Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Folclore

por Thynus, em 18.04.13

 

 

 

É amplamente conhecida no Brasil a origem da palavra folclore: termo cunhado em inglês a partir das palavras folk, povo, e lore, saber. Uma área do conhecimento muito prezada pelo turismo cultural e pela Antropologia. Definido inicialmente no século xix, pelo arqueólogo inglês William Thorns, o folclore designava então uma ciência cujo objeto de estudo eram as antiguidades literárias, as cerimônias, as crenças, as superstições e as manifestações do saber popular de sociedades com escrita, mais especificamente as europeias. Já no século xx, os estudiosos procuraram estabelecer melhor o termo e sua área de estudos.

 

No Brasil, em 1951, foi realizado o I Congresso Brasileiro de Folclore, que elaborou a Carta do Folclore Brasileiro, documento que definiu folclore como o conjunto de maneiras de pensar, sentir e agir de um povo, preservadas pela tradição popular e pela imitação. Hoje os estudos de folclore foram assimilados pela Antropologia, que o redefiniu como o campo de investigação da cultura espontânea, rural ou urbana. Ou seja, da cultura material e imaterial, que se origina espontaneamente no seio do povo.

 

O conceito de folclore está intimamente ligado às noções de povo, de tradição e, como não podia ser diferente, de cultura, pois de forma simples, folclore é a cultura popular tradicional. Diferentes regiões, diferentes grupos sociais e étnicos possuem tradições folclóricas diversas, e o estudo dessas tradições diz muito sobre como vive e pensa o povo, sobre sua história e a história do país e região que o abriga. Assim, o folclore significa o conjunto de todas as tradições, costumes, lendas e crenças populares de uma região. Para alguns autores, folclore é o estudo da cultura espontânea coletiva de um povo “civilizado”, ou seja, de uma sociedade com escrita. Essa é a perspectiva defendida, entre outros, por Rossini Tavares. Nesse sentido, os estudos que seguem essa perspectiva podem ser bastante etnocêntricos, por considerar o folclore a manifestação “menor” de um povo “avançado”, desprezando ao mesmo tempo as sociedades ágrafas e o próprio povo analfabeto das sociedades com escrita, e apresentando o folclore como uma elaboração rústica e primitiva de cultura, inferior à cultura erudita, à cultura das elites.

 

Mas o folclore pode também remeter à perspectiva contrária, ou seja, à valorização do saber popular, do conhecimento daquelas camadas sociais que, mesmo em uma sociedade que mantém o conhecimento erudito restrito às elites e sendo excluídas deste conhecimento, elaboram sua própria forma de conhecimento, democrática, criativa e dinâmica.

 

A cultura popular é composta pelas mais diversas manifestações folclóricas, desde danças e brincadeiras, à literatura oral constituída por provérbios, contos, cordéis, canções e à cultura material, com seus utensílios artesanais de utilidade cotidiana, e com a alimentação. Inclui ainda a chamada sabedoria popular, ou seja, conhecimentos comunais sobre o universo, aplicáveis à vida cotidiana, como a medicina popular.

 

É comum que algumas abordagens ressaltem apenas a característica da superstição nas narrativas folclóricas. Mas é preciso observar, como fez Robert Darnton para o folclore francês do século xviii, que os contos populares e as narrativas supersticiosas muitas vezes têm caráter pedagógico e moralista, pois almejam transmitir lições para o cotidiano. Além disso, ao observarmos as lendas folclóricas brasileiras, percebemos que esses relatos populares têm também acentuado caráter lúdico. Também é comum considerar manifestação ou fato folclórico apenas aquelas manifestações transmitidas oralmente (o que lhe conferia um caráter popular em uma sociedade onde as elites dominavam a escrita) e fossem coletivas, anônimas (sem autor conhecido) e espontâneas. Mas essa definição de fato folclórico como fenômeno cultural antigo, oral e anônimo é, em si mesma, bastante etnocêntrica, e no Brasil já foi criticada inclusive os trabalhos de Luís da Câmara Cascudo, na década de 1940. Assim, atualmente os estudiosos preferem conceituar folclore como a tradição constantemente readaptada, que tem como características a funcionalidade, o dinamismo, a aceitação coletiva, a espontaneidade. Por outro lado, hoje, com a valorização da cultura popular por amplos setores letrados, é cada vez mais frequente o registro de manifestações consideradas folclóricas, não apenas em texto escrito, mas em vídeos e músicas. No Nordeste, por exemplo, gêneros musicais tradicionais, como o coco e a ciranda de roda, têm ganhado, a partir das últimas décadas do século xx, espaço nas gravadoras e lojas de músicas, alcançando um público diferenciado e se readaptando a um novo contexto.

