Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

(...) O cristianismo, que valorizou o trabalho em detrimento do gozo, é uma inversão dos valores da religiosidade primitiva por se opor à transgressão, ter repugnância pela transgressão, desconhecer a santidade da transgressão, e absolutizar o interdito, ao rejeitar a impureza, ao cassar o diabo — que tinha origem divina nas religiões anteriores — do mundo divino tal como ele o concebe. A astúcia do cristianismo foi prometer a possibilidade de o homem escapar do limite da descontinuidade individual, que é a morte, por uma descontinuidade que a morte não atinge, pela imortalidade de seres descontínuos, transformando, portanto, a continuidade do sagrado, do divino, na descontinuidade de um Deus criador. Perdendo seu caráter sagrado, com o cristianismo, o erotismo tornou-se imundo, a imundície que era preciso condenar e da qual era preciso libertar o mundo. “Relativamente, a transgressão, na orgia religiosa anterior ao cristianismo, era lícita: a piedade (piété) a exigia. À transgressão opunha-se o interdito, mas sua suspensão permanecia possível, à condição de observar os limites. O interdito, no mundo cristão, foi absoluto. A transgressão teria revelado o que o cristianismo velou: que o sagrado e o interdito se confundem, que o acesso ao sagrado é dado na violência de uma infração.” No cristianismo, o sagrado é identificado ao Bem, o interdito é afirmado, o mal torna-se falta, pecado, transgressão condenada, e o erotismo, perdendo seu caráter sagrado, é considerado profano, diabólico, imundo, impuro.

(Roberto Machado - FOUCAULT, a filosofia e a literatura)

publicado às 18:21


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds