Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Imaginário

por Thynus, em 31.03.13

 Imaginário é uma palavra que desde as últimas décadas do século xx invadiu a produção da História no mundo ocidental. Intrinsecamente envolvido com a chamada Nova História francesa e com a produção de uma História das Mentalidades, seu estudo, no entanto, ultrapassa as fronteiras da História, atingindo a Antropologia e a Filosofia. Imaginário significa o conjunto de imagens guardadas no inconsciente coletivo de uma sociedade ou de um grupo social; é o depósito de imagens de memória e imaginação. Ele abarca todas as representações de uma sociedade, toda a experiência humana, coletiva ou individual: as ideias sobre a morte, sobre o futuro, sobre o corpo. Para Gilbert Durant, é um museu mental no qual estão todas as imagens passadas, presentes e as que ainda serão produzidas por dada sociedade. O imaginário é parte do mundo real, do cotidiano, não é algo independente. Na verdade, ele diz respeito diretamente às formas de viver e de pensar de uma sociedade. As imagens que o constituem não são iconográficas, ou seja, não são fotos, filmes, imagens concretas, mas sim figuras de memória, imagens mentais que representam as coisas que temos em nosso cotidiano.

Cada imaginário possui uma ou mais imagens ideais de mulher, possui uma ou várias imagens da morte, da vida, de Deus, do governo, da Nação, do trabalho etc. Essas imagens são construídas na memória coletiva a partir da forma como as pessoas, em seus grupos sociais, entendem o cotidiano ao seu redor, ou seja, da noção de representação. O conceito de representação, por sua vez, está em íntima conexão com o de imaginário e diz respeito à forma pela qual um indivíduo ou um grupo vê determinada imagem, determinado elemento de sua cultura ou sociedade. Por exemplo, a elite açucareira na sociedade escravista via as mulheres negras de forma bem específica: como pessoas libidinosas, que não gostavam de trabalhar, precisavam de disciplina. Assim, essa elite representava as mulheres negras de uma maneira que tinha tudo a ver com sua posição na estrutura social. Nesse sentido, a representação é a forma como um grupo social vê e explica um elemento de sua sociedade. E no caso da representação que a elite construiu sobre as mulheres negras, ela logo passou a constituir o imaginário da sociedade escravista, criando uma imagem da mulher negra, estereotipada e indiferente às singularidades de cada indivíduo. Por outro lado, a forma como lemos uma imagem muda constantemente e depende de nossa posição na estrutura social. Desse modo, é possível estudarmos a evolução das representações de uma imagem ao longo do tempo. Foi isso, por exemplo, que fez Maurice Agulhon com a imagem da República na França, entre a Revolução e o fim do século xix, acompanhando as mudanças na forma pela qual a sociedade francesa representou a República ao longo desse período e percebendo que com as mudanças políticas e sociais mudavam também as representações da República. Assim, podemos perceber que as imagens não são fixas nem imóveis, bem como que as representações que constituem o imaginário mudam também de acordo com o período.

O estudo das representações e do imaginário pode ser feito tanto sobre imagens iconográficas quanto sobre discursos, pois ambos reproduzem figuras de memória, e cada imagem é um traço da mentalidade coletiva de sua época. Nesse sentido, uma obra de arte está repleta de imagens da memória e da imaginação, e nunca expressa somente as ideias de seu autor, mas remete sempre ao contexto histórico que o envolve. Assim, um autor, por mais que tente ser original, não pode fugir ao imaginário ao qual pertence e compartilha com muitos outros.

O estudo do imaginário chegou à História com a Psicologia e a Antropologia, aparecendo de forma sistemática pela primeira vez nos trabalhos dos fundadores de Annales, Marc Bloch e Lucien Febvre. Mas foi a terceira geração de Annales, a Nova História, que deu ênfase especial ao imaginário, com seus estudos sobre mentalidades e cultura, derrubando a ideia de que o que era concreto era mais importante do que o que era invisível. Para historiadores como Georges Duby, o mundo invisível, imaginado, é tão importante para a vivência cotidiana quanto o mundo visível. O mundo imaginado, de sonhos, angústias, inquietações, se projeta no mundo “real”, na sociedade. E isso pode ser visto, por exemplo, na Arte. Duby, como outros historiadores do imaginário, foi bastante influenciado pelo trabalho do holandês Johannes Huizinga, que já em 1919 afirmava que o sentido de uma sociedade estava em seu sistema de representações, seu imaginário e na forma como ele se relacionava com as estruturas sociais, com a “realidade”.

Mas não é fácil estudar o imaginário, pois este não é independente. Para conhecermos as representações de um grupo ou de uma sociedade temos de conhecer todo seu sistema social, a religião, as relações de classe, as formas de comunicação etc., pois o imaginário perpassa todos esses elementos e só pode ser estudado em interação com a observação da totalidade da estrutura social. É por isso que um dos métodos mais bem-sucedidos para o estudo do imaginário é a Etno-história, conjunto de técnicas baseado na Etnografia, a descrição de sociedades ditas primitivas. Na Etno-história, a comunidade que se quer estudar é isolada, e todos os seus elementos sociais, econômicos e culturais são observados e descritos sem que o pesquisador se preocupe com a origem dessa sociedade, com suas ramificações futuras, nem com suas ligações com outras comunidades. Assim, é possível estudar a totalidade da sociedade, conhecendo-a a fundo e chegando até seu imaginário. Obra clássica que exemplifica o emprego da Etno-história é Montaillou, de Le Roy Ladurie, que por meio de processos inquisitoriais reconstitui o cotidiano e o imaginário de uma vila francesa medieval.

