes tempos e os homens e mulheres que os constróem, concluímos que, ou aproveitamos o momento e amadureceremos muito como sociedade nos próximos anos, ou podemos ficar todos ruins da cabeça.

 

 

(Manoelita Dias dos Santos - "A lógica da emoção, da psicanálise à física quântica")

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:04


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds