Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Da castidade

por Thynus, em 01.06.13

 

 

 Há na sensualidade uma espécie de alegria cósmica.
(Jean Giono)

 

Eu amo a floresta. É ruim viver nas cidades: ali são demasiados os que estão no cio.
Não é melhor cair nas mãos de um assassino do que nos sonhos de uma mulher no cio?
E observai esses homens: seu olhar já o diz — eles nada conhecem de melhor na terra do que deitar-se com uma mulher.
Há lama no fundo de suas almas; e que desgraça, se sua lama também tiver espírito!
Se ao menos fôsseis perfeitos como animais! Mas do animal é própria a inocência.
Aconselho-vos eu a matar vossos sentidos? Eu vos aconselho a inocência dos sentidos.
Aconselho-vos a castidade? A castidade é virtude em alguns, mas em muitos outros, quase um vício.
Esses podem se abster, mas a cadela sensualidade lança olhares invejosos de dentro de tudo que fazem.
Ainda nas alturas de sua virtude e no interior do frio espírito segue-os essa besta com sua inquietação.
E como sabe a cadela sensualidade mendigar uma porção de espírito, quando lhe é negada uma porção de carne!
Vós amais as tragédias e tudo o que parte o coração? Mas eu desconfio de vossa cadela.
Vossos olhares me parecem muito cruéis, e buscais avidamente por sofredores. Vossa volúpia não teria apenas se disfarçado e agora se chama compaixão?
E também esta parábola vos dou: muitos que queriam expulsar seus demônios entraram eles mesmos nos porcos.
Àquele para quem a castidade é difícil, ela deve ser desaconselhada: a fim de que não se torne o caminho para o inferno — isto é, para a lama e a lascívia da alma.
Falo de coisas sujas? Para mim isso não é o pior.
Não quando a verdade é suja, mas quando é rasa, o homem do conhecimento reluta em entrar nas suas águas.
Em verdade, existem os castos do fundo do ser: eles são mais mansos de coração, riem com mais gosto e mais frequentemente do que vós.
Riem também da castidade, e perguntam: “Que é a castidade?
Não é a castidade uma tolice? Mas essa tolice veio a nós, não fomos a ela.
Oferecemos abrigo e afeto a essa visitante: agora ela habita conosco — que permaneça o tempo que quiser!”
Assim falou Zaratustra.

(Friedrich Nietzsche  "assim falou Zaratustra")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:31


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds