Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Os mitos do nosso tempo

por Thynus, em 21.07.11

Culto da juventude, idolatria da inteligência, obsessão pelo crescimento económico. E, ainda, tirania da moda, ânsia da perfeição do corpo, e, finalmente, a aceitação da guerra como acontecimento inevitável e manifestação de coragem, lealdade, espírito de sacrifício. Estes são os mitos de hoje. Ou melhor, são alguns dos falsos "mitos" que permeiam e plasmam a nossa sociedade. Os meios que a publicidade e os meios de comunicação de massas propõem como valores e impõem como práticas sociais, proporcionando-lhes uma linguagem que os torna atraentes e desejáveis. Umberto Galimberti pesquisa-os, desmonta-os, denuncia o seu carácter enganador, mostrando como os falsos mitos do mundo em que vivemos são realmente "idéias doentias", não percebidas como tal e, portanto, muito mais capazes de espalhar seus efeitos nocivos sem encontrar qualquer resistência. Um mito nasce quando os factos e as práticas de vida aos quais se referem não são formulados numa linguagem apropriada. Desmitifica-lo não significa negar os factos, mas devolvê-los ao seu sentido original. É necessário por isso um trabalho de investigação e de desmascaramento: um trabalho que sempre viu os filósofos na vanguarda, se é verdade que a filosofia, "pelo menos, a melhor filosofia", é uma correção contínua de idéias obsoletas, tornadas hegemónicas por força do hábito, por excesso de prática e de partilha, no fundo por preguiça mental.


Galimberti na apresentação deste livro mostra como é perigoso cultivar os mitos que, para sobreviver, recusam o conhecimento crítico. É muito fácil evitar cuidadosamente de saber e viver nos mitos do tempo corrente. (Já Jesus aconselhava a não se conformar com a mentalidade daquele tempo, com as modas. É um sinal de quão perigoso era também nos tempos passados abdicar do nosso sentido crítico.) Aceitar a responsabilidade de ser crítico ou juíz das coisas que nos acontecem e dos eventos que acontecem à nossa volta e a busca da verdade, são um imperativo moral de cada homem que queira definir-se de tal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:26



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D