Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A exploração do planeta e de seus recursos tem consequências cada vez mais alarmantes. No entanto, apenas se fala sobre os aspectos técnicos: o buraco de ozônio, por exemplo. Não psicológicos. Quando soa o alarme, porque nos deparamos com limites exteriores - tais como o superaquecimento da Terra - já é tarde. Observamos os efeitos de um processo - as crescentes necessidades - postas em movimento muito antes. Porque não somos mais capazes de limitar as nossas necessidades? Se discutim os limites do desenvolvimento, devemos nos perguntar por que temos a tendência a um desenvolvimento ilimitado. Então aperceber-nos-emos que esta tendência é relativamente recente e historicamente condicionada. Quase até ontem, o mundo era agrícola, procurava apenas  reproduzir os ciclos do ano  e seus frutos da estação. A história do Ocidente é a história do contornar desse modo de vida, substituído pela expansão sem limites; da metástase das produções, que é uma conseqüência de metástase das necessidades. Tal como para a economia, para entender a história, também temos que usar um olhar psicológico. A origem, na verdade, está é numa conversão inconsciente dos nossos antepassados.
O tese central da “História da Arrogância” é a hýbris (arrogância) e seu castigo inevitável. O autor desenvolve o conceito de Limite a partir da Grécia clássica: os antigos gregos acreditavam que o "pecado" da arrogância (o pecado de querer ultrapassar os limites impostos pelos deuses aos homens) era duramente punido por Nêmesis, deusa da justiça. A profunda análise dos antigos textos gregos, na primeira metade do livro, é seguida por um estudo das narrativas ocidentais sobre os castigos impostos a quem quebra o Limite: o Gênese bíblico, o Inferno de Dante e O Aprendiz de feiticeiro de Goethe. Para os gregos antigos, a moral estava sujeito aos limites. Os deuses queriam a felicidadepara eles, eram invejosos, puniam aqueles que tinham ou queriam em excesso. Mas os próprios gregos se ensoberbeceram de seus sucessos e reverteram o tabu dos limites: começaram a substitui-se aos deuses. Se é verdade que uma cultura pode negar apenas superficialmente as suas origens, que os deuses antigos desaparecem, mas os seus mitos renascem em formas modernas, então a nossa ânsia pelos limites do desenvolvimento não é apenas uma questão técnica, mas traz à tona um tormento e uma culpa infinitamente mais antiga.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:05



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D