Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A crise terminal do capitalismo é muito mais ampla e comporta uma dimensão civilizatória e não somente da preponderância e do domínio de um país em particular, por muito poderoso que este seja e mesmo ocupe um lugar central no sistema mundial contemporâneo.
  Como indica Roberto Espinoza, "vivemos uma complexa crise da civilização hegemônica (aquela da unidade entre ‘modernidade-colonialidade’) que põe em perigo todas as formas de vida do planeta, não só as humanas, e faz urgente o desenvolvimento de alternativas”. Essas, que têm que ser necessariamente complexas, totais e radicais, vias de desenvolvimento que se apartem do que José María Tortosa cataloga como maldesenvolvimento, têm surgido desde distintos espaços do espectro sociopolítico e abarcam um leque tão plural e heterogêneo quanto plural e heterogêneos são os grupos e movimentos sociais que os articulam, propõem e impulsionam.
Nesse contexto, o conceito de transição está surgindo com força em âmbito mundial, particularmente devido a crise combinada de energia, clima, alimentação e pobreza (transições rumo sociedades pós petróleo, baixas em consumo de energia, sustentáveis e rumo a soberania alimentar com produção local e autonomias locais, em particular); porém, também em termos culturais e espirituais.
A maioria desses discursos da transição estão animados por uma preocupação profunda pela vida. Ao tornar visíveis os efeitos perniciosos das ideologias do indivíduo e do mercado, esses discursos chamam a atenção sobre a necessidade de reconstruir as subjetividades e a economia, com frequência em cooperação com aquelas sociedades onde os regimes do indivíduo e da propriedade privada não chegaram a controlar por completo a prática social. Esses discursos igualmente tendem para economias diversas centradas na vida, o que é o caso de muitas visões da economia social e solidária.
Immanuel Wallerstein coincide em que nos encontramos em um mundo em transição e "não meramente da transição pela qual o sistema-mundo capitalista, em sua totalidade, se transforma em algo diferente”.
Em outras palavras, nos encontramos ante o que este mesmo autor cataloga como uma longa crise terminal do capitalismo, que leva a um futuro extremamente incerto na medida em que não consolidaram alternativas totais e viáveis. Essa crise terminal coincide; porém, não deve ser confundida com o decaimento da preponderância norte-americana no mundo, que alcançou seu zenit depois de 1945, quando os Estados Unidos emergiram como a única potência industrial de peso.
A crise terminal do capitalismo é muito mais ampla e comporta uma dimensão civilizatória e não somente da preponderância e do domínio de um país em particular, por muito poderoso que este seja e mesmo que ocupe um lugar central no sistema mundial contemporâneo. É nesse contexto que surge, a partir da década dos 90, uma serie de propostas que busca alternativas a esse sistema que se encontra em crise; porém, que não acaba de morrer.
A transição a que nos referimos faz parte de uma dinâmica muito mais ampla que a conjuntura dos últimos 30 anos, quando prevaleceu no sistema mundial a forma neoliberal do capitalismo e tem que ver mais bem com as contradições do sistema capitalista, que teve sua gênese em 1450, apesar da forma que sua fase terminal assume e o rumo que tome o mundo depois dele se se encontra vinculado tanto à luta organizada contra si quanto pelas propostas que possam ser feitas nesse contexto.
O capitalismo atual é a forma mais acabada de organização social emanada da civilização ocidental. Tanto ele quanto a organização econômico-social socialista histórica constituem expressões de uma forma de ver e estar no mundo que naufraga como forma viável de organização social que permita não só o bem estar, mas sua sobrevivência na Terra.
Portanto, impõe-se encontrar formas de organização social viáveis nesse momento histórico de transição, o que se refere à migração para um novo tipo de sociedade onde, em primeiro lugar, não prevaleça o que Leonardo Boff chama de novo fetiche: o mercado.

( Rafael Cuevas Molina)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:29



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D