Mas o imaginário não é estudado apenas na História, e um dos maiores especialistas é o filósofo francês Gilbert Durant. Para ele, enquanto as civilizações não ocidentais, asiáticas, pré-colombianas ou africanas nunca separaram as verdades fornecidas pelas imagens das fornecidas pela escrita, o Ocidente foi criando, ao longo do tempo, uma antipatia pela imagem e uma supervalorização da escrita, que o empobreceu. Esse desprezo pela imagem teve um de seus mais fortes precursores no Antigo Testamento, que proibia a adoração de imagens, proibição herdada pelo Cristianismo e pelo Islã. Essa imagem contestada era a iconografia dos ídolos, ícones, imagens concretas. Mas o pensamento clássico grego também contribuiu para a queda do valor das imagens no Ocidente, pois Sócrates, Platão e Aristóteles, por exemplo, acreditavam que a única forma de acesso à verdade era por meio do raciocínio promovido pela experiência dos fatos, e as imagens, consideradas figuras da imaginação, não se encaixavam nessa definição. Na Idade Moderna, com a Revolução Científica de Descartes e Newton, a imagem foi mais uma vez desvalorizada. A imaginação, os questionamentos metafísicos, a poética, tudo isso caiu em descrédito perante o pensamento racional, científico, dedutivo, que teve seu auge no cientificismo do século xix. Dessa forma, tornou-se dominante no Ocidente o pensamento sem imagens. Mas Durant ressalva que em todos os tempos sempre existiu resistência a essa tendência no próprio Ocidente, começando pelo próprio Platão e seu mundo das ideias, passando por São Francisco e Santo Inácio de Loyola, com seus exercícios espirituais, e muitos outros. Apesar disso, o discurso dominante ocidental tornou-se aquele em que a experiência racional supera a experiência espiritual ou sensitiva. Assim é que, para Durant, a atual supremacia da imagem e da mídia no Ocidente é um paradoxo, pois essa imagem é fruto do próprio cientificismo, do progresso, e por ser “enlatada” tem o efeito inverso que as imagens normalmente têm: diminuem a capacidade imaginativa, impondo uma ditadura da propaganda e da imagem sem sentido.

Mas a pós-modernidade trouxe grandes críticas a esse pensamento sem imagem. A partir dela, na História e nas ciências humanas, o imaginário ganhou seu lugar como realidade concreta. A obra de Cornelius Castoriadis é um exemplo dessa revalorização da imagem promovida pela pós-modernidade. Para ele, o que mantém uma sociedade unida é seu complexo de normas, valores, linguagem, costumes etc., complexo unificado por uma instituição maior, a instituição imaginária da sociedade. Para ele, toda sociedade cria seu próprio mundo, definindo o que é real e o que não é. A sociedade, nesse sentido, é apenas um sistema de interpretação do mundo, criado por ela mesma.

No entanto, os críticos da pós-modernidade censuram essa importância excessiva dada ao imaginário. Para Michel Zaidan, por exemplo, a afirmação de que a sociedade é construída pelo seu próprio imaginário deixa de lado a realidade objetiva, as estruturas econômicas, sociais, a política. De acordo com ele, essa supervalorização da representação, do discurso, é feita em detrimento da realidade e leva à crença de que a História é apenas uma experiência pessoal do historiador e não pode nunca chegar à verdade.

Mas nem todos os trabalhos sobre imaginário descreem totalmente do real. Roger Chartier, por exemplo, afirma que toda representação do mundo social é construída pelos interesses do grupo que a elaborou, sendo necessário observar as representações e discursos a partir da posição social de quem os utiliza, segundo ele, assim como existe luta econômica pela hegemonia da sociedade, também existe luta de representações, cada grupo tentando impor seus próprios valores aos outros. Além disso, Chartier acredita que não existe distinção entre a objetividade das estruturas e a subjetividade das representações.

De todas essas considerações, vemos que o imaginário é um campo fértil para debates nas ciências humanas. É igualmente um campo de estudos em constante crescimento, interligado à História das Mentalidades e à História cultural. Para o professor de História, é também um conceito com grandes possibilidades didáticas: trabalhar com o imaginário de sociedades passadas é se aproximar mais do cotidiano das pessoas em outros tempos, é torná-las mais reais, mais próximas de nós, ao percebermos, por exemplo, que eram indivíduos com medos, angústias, anseios, desejos, sonhos etc. Cabe ao professor dosar o estudo do imaginário em sala de aula, trabalhando com o cotidiano, os mitos, a imaginação em períodos diversos, assim como com a abordagem da sociedade, da economia, do contexto histórico em questão. Não devemos cair na superficialidade de trabalhar apenas os aspectos mais pitorescos, esquecendo as estruturas econômicas ou as mudanças políticas. Esse é o perigo das abordagens culturais: a perda de profundidade. Para fugir dele, podemos mesclar textos culturais, sobre o imaginário e as mentalidades, com trabalhos sobre a estrutura econômica e social. As experiências didáticas podem também ser mescladas: para trabalhar a totalidade de uma sociedade, podemos empregar ao mesmo tempo aulas expositivas, pesquisas, seminários, excursões; cada prática abordando um aspecto diferente da sociedade em foco.

(Kalina Vanderlei Silva, Maciel Henrique Silva - "Dicionário de conceitos históricos") 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:03


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds