Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A perda de todos o pêlos do corpo

por Thynus, em 17.02.13

Em pacientes que sofrem deste sintoma, o organismo torna explícita de maneira radical uma forte tendência inconsciente de desistência da tarefa cumprida pelas antenas externas. Os pêlos morrem a partir da raiz sem qualquer razão aparente e deixam o afetado literalmente careca e pelado. Como eles se envergonham de aparecer em público sem pêlos, o sintoma muitas vezes leva a um isolamento total. Com isso, entretanto, efetua-se a desistência que os pacientes não têm coragem de levar a cabo conscientemente. No sintoma, o corpo mostra-lhes simbolicamente o propósito inconsciente de recolher as antenas e interromper os contatos com o meio circundante e realiza esse desejo. Há muito já que eles se sentem de fato nus, desprotegidos e expostos, sem no entanto admiti-lo para si mesmos. O sintoma mostra a vergonha dos pacientes em duplo sentido. A perda do rosto sentida inconscientemente também está implícita, pois além dos pêlos púbicos e das axilas eles perdem também as sobrancelhas e os cílios. Quando eles aprendem a superar a carência com a ajuda de perucas e maquiagem, o sintoma perde significado e, quando nada acontece internamente, a angústia aumenta com o retorno à vida em sociedade.
A tarefa de aprendizado é evidente: trata-se de retirar-se para dentro de si mesmo e recolher as antenas. O que está sendo exigido é a honestidade nua e a abertura desprotegida, como as de um bebê. Tentativas de encobrimento cosmético contribuem como tentativa de deixar passar inadvertida a mensagem do sintoma e não para sua cura. Juntamente com os cabelos é retirada também a liberdade, por exemplo a liberdade de mover-se em meio a outras pessoas de maneira livre e desimpedida. Sendo assim, perde-se também parte do magnetismo e, portanto, do poder que se exerce sobre outras pessoas, especialmente sobre o sexo oposto. A possibilidade de encantar com os cabelos fica descartada, já que pestanas que não estão mais disponíveis não podem piscar.
O sintoma remete-se à vergonha natural e mostra a própria situação de desamparo. Ele interliga vários jogos sociais e sobretudo o jogo da autoconfiança. Ele é igualmente o pólo oposto do hirsutismo. Enquanto este sugeria impor-se por meio da energia e do poder para assim desobrigar o corpo dessa tarefa, a completa perda de pêlos força ainda mais profundamente a um estado de desamparo infantil.

(Rüdger Dahlke - "A doença como linguagem da alma")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:53


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds