Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




LAÇOS AFETIVOS E EQUILÍBRIO

por Thynus, em 30.08.13

 

 

O laço afetivo é oportunidade de desenvolver em nós o que é humano, no sentido modificado que o ideal da civilização representa. Nasce daí nossa capacidade de empatia, que seria em ultima instância o patrocinador da ética. Se o laço não é adequadamente formado e não adquirimos essa habilidade de reconhecer o outro, nenhum de nossos impulsos mais egoístas e agressivos pode ser freado. Não há o desenvolvimento da culpa que aqui referese ao pesar pelo dano que causamos a quem nos é caro.
Se não desenvolvemos a capacidade de nos ligar libidinalmente a alguém, aquilo que chamamos amor, nenhum pesar será possível já que os demais nos serão indiferentes. Só o temor de uma retaliação pode ser o freio, resultando num estado de coisas mais primitivo e distante do que pretende a civilização, em termos ideais.
Desenvolver esse laço afetivo é nossa maior aquisição, no sentido de nos tornarmos humanos e é, ao mesmo tempo, o maior alimento de nosso psiquismo. Receber cuidados e atenção amorosa nos leva a desenvolver um apego tal, que dirige nosso ser para o outro, cria em nossa vida a sua presença e organiza nosso caos interior, preenchendo nossos vácuos, e estabelecendo a confiança que nos salva do desespero.
O não estabelecimento desse vínculo pode levar à morte, à doença mental em seus mais variados níveis de gravidade, incluindo a sociopatia. Um homem não existe sem o outro, e talvez precise desse elo mais do que qualquer outra espécie.
Perceber que a doença mental passava por estas relações interpessoais, sua importância decisiva para a saúde ou enfermidade foi um mérito inegável de Freud.
Claro que era mais fácil, e pode ser ainda hoje, atribuir todo desequilíbrio e sofrimento mental aos azares da biologia. Olhar para nossas relações interpessoais e sociais, nossos parâmetros serem colocados em discussão, é mais complicado, mexe com a estrutura de muitas coisas que afinal não sabemos como mudar ou tememos fazê-lo.
Não há dúvidas de que se pode encontrar uma predisposição genética para o desenvolvimento de uma ou de outra doença mental, porém colocar toda a explicação na biologia negando a influência do meio, é um mecanismo arriscado.
Do equilíbrio de nossas relações afetivas e da capacidade, à partir daí desenvolvida, de confiar e interagir, depende a saúde mental humana. Simples, básico, mas bem difícil de ser posto em prática. Muitos complicadores surgirão ao longo da vida, porém nossa capacidade de reagir a eles será sempre diretamente proporcional às experiências de gratificação amorosa e confiança que tenhamos tido.
Uma ressalva: quando falo relação amorosa na educação, está incluída a colocação de limites que posteriormente nos capacitará a abrirmos mão daqueles impulsos e condutas que se mostrem incompatíveis com a convivência entre nós.

(Manoelita Dias dos Santos - "A lógica da emoção, da psicanálise à física quântica")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:00



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D