Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O PRINCÍPIO DO HOMEM DAS CAVERNAS

por Thynus, em 30.05.13

Alguns futuristas alegaram que a Internet foi o rolo compressor que engoliria o teatro ao vivo, cinema, rádio e TV, que logo seriam vistos apenas em museus.

Na verdade, o inverso aconteceu. Os engarrafamentos são piores do que nunca, uma característica permanente da vida urbana. As pessoas migram para países estrangeiros ao registro de milhares, tornando o turismo um dos setores que mais cresce no planeta. Os clientes enchem as lojas, apesar das dificuldades econômicas. Em vez de"cyberclassrooms" que proliferam, as universidades ainda estão registrando um número recorde de alunos. Por outro lado, há mais pessoas que decidem trabalhar a partir de sua casas ou em teleconferência com seus colegas de trabalho, mas as cidades não esvaziaram. Em vez disso, elas se transformaram em megalópoles se alastrando. Hoje, é fácil de continuar as conversações de vídeo na Internet, mas a maioria das pessoas tende a ser relutantes ao serem filmadas, preferindo encontros cara-a-cara. E, claro, a Internet mudou o panorama da mídia inteira, como quebra-cabeças gigante da mídia sobre a maneira de gerar receita na Internet. Mas nem de perto venceu a TV, rádio e teatro ao vivo. As luzes da Broadway brilham ainda tão intensamente do que antes.
Por que estas previsões não se concretizaram? Imagino que as pessoas amplamente rejeitaram esses avanços por causa do que eu chamo o princípio do homem das cavernas. Genética e evidências fósseis indicam que os humanos modernos, que olharam como um de nós emergiu da África há mais de 100 mil anos atrás, mas nós não vemos nenhuma evidência de que nossos cérebros e personalidades mudaram muito desde então. Se alguém o observasse a partir desse período, ele seria anatomicamente idêntico a nós: se você lhe desse um banho e fizesse a barba, coloca-se-lhe um terno de três peças e, em seguida o colocasse em Wall Street, ele seria fisicamente indistinguível de qualquer outra pessoa. Assim, nossos desejos, sonhos, personalidade e desejos provavelmente não mudaram muito em 100.000 anos.
Nós provavelmente ainda pensamos como nossos ancestrais das cavernas.
O ponto é: sempre que houver um conflito entre a tecnologia moderna e os desejos dos nossos ancestrais primitivos, esses desejos primitivos ganham cada vez mais.
Esse é o princípio do homem das cavernas. Por exemplo, o homem das cavernas sempre exigiu uma "prova de morte da caça." Nunca foi suficiente se vangloriar do que aconteceu a uma grande distância. Tendo o animal fresco em nossas mãos sempre foi preferível a contar que escapou. Da mesma forma, queremos copiar sempre que lidamos com arquivos. Nós instintivamente não confiamos nos elétrons flutuando em nossa tela de computador, de modo que nós imprimimos os nossos e-mails e relatórios, mesmo quando não é necessário. Isso é, porque nunca o escritório vai ser um escritório sem papel.
Da mesma forma, os nossos antepassados sempre gostaram de encontros face a face. Isso nos ajudou à ligação com os outros e a ler suas emoções escondidas. Por isso, a cidade "sem pessoas" nunca aconteceu. Por exemplo, um patrão pode querer lidar cuidadosamente com um tamanho máximo de seus funcionários. É difícil fazer isso online, mas cara a cara um chefe pode ler a linguagem corporal para obter informações valiosas inconscientes. Ao observar as pessoas de perto, sentimos um vínculo comum e também podemos ler a sua linguagem corporal sutil para descobrir que tipos de pensamentos estão correndo dentro de suas cabeças. Isto porque os nossos ancestrais primatas, há milhares de anos atrás desenvolveram fala, linguagem corporal utilizada quase exclusivamente para transmitir seus pensamentos e emoções.
Este é o "cybertourism" da razão que nunca chegou a decolar. Uma coisa é ver uma foto do Taj Mahal, mas outra coisa é ter o direito de se gabar de realmente vê-lo em pessoa. Da mesma forma, ouvindo um CD do seu músico favorito não é o mesmo que sentir a emoção quando realmente vemos este mesmo músico em um show ao vivo, rodeado por toda a fanfarra, comoção e barulho. Isso significa que mesmo que seja capaz de baixar imagens realistas do nosso drama favorito ou celebridade, não há nada como realmente ver o drama no palco ou ver o ator o realizar em pessoa. Fãs não medem esforços para obter fotos autografadas e bilhetes de concertos da sua celebridade favorita, embora possam baixar uma imagem da Internet de forma gratuita.
Isso explica por que a previsão de que a Internet iria acabar com TV e rádio nunca veio a acontecer. Quando o cinema e rádio começaram pela primeira vez, o povo lamentou a morte do teatro ao vivo. Quando a TV chegou, as pessoas previram o fim dos filmes e da rádio. Nós estamos vivendo agora, com uma mistura de todas essas mídias. A lição é que um meio nunca anula um anterior, mas coexiste com ele. É a mistura e a relação entre estes meios de comunicação que mudam constantemente. Quem for capaz de prever com precisão a mistura destes meios no futuro poderá se tornar muito rico.
