Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

 

Em todos os tempos, apesar da maldade dos homens, um grande ideal susteve as almas que eram dignas dele. A piedade e a admiração se misturam nas sombrias profundezas desse lugar desolado.
Fugimos à alma dessas pedras através das escadarias sem número, para acharmos de novo o dia, diante dessas flechas finamente traçadas que sobem para o céu no impulso impetuoso das mãos juntas para a prece.
Certamente, as pedras têm uma alma, a alma daqueles que as reuniu, daqueles que viveram na sua sombra doce ou cruel. E essa alma, nessas horas meditativas, penetra a nossa. Sentimo-la no fundo de nós mesmos, despertando todo um mundo de pensamentos deliciosos. Encontramos de novo essa alma, diversa e profunda, segundo os seres que a formaram.
É a mesma coisa em toda parte e a alma que encontramos nas Pirâmides do Egito difere, em sua calma religiosa e funerária, da paz reclusa do convento dos monges ocupados a instruir os homens, a abençoá-los, sob a guarda dos cavaleiros sem cessar preocupados em os defender, em uma época em que só a espada protegia aqueles que faziam florescer, à margem dos manuscritos, as mesmas flores que a sombra, caída das rendas de pedra, traçava sobre os muros dos corredores acinzentados.
Nos livros, encontramos o pensamento daqueles que os escreveram. Os autores desapareceram, mas o seu pensamento vive nas suas obras, mais poderoso pelo seu recuo do que pelo tempo em que a palavra as vibrava no ar. Lemos, e os pensamentos saltam de entre as páginas do livro, adejam-nos como grandes pássaros, tocam-nos, entram em nosso cérebro e aí se vão combinar, em profundezas ignoradas, com as nossas aquisições anteriores.
Tal quadro nos comove. Primeiramente, o assunto que representa atrai o nosso olhar atento. Examinamo-lo, porém, mais seriamente. Então, a alma do pintor nos penetra. Sentimos a sua mágoa ou a sua alegria e se, como Vinci, por exemplo, ele pôs um símbolo profundo em sua obra, descobrimo-lo e a nossa impressão artística é sublimada. Vibramos em uníssono com o seu pensamento. A alma do artista está ali, presente na sua obra.
O pensamento é, pois, um elemento capital na base da nossa vida mental. A influência de tudo o que nos rodeia é uma verdade da máxima evidência e é porque somos acessíveis a essa sugestão do pensamento dos outros que somos capazes de sugerir em torno de nós.

(Henri Durville - "A ciência secreta, vol.IV")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:10


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds