Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Paladar

por Thynus, em 16.02.13

O paladar, ao lado da sensibilidade superficial da pele, é nosso sentido mais direto. As papilas gustativas, localizadas na língua, gengivas, epiglote e na mucosa da garganta, precisam do contato direto dos receptores químicos com a comida para que a percepção se efetue. Existem unicamente quatro qualidades de percepção: doce, azedo, salgado e amargo. O grande espectro de sabores resulta do aroma, que é percebido pela mucosa olfativa do nariz. A perda do paladar não é perigosa como sintoma, e por essa razão se atribui a ela pouco valor como doença.
O grande número de fumantes já são sinal suficiente de que não andamos bem no que se refere aos nossos nervos do paladar. Enquanto a propaganda apregoa o fino sabor de cada tipo de tabaco, é exatamente o contrário que é verdadeiro. Nada prejudica tanto nosso paladar como o fumo. De cem fumantes, somente um ainda está em condições de reconhecer sua marca por seu sabor característico. A falta de paladar dos outros já é grande demais. Esta é também a razão pela qual os fumantes raramente gostam de frutas. Eles não estão mais em condições de perceber suas delicadas nuanças de sabor e preferem uma alimentação mais rude, com condimentos mais fortes. Quando consideramos o aumento do uso de condimentos e aromatizantes ao longo dos últimos 200 anos, o resultado é uma sobreexcitação que, por outro lado, corresponde à perda de nossa capacidade de percepção do gosto. Como toda época de restauração, toda cura através do jejum implica também em um novo começo, e mostra como somente uma pequena quantidade de material gustativo é necessária quando se tem a capacidade de percepção intacta. O excesso de condimentos a que estamos acostumados corresponde ao nosso estado normal de sobreexcitação e à tentativa convulsiva de dar à vida um pouco mais de tempero por esse meio. Por outro lado, os aromatizantes artificiais correspondem a uma necessidade genuína, pois até mesmo o paladar mais embotado deve perceber como tudo se tornou insípido. Baseados em nossa cultura de adubo artificial e estufa, fizemos com que a Mãe Natureza se movesse e agora ela sempre nos fornece tudo aquilo que queremos em qualquer momento. Mas ela nos dá somente o corpo de suas plantas, conservando a alma (1). Externamente, os morangos e tomates são maiores e mais bonitos do que nunca, somente o sabor diminuiu de maneira assombrosa. Nós nos acostumamos e compensamos a perda de qualidade com mais quantidade ou com sabor artificial. Nossos nervos do paladar adaptaram-se a isso. Agora são necessárias “coisas fortes" e grandes concentrações para agradar minimamente. Nosso sentido do paladar mostra que temos cada vez menos de cada vez mais.
Isso é confirmado também por nosso entorno. O que fizemos de nós e de nosso mundo não é absolutamente compatível com o bom gosto e corresponde na verdade a uma perda de gosto. Herman Weidelener remete a catástrofe do Ocidente ao fato de que separamos o idioma do gosto, embora ambos estejam unidos inseparavelmente na língua. A boca dos ocidentais deveria estar na testa, já que é quase sempre seu cérebro e quase nunca seu gosto que fala. Ainda assim, receitamos para nosso idioma a mesma cura de grosseria que recomendamos para nossas papilas gustativas. Visto desse modo, um aperfeiçoamento da sensação do idioma e do paladar seria uma terapia para nossa cultura da língua e do gosto.

(1) A alquimia também divide as plantas, como todo o mais, nos âmbitos de corpo, alma e espírito. A parte rígida da planta corresponde ao corpo, à alma corresponde seu óleo, respectivamente mais etéreo e que representa a individualidade e, com isso, também o sabor especial que tem. O álcool liberado pela fermentação, tal como por exemplo o espírito do vinho (conhaque), corresponde ao espírito.

(Rüdger Dahlke - "A doença como linguagem da alma") 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:50


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds