Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




DEPRESSÃO

por Thynus, em 23.07.13

 

 

Há algum tempo este tema tornou-se parte de nosso cotidiano. Nas ruas no trabalho, em casa, na vizinhança...Todo mundo tem algum contato com ela, até mesmo pessoal. Acredito que se deva, ao analisá-la, partir do ponto de vista de que a tristeza é um estado de alma normal em determinados momentos. Inclusive na vida dos chamados animais irracionais existe a reação de tristeza, que sempre se refere a uma perda. È um modo de reagir à perda de algo ou alguém que é comum a uma ampla lista de espécies no reino animal. Tristeza é um estado passageiro de desinteresse pelo externo, introspecção e luto. É uma espécie de saudade.
A melancolia que Freud descreve é uma imensa saudade que nos faz adoecer. Só podemos sentir a falta de algo que conhecemos e não temos mais e sabemos todos como essas ausências podem ser dolorosas.
Uma fêmea que perde o filhote provavelmente desenvolverá algum tipo de reação semelhante. O filhote que perde a mãe...o animal que perde a liberdade... o índio aculturado, o atual homem civilizado... também podem desenvolver essa resposta afetiva, Pela duração de tal mal estar ou pela intensidade da experiência e seu impacto sobre o aparelho psíquico, isso pode tornar-se doença .Aí entramos em casos em que a tristeza passa a ser o estado corrente.
O animal em cativeiro não reencontra a alegria privado de sua liberdade. Simplesmente a circunstância desfavorável permanece e estado emocional correspondente também. É possível que um animal destes recobre parte do equilíbrio conseguindo uma adaptação a nova situação, mas será sempre castrado em suas potencialidades e é por isso que não se pode viver em cativeiro, é o máximo da saudade: a falta de si mesmo.
O estado emocional tristeza pode perpetuar-se pela vida, formando um modo de ser ou de reagir que se repetirá. Desenvolvemos uma resposta emocional durante a infância que dependendo da intensidade e da duração se perpetuará como um modelo.
Crianças tem menos estrutura e devem ser poupadas de perdas e perigos para que possam se desenvolver. Esse é um fato óbvio que o Brasil não tem visto com a devida seriedade. Somos alegres, fazemos carnaval, mas e as seqüelas em nossa auto estima? Ninguém percebe este traço melancólico disfarçado no brasileiro? Ele às vezes parece acreditar-se parte de uma casta inferior, um país de segunda linha onde as coisas não podem dar certo. O brasileiro amarela.
Temos uma pátria mãe gentil, exuberante e doce mas meio distraída, deixa as coisas meio frouxas, seus filhos por demais à vontade. Precisaria talvez ser um pouco mais clara quanto às regras e empenhar-se mais na educação de seus filhos. Não permitir que os fantasmas das perdas, da violência e da insegurança os atinjam ainda crianças.
Há distinção entre tristeza passageira, estado de alma temporário e tristeza mantida. Seja esta decorrente da fragilidade emocional de uma criança, seja pela recorrência ou manutenção das circunstâncias desfavoráveis.
Uma é resposta, a outra é crônica. Uma é vivência delimitada no tempo, a outra é modo de reagir e sentir o mundo. Tristeza patológica, se podemos chamar assim, não necessariamente precisa ter uma intensidade dramática, embora possa ser assim. Várias reações de tristeza pouco visíveis podem produzir estados de inibição permanente, com prejuízo para a capacidade de desfrutar a vida e relacionarse e exercer atividades criativas e produtivas. São formas mascaradas e subclínicas de depressão.
Somos seres que crescemos e nos desenvolvemos investindo nossa libido no mundo que nos cerca. Libido é nossa energia amorosa. Para permitir que flua temos que poder interagir com o que nos cerca com um mínimo de inibições e entraves. Essa interação mantém a tensão psíquica sob controle há uma descarga adequada ao bom funcionamento mental.
É nossa libido que se dirige a nossos pais e forma um elo amoroso que nos mantém interessados nesse contato e faz com que procuremos interagir e fazer crescer essa ligação.
Libido é um termo popularmente associado apenas à sexualidade, no entanto é mais abrangente e constitui toda experiência de prazer e a base de todas as nossas construções. Usamos a libido para nos relacionar com pessoas, com o trabalho e com tudo o que está ao nosso redor.
Sendo a libido a força que nos liga mais fortemente à vida, podemos compreender sua importância. Quando investimos essa energia em alguém, ele se torna emocionalmente significativo para nós. Assim também uma circunstância ou algo que amamos, porque representam oportunidades de gratificação. Podemos então entender que uma perda de qualquer uma dessas relações nas quais depositamos nossa energia amorosa, desperte um estado de mal estar.
Ele poderá vir a ser superado, após um período de luto, se conseguirmos recuperar esse capital afetivo e investí-lo em outras pessoas ou circunstâncias, estabelecendo novamente uma ligação que nos proporcione a sensação de bem estar em substituição da que perdemos.
Pode ocorrer, contudo que não consigamos recuperar esse capital e que a energia de que tanto necessitamos para viver, fique retida nessa situação de luto sem que ela chegue a ser superada.
Tal é o caso de perdas muito significativas ou repetidas em situações em que somos ainda muito frágeis para administrar tais prejuízos e incapazes de realizar o processo de substituição de uma ligação amorosa por outra, como na infância.
As conseqüências desse desarranjo precoce de nossas energias será uma menor disponibilidade delas para interação com o mundo. Além disso, perdas posteriores tenderão a despertar o mesmo estado de luto e angústia verificado nessas primeiras experiências. Teremos então uma predisposição emocional às reações depressivas.
Há também uma predisposição genética a esse tipo de adoecer. Sabe-se que as chamadas doenças afetivas têm um caráter familiar, como várias outras enfermidades também o têm. Em todas as vidas existirão situações de perda e decepção com aqueles ou aquilo que amamos e até conosco mesmos. Talvez aquelas pessoas cuja genética predispõe a uma queda na produção de determinados neurotransmissores, causadora de depressão, estejam mais vulneráveis e reajam mais intensamente às adversidades ao longo da vida.
Porém, mesmo sem predisposição genética qualquer pessoa pode desenvolver uma reação depressiva em determinado ponto da vida, dependendo das suas circunstâncias. E podem responder muito bem ao uso de antidepressivos, sugerindo que a reação emocional acompanha-se ou pode mesmo ser a geradora de um déficit na produção dos neurotransmissores.
Atualmente há um significativo aumento no número de pessoas, pelo mundo afora, que estão desenvolvendo sintomas depressivos. Pessoalmente acredito que tal situação esteja ligada a desequilíbrios nas situações de vida de cada uma delas e da humanidade como um todo. Creio que se possa falar de um desequilíbrio em nosso habitat emocional, que se apresenta hoje mais intenso do que em outras épocas.
Quer dizer: existem perdas maciças de aspectos muito importantes de nossas naturezas e por isso estamos desconfortáveis. O desconforto mantido gera stress e este o esgotamento de nossas possibilidades interativas, que representa a depressão. Assim, é de qualquer forma uma saudade que nos atinge e enferma.
Saudade de tudo aquilo que nossa natureza sensível necessita para manter-se vigorosa e que os valores da atualidade tentam nos convencer que não são importantes. Como a liberdade, a criação, a segurança, o amor, a esperança e os sonhos.

(Manoelita Dias dos Santos - "A lógica da emoção, da psicanálise à física quântica")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:54



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D