Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Absurdistão será o reino do absurdo - do latim, por contaminação, de ab-sonus (que não soa bem) e surdus (surdo, que não percebe), ab-surdus: etimologicamente, absurdo é, pois, o dissonante, e, depois, o contra-senso. Num Dicionário de Filosofia, poderá encontrar-se esta definição: a destruição de uma relação normal ou lógica que se esperava entre as coisas ou entre si e o mundo. A situação portuguesa é, neste nosso tempo, assim: surreal, que não se entende, com um futuro incerto e perigoso.
Pergunta-se, por exemplo, quando e como se vai pagar uma dívida de mais de 200 mil milhões de euros, com juros anuais de mais de 7, 5 mil milhões de euros. Mas há aquele velho e tremendíssimo debate entre os atenienses e os mélios, para o qual já chamei aqui a atenção, onde se mostra a terrível lei do mais forte: os mais fortes, neste momento, são os credores - numa situação de protectorado. À beira da bancarrota, chegou a esfola, com impostos sobre impostos, de tal maneira que, a partir de um certo limiar, a receita pode ser menor, porque as empresas fecham e o desemprego cresce. Mas há quem queira austeridade sem austeridade. Ah, e a fuga de capitais! E a corrupção a medrar, também na cumplicidade de política e negócios. E a economia paralela. E a Justiça que não funciona. E o desemprego a caminho de um milhão - quando se fala em desempregado, é preciso entender alguém que não tem trabalho, portanto, que não produz, que não contribui com impostos, que, pelo contrário, vai buscar apoio à segurança social, que pode deprimir... E, pela primeira vez, desde que me conheço, se, antes, se investia pessoalmente e amanhã a vida havia de ser melhor, agora reina o pessimismo do pior. O pior é mesmo isso: perdeu--se a esperança, a confiança, não se acredita, não há crédito. Para todos? Não, pois os muito ricos são-no cada vez mais. E os portugueses são uma "espécie em vias de extinção": temos uma das mais baixas taxas de natalidade do mundo, com a consequência, entre outras, de 1,5 de pessoas activas por cada pensionista. E todos gritam, e bem, por crescimento económico, mas há sempre alguém que, também com razão, pergunta: e quem investe e com o dinheiro de quem?
Pergunta-se como foi possível chegar aqui. Fica-se atordoado, quando se pensa nisso.
Lembro, um pouco a esmo, razões. Não há dúvida de que, seja como for, ao longo dos últimos 25 anos de integração europeia, o país evoluiu bastante. Mas quem duvida de que os 81 mil milhões de euros chegados da Europa poderiam e deveriam frequentemente seguir um rumo outro, em ordem a um desenvolvimento racional e sustentável? Criou-se então aquela mentalidade de falsos ricos, que gastam na irrazão. Ainda me lembro de reformados aos 45-50 anos. E das tais viagens a crédito para Cancún. E da criação de instituições de ensino superior sem critério e qualidade, prejudicando o país por décadas e levando à ilusão de um saber que não há e envenenando o sistema. E criou-se o vício da subsídio-dependência e do encosto ao Estado, que devia ser de providência, mas que cada vez menos o será, já que não teve previdência. E o número de funcionários cresceu e também o das empresas municipais e as PPP... Governou-se para ganhar eleições, perdido o sentido de Estado. O pacto entre a classe política e o povo faliu e agora 87% já não confiam muito na democracia.
Há um verbo latino muito rico: mederi. É importante, porque dá origem a três palavras fundamentais para a nossa necessidade mais urgente: meditação, medicina, moderação. Precisamos de parar e meditar e viver mais moderadamente (todos, não apenas os pobres). Quanto à medicina, ninguém conhece exactamente o remédio, mas ele passa também pela convocação de representantes das forças mais dinâmicas e estruturantes do país - Universidade, partidos, patronato, sindicatos, média, Igreja -, no sentido de um estudo que comunique, sem mentira, a situação real do país, e de um consenso mínimo quanto ao essencial, para salvar o futuro de um país que caminha para o precipício.

(Anselmo Borges)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:04



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D