A razão para isso é que nossos antepassados sempre quiseram ver algo por si mesmos e não confiar no que se lhes dizia. Foi fundamental para nossa sobrevivência na floresta confiar na evidência física real em vez de rumores. Mesmo daqui a um século, nós ainda teremos teatro vivo e perseguição às celebridades, uma antiga herança de nosso passado distante.
Além disso, somos descendentes dos predadores que caçavam. Por isso, nós gostamos de observar os outros e até mesmo sentar durante horas em frente a uma TV, assistindo às infinitamente travessuras de nossos companheiros humanos, mas instantaneamente ficamos nervosos quando sentimos que estão nos vendo. Na verdade, os cientistas calcularam que ficamos nervosos quando ficamos olhando um desconhecido por cerca de quatro segundos. Após cerca de dez segundos, nós começamos até mesmo a ficar irados e hostis sendo olhados. Esta é a razão pela qual o telefone com imagem original era esquisito.
Além disso, por que ter de pentear o cabelo antes de ir on-line? (Hoje, após décadas de lenta, dolorosa melhoria, a videoconferência está aí, finalmente).
E hoje, é possível fazer cursos online. Mas as universidades estão cheias de alunos. O encontro de um-para-um com os professores, que podem dar atenção individual e responder a perguntas pessoais, ainda é preferível a cursos on-line. E um diploma universitário ainda tem mais peso do que um diploma online quando se candidata a um emprego.
Portanto, há uma concorrência permanente entre High-Tech, e High-Touch, isto é, sentados numa cadeira assistindo TV versus alcançar e tocar as coisas em torno de nós. Nesta competição, nós queremos ambos. É por isso que ainda temos teatro ao vivo, shows de rock, papel e turismo na era do ciberespaço e da realidade virtual.
Mas se são oferecidos gratuitamente uma imagem do nosso músico ou celebridade favorita ou bilhetes reais para o seu concerto, vamos pegar as passagens.
Então esse é o Princípio do Cave Man: nós preferimos ter os dois, mas se nos for dada uma escolha, vamos escolher o High-Touch, como nossos ancestrais homens das cavernas.
Mas há também um corolário desse princípio. Quando os cientistas criaram a Internet na década de 1960, acreditava-se que ele iria evoluir para um fórum de educação, ciência e progresso. Em vez disso, muitos ficaram horrorizados que logo degenerou em nenhum-prender-barrada Wild West, que é hoje.
Na verdade, isso era de se esperar. O corolário do Princípio do Cave Man é que se você quer prever as interações sociais dos seres humanos no futuro, deve simplesmente imaginare nossas interações sociais há 100.000 anos atrás, e multiplicar por um bilhão.
Isso significa que haverá um prémio colocado em fofocas, rede social, e de entretenimento. Os rumores foram essenciais para uma tribo para comunicar rapidamente as informações, especialmente sobre os líderes e modelos. Aqueles que ficaram de fora do circuito muitas vezes não sobrevivem para transmitir seus genes. Hoje, podemos ver essa jogada externamente próxima aos carrinhos de supermercado no checkout, em que celebridades aparecem nas revistas de fofocas, e no surgimento de uma cultura da celebridade-drive in. A única diferença hoje é que a magnitude dessa fofoca tribal foi multiplicada enormemente pela mídia de massa e agora pode correr o círculo da terra muitas vezes mais em uma fração de segundo.
A proliferação súbita de sites de redes sociais, que transformaram empresários jovens e com cara de bebê em bilionários quase da noite para o dia, pegou muita gente e os analistas de surpresa, mas é também um exemplo deste princípio. Em nossa história evolutiva, aqueles que mantiveram as grandes redes sociais poderiam depender deles para recursos, conselhos e ajuda que foram vitais para a sobrevivência.
E entretenimento, a última, vai continuar a crescer de forma explosiva. Nós às vezes não gostamos de admitir, mas uma parte dominante da nossa cultura é baseada em entretenimento. Depois da caçada, nossos ancestrais relaxavam e divertiam-se. Isso foi importante não só para a ligação, mas também para o estabelecimento de uma posição dentro da tribo. Não é por acaso que a dança e o canto, que são partes essenciais do entretenimento, são também vitais no reino animal ao demonstrar aptidão para o sexo oposto. Quando os pássaros machos cantam belas melodias complexas ou realizam rituais de acasalamento bizarro, é principalmente para mostrar ao sexo oposto que eles são saudáveis, que estão fisicamente em forma, livre de parasitas e têm genes dignos o suficiente para serem transmitidos.
E a criação da arte não era só por diversão, mas também desempenhara um papel importante na evolução do nosso cérebro, que controla a maioria das informações simbolicamente.
Então, se não mudar geneticamente a nossa personalidade de base, podemos esperar que as redes do poder de entretenimento, fofocas nos tabloides sociais aumentarão e não diminuirão, no futuro.

(DR. MICHIO KAKU - "FÍSICA DO FUTURO, COMO A CIÊNCIA IRÁ TRANSFORMAR A NOSSA VIDA DIÁRIA, NO ANO DE 2100")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:35



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D