Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Consumo

por Thynus, em 19.07.13

 

A propaganda brasileira é muito criativa, reconhecida internacionalmente. Assistimos muita televisão, que aliás chega a ser produto de exportação.
Imagino que já estejamos em condições de dizer que somos uma sociedade altamente especializada em desenvolver desejos de consumo.
Devíamos ter também adquirido tal eficácia em produzir riquezas e distribuí-las, de modo que muitos, pudessem consumir. Senão, fica sem graça, vira até humor negro.
Faça uma experiência: amarre seu cachorro e pendure algumas lingüiças de modo que fiquem bastante visíveis, mas não estejam ao seu alcance. Providencie outro cachorro e alimente-o até que fique satisfeito (tudo na frente do faminto). Repita isso diariamente e aguarde os resultados.
Peço desculpas se a comparação fere a sensibilidade de alguém, mas acho que isso explica muita coisa. Bombardear uma população de apelos a um consumo que é, para quase toda ela, inacessível, torna-se perigoso.
O desejo humano é algo poderoso, uma vez que se crie uma necessidade em nossas mentes, vamos atrás dela de qualquer jeito. Além disso, não se deve brincar com os sentimentos despertados pela frustração, eles produzem reações que podem fugir ao controle.
Se conseguirem nos convencer de que algo é importante para nossas vidas, que seremos mais felizes com este ou aquele produto, imagem ou situação, estará criada uma necessidade, que pode ser antes de tudo emocional. Mas as necessidades desta natureza não são menos poderosas que outras, ao contrário; tanto é assim que a publicidade vende, mais que o produto, a idéia de satisfação que ele é capaz de proporcionar.
Consumo também pode ser droga, quer dizer: pode viciar. Tudo o que produz alguma satisfação traz em si o desejo da repetição. O que está em jogo nele é então, satisfação instintual. Como sexo, jogo, agressão, proteção, distinção sobre os demais, força... Prometer uma satisfação instintual é uma forma de sedução e esta se assemelha ao domínio, ao comando dos atos de alguém em função de um desejo mobilizado.
Mexer com desejos humanos é fácil, eles são comuns a todos, com algumas variações individuais. Despertar desejos em excesso pode tornar-se escravizante. Pode ser danoso ao equilíbrio social e individual.

(Manoelita Dias dos Santos - "A lógica da emoção")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:44



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D