Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A morte, uma evidência recusada

por Thynus, em 25.02.13

Jacques Bossuet, o prelado e historiador francês do século 17, ficou famoso por suas orações fúnebres; em uma delas enunciou uma intrigante constatação do óbvio: "Nos funerais só se ouvem palavras de surpresa por aquele mortal estar morto".
Aquele mortal estar morto! Qual a fonte da surpresa? Não é a morte inexorável e sua chegada apenas uma questão de tempos e circunstâncias? Não estaria certo Fernando Pessoa ao sugerir que o humano é somente um cadáver adiado, mais do que o bípede implume platônico ou o animal racional aristotélico? Teria Pessoa se inspirado no provérbio inglês que diz ser a morte uma sombra que sempre acompanha o corpo? O filósofo romano Séneca, contemporâneo do nascimento do Cristianismo, afirmou, em uma de suas Cartas a Lucílio, que "a hora final, quando cessamos de existir, não nos traz a morte; ela simplesmente completa o processo de morrer. Nós alcançamos a morte naquele momento, mas já estávamos há muito tempo no caminho". Ora, se assim é, por que nossa recusa em aceitá-la?
Todos os seres vivos morrem; no entanto, é provável que o humano seja o único que sabe que vai morrer. Mesmo assim, a rejeição a esse fato natural é exuberante. As crianças, antes de serem por nós, adulteradas, têm por hábito mencionar a morte dizendo: "quando eu morrer...", "quando você morrer..." etc. São corrigidas rapidamente pelos adultos, de modo a substituírem o advérbio de tempo por uma conjunção condicional: "se eu morrer", "se você morrer", como se a alteração morfológica mudasse a substantividade do fenômeno e afastasse a ocorrência.
É claro que também se dá à morte um caráter positivo; é possível racionalizá-la supondo que a imortalidade seria insuportável, que morrer é descansar ou partir para uma situação melhor. Simone de Beauvoir, por exemplo, discute o dilema existencial em seu romance Os Mandarins e nele escreve que "a morte parece-nos menos terrível quando estamos cansados". O mesmo faz o poeta Arthur Rimbaud quando, nos seus deliciosos delírios pré-simbolistas, exclama: "Ó morte misteriosa, ó irmã de caridade!" É a "boa morte" (eutanásia) como desejo freqüente.
Entretanto, a morte apavora a muitos (a todos?). Para alguns, temor do desconhecido; para outros, rejeição à provisoriedade. O tremendo esforço das religiões para dar à morte uma lógica e a busca por integrá-la em um sentido mais unitário é acompanhado de perto pelas ciências em seu trabalho cotidiano de procurar retardá-la; o mesmo ocorre nas artes, com suas expressões catárticas, quando intentam circunscrever a mortalidade nos parâmetros da imortalidade estética.
Talvez valesse a pena nos apegarmos aos ensinamentos de Epicuro que, já no século 3 a.C., entendia não ter o humano nenhuma relação com a morte. O ateniense, pregando a calma felicidade, disse não temer a morte porque nunca iria encontrá-la, pois "enquanto sou a morte não é; e desde que ela seja, não sou mais". Consolo pueril ou convicção racional? Não importa; ajuda a exorcizar o terrível mistério.
De qualquer forma, é sempre bom recordar a sapiência secular da mineira Dona Sinhá Azeredo: quando afrontada pelos filhos e netos que, de brincadeira, ironizavam sua idade avançada (com os males e esquisitices senis decorrentes), retrucava, de modo triunfal: "Deixa estar; caminheiros somos, caminhando vamos..."

(Mario Sergio Cortella - "Não espere pelo epitáfio")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:14



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D