 

O antropólogo Renato Almeida, em obra clássica escrita na década de 1950, estudou o folclore a partir de uma visão funcionalista. Para ele, todo fato folclórico tinha uma função na cultura popular, e nela nada era gratuito ou arbitrário. O folclore, assim, estaria ligado ao passado, mas sempre readaptando-o para as necessidades do presente por meio da religião, das artes, das atividades lúdicas. Também pesquisas atuais na área de Etnomusicologia afirmam o caráter dinâmico da cultura popular. Etnomusicólogos contemporâneos têm dado continuidade ao trabalho de registro de tradições musicais populares, iniciado por Mário de Andrade, em 1938, com a Missão de Pesquisas Folclóricas. Andrade também procurou registrar manifestações folclóricas consideradas inacessíveis, por se desenvolverem em lugares distantes dos grandes centros urbanos. Considerando, então, que uma das características do folclore era a oralidade, a Missão de 1938 procurou registrar o maior número de manifestações culturais populares possíveis, com o intuito de preservá-las para as gerações futuras. Assim, percorreram diversas cidades em cinco estados brasileiros (Pernambuco, Paraíba, Ceará, Pará e Maranhão), registrando em fotos, filmes e gravações diversas manifestações da cultura popular, como o bumba meu boi, os reisados, os caboclinhos e o tambor de mina.

 

A versão atual da Missão, por sua vez, realizada por etnomusicólogos de universidades da Paraíba e de Pernambuco, segue novas perspectivas: considera que a cultura popular é dinâmica e vive em constante reelaboração, e não que vai desaparecer. Percebeu, por exemplo, que as manifestações gravadas pela Missão em 1938 continuam a existir, mas produzindo novas músicas com novas roupagens, como é o caso dos cocos e do carimbó. Esses pesquisadores preferem falar de música tradicional, e não de música folclórica, já indicando a existência de uma crítica a esse termo. Se o termo folclore está aos poucos sendo rejeitado por artistas e estudiosos, isso se deve ao sentido “pitoresco” com que a cultura popular era encarada. O adjetivo folclórico, dessa forma, expressaria certo desprezo por manifestações que, na verdade, não eram bem compreendidas, e só eram vistas pelo aspecto de “exótico” e de “pitoresco”.

 

Não podemos abordar folclore no Brasil sem mencionar a obra daquele que se tornou referência fundamental sobre o tema, Luís da Câmara Cascudo, autor de mais de uma centena de trabalhos sobre cultura popular. Sua obra abrange desde os jangadeiros, vaqueiros, cantadores até a alimentação e as heranças judaica e moura no sertão. Cascudo pesquisou principalmente o Nordeste, mas em diversas obras foi além do regional. A riqueza de informações recolhidas faz dele um autor indispensável para o conhecimento da cultura popular brasileira.

 

É importante que professores tenham acesso a essa riqueza de dados sobre as tradições populares no Brasil, pois o estudo das manifestações culturais populares nos permite entrar em contato com a diversidade cultural em nossa própria sociedade e observar que o povo cria arte e cultura de forma tão ou mais dinâmica que as elites intelectuais e a cultura erudita. Não podemos esquecer também que as trocas entre a cultura popular e a cultura erudita são constantes e ativas. Não apenas a literatura brasileira sempre se alimentou de temas populares – desde Iracema, de José de Alencar, passando pelo Macunaíma, de Mário de Andrade, até a obra de Guimarães Rosa e Ariano Suassuna –, como a música pop brasileira tem sido um dos principais divulgadores da música popular: desde Alceu Valença, passando por Chico Science e grupos atuais como o Cordel do Fogo Encantado. Mas também o contrário acontece: a cultura popular se alimenta da erudita. O cordel é um dos mais fortes exemplos dessa corrente em que o popular adaptou e reconstruiu um veículo erudito – a literatura escrita –, além de temas como a obra de Camões e a história de Carlos Magno.


Ainda, o folclore (termo hoje que está sendo substituído por cultura popular) está presente em todo o nosso cotidiano, e não apenas em manifestações culturais distantes. O carnaval, as festas juninas, o forró, as comidas típicas, são elementos que existem nas grandes cidades brasileiras. Além disso, muito do saber popular, antes desprezado pela ciência, tem sido visto com maior interesse por pesquisadores de diversas áreas. Exemplo disso é a medicina popular, que emprega ervas e remédios homeopáticos hoje valorizados pela ciência médica como um todo. Podemos, dessa forma, trabalhar nossa proximidade com a cultura popular, relacionando também folclore e identidade, estimulando o contato entre o universo escolar e a comunidade local onde ele está inserido, procurando observar quais manifestações e saberes são desenvolvidos por essa comunidade. A escola pode implantar projetos inter-disciplinares sobre cultura popular, envolvendo disciplinas como Música, História, Ciências (medicina popular), Sociologia etc., e mostrar como a cultura popular e a educação formal não são incompatíveis e podem caminhar juntas na formação dos educandos.


(Kalina Vanderlei Silva, Maciel Henrique Silva - "Dicionário de conceitos históricos")

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:42



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D