Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Dos sábios famosos

por Thynus, em 01.06.13

 


Servistes ao povo e à superstição do povo, sábios famosos — e não à verdade! E justamente por isso fostes venerados.
E também por isso foi tolerada vossa descrença, porque era uma graça e um rodeio para chegar ao povo. Desse modo o senhor deixa os escravos à vontade e até se deleita com sua petulância.
Mas aquele odiado pelo povo como um lobo pelos cães é o espírito livre, o inimigo dos grilhões, o não adorador, o que habita as florestas.
Caçá-lo de seu refúgio — isto sempre foi, para o povo, “senso de justiça”: contra ele sempre açula os cães de dentes mais afiados.
“Pois a verdade está aqui — não está aqui o povo? Ai daqueles que procuram!” — é o que se diz desde sempre.
Queríeis justificar vosso povo em sua veneração: a isso chamastes “vontade de verdade”, ó sábios famosos!
E vosso coração sempre falou a si mesmo: “Eu vim do povo; de lá também me veio a voz de Deus”.
Teimosos e prudentes como o asno, assim sempre fostes, como advogados do povo.
E mais de um poderoso, que queria andar bem com o povo, atrelou diante de seus cavalos — um pequeno asno, um sábio famoso.
E agora eu gostaria, ó sábios famosos, que afinal despísseis inteiramente a pele de leão!
A pele do animal de rapina, sarapintada, e a juba daquele que busca, explora, conquista!
Ah, para que eu chegue a acreditar em vossa “veracidade”, deveis primeiramente partir vossa vontade veneradora.
Veraz — assim chamo àquele que vai para desertos sem deuses e que partiu seu coração venerador.
Na areia amarela e queimado do sol, olha de soslaio, sedento, para as ilhas ricas em fontes, onde seres vivos descansam sob árvores escuras.
Mas sua sede não o convence a se tornar como esses confortáveis: pois onde há oásis há também imagens de ídolos.
Faminta, violenta, solitária, sem deus: assim quer a si mesma a vontade leonina.
Livre da felicidade do servo, redimida de deuses e adorações, destemida e temível, grande e solitária: assim é a vontade do veraz.
No deserto moraram desde sempre os verazes, os espíritos livres, como senhores do deserto; mas nas cidades moram os bem nutridos, famosos sábios — os animais de tiro.
Pois sempre puxam, como asnos — a carroça do povo!
Não que eu me irrite com eles por isso: mas para mim continuam servidores e arreados, ainda que resplendam com arreios de outro.
E muitas vezes foram bons serventes, dignos de louvor. Pois assim fala a virtude: “Se tens de servir, procura aquele a quem sejas mais útil!
O espírito e a virtude de teu senhor devem crescer pelo fato de o servires: assim, tu mesmo crescerás com seu espírito e sua virtude!”
E, em verdade, ó sábios famosos, ó serventes do povo! Vós mesmos crescestes com o espírito e a virtude do povo — e o povo, através de vós!
Em vossa honra o digo!
Mas permaneceis povo também em vossas virtudes, povo com olhos fracos — povo que não sabe o que é espírito!
Espírito é a vida que corta na própria vida: no próprio sofrimento aumenta o próprio saber — sabíeis isso?
E a felicidade do espírito é esta: ser ungido e consagrado vítima de sacrifício com lágrimas — sabíeis isso?
E a cegueira do cego e seu buscar e tatear deverão testemunhar o poder do sol para o qual ele olhou — sabíeis isso?
E com as montanhas o homem do conhecimento deve aprender a construir! É pouco que o espírito mova montanhas — sabíeis isso?
Conheceis apenas as centelhas do espírito: mas não vedes a bigorna que ele é, nem a crueldade do seu martelo!
Em verdade, não conheceis o orgulho do espírito! E menos ainda suportaríeis a modéstia do espírito, se ela um dia quisesse falar!
E jamais pudestes lançar vosso espírito num fosso de neve: não sois quentes o bastante para isso! Assim, não conheceis tampouco os êxtases de sua frieza.
Em tudo, porém, agis com excessiva familiaridade com o espírito; e muitas vezes fizestes da sabedoria um abrigo e hospital para poetas ruins.
Não sois águias; assim, tampouco experimentastes a felicidade que há no terror do espírito. E quem não é pássaro não deve permanecer sobre os abismos.
Vós me pareceis mornos: mas todo conhecimento profundo corre frio.
São gélidas as mais íntimas fontes do espírito: bálsamos para mãos quentes e para os que agem com ardor.
Aí estais, honrados, tesos e aprumados, ó sábios famosos! — não vos impele nenhum forte vento e vontade.
Não vistes jamais uma vela sobre o mar, redonda, inflada e tremendo à impetuosidade do vento?
Semelhante à vela, tremendo à impetuosidade do vento, vai minha sabedoria sobre o mar — minha selvagem sabedoria!
Mas vós, serventes do povo, vós, sábios famosos, — como poderíeis ir junto comigo?
 — Assim falou Zaratustra.

(Friedrich Nietzsche  "assim falou Zaratustra")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:26